Países mais ricos acolhem apenas 9% dos refugiados

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • Arcebispo brasileiro é atacado por liderar ''infiltração esquerdista'' na Igreja

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Agosto 2016

Neste período de incerteza, pode nos fazer bem ler algo que nos apresente o mundo e os seus problemas a partir de uma perspectiva um pouco diferente do habitual. É um belo serviço que há anos é oferecido pelo boletim semanal gratuito da Unimondo (www.unimondo.org), a filial italiana da rede internacional OneWorld, nascida em Londres em 1995 (11 centros no mundo e 1.600 associações parceiras).

A reportagem é de Agnese Moro, publicada no jornal La Stampa, 08-08-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eles escrevem: "A Unimondo é uma publicação jornalística online que oferece uma informação qualificada sobre os temas da paz, do desenvolvimento humano sustentável, dos direitos humanos e do ambiente. Ela divulga uma informação plural e cotidiana, dando voz às múltiplas realidades da sociedade civil italiana e internacional (organizações e associações, movimentos, ONGs, campanhas). O portal nasceu no dia 10 de dezembro de 1998 por iniciativa da Fundação Fontana Onlus e tem mais de 450 parceiros na Itália".

É muito interessante ler na Unimondo o relatório da organização Oxfam que destaca os desequilíbrios entre os diversos países na acolhida dos refugiados. Eles escrevem: "No total, mais de 65 milhões de pessoas foram forçadas a abandonar as próprias casas: 40,8 milhões são os deslocados internos, 21,3 milhões são os refugiados em outros países, e 3,2 milhões são aqueles que esperam resposta ao seu pedido de asilo nos países mais economicamente avançados. Os seis países mais ricos, que contribuem com a metade da economia global, hospedam apenas 8,88% dos refugiados e requerentes de asilo no mundo".

"Só a Alemanha acolhe mais de 736,000 pessoas, enquanto EUA, Reino Unido, França, China e Japão, juntos, hospedam 1,4 milhão. Em vez disso, Jordânia, Turquia, Territórios Ocupados Palestinos, Paquistão, Líbano e África do Sul, países que contam com menos de 2% na economia global, hospedam cerca de 12 milhões de refugiados e requerentes de asilo, praticamente a metade do total."

A Itália, recorda o site Vita.it, em um artigo republicado pela Unimondo, hospeda 134.997. A Unimondo também chama a atenção para a espinhosa questão da exportação de armas que, da Itália, chegam a países em conflito.

Ressalta-se que falta a necessária (e prevista pelos regulamentos) transparência sobre o tipo e a quantidade de armas exportadas e os países de destino. Leituras que nos ajudam a ter uma imagem menos idílica da Itália e mais responsiva às nossas responsabilidades reais.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Países mais ricos acolhem apenas 9% dos refugiados - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV