Irmãs agradecem a Francisco por criar comissão sobre diaconisas

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Agosto 2016


Papa Francisco abraça a Irmã Carmen Sammut, na Sala Paulo VI no Vaticano, 12 de maio. (CNS/Paul Haring)


O principal grupo internacional de religiosas católicas está expressando a sua gratidão ao Papa Francisco pela criação de uma comissão para estudar a possibilidade de permitir que mulheres sirvam como diaconisas na Igreja, agradecendo-lhe por responder ao chamado que elas fizeram, em maio, para o estabelecimento de um tal grupo.

A reportagem é de Joshua J. McElwee, publicada por National Catholic Reporter, 03-08-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

A União Internacional das Superioras Gerais – UISG pediu ao pontífice que criasse uma comissão para estudar mulheres diaconisas num encontro em maio deste ano entre ele e cerca de 900 religiosas representantes de ordens femininas do mundo inteiro.

Na quarta-feira desta semana, a Irmã Carmen Sammut, presidente do grupo, disse ao National Catholic Reporter que queria agradecer o papa em nome da organização.

“Em nome da União Internacional das Superioras Gerais, eu gostaria de expressar a minha gratidão e o meu apreço ao Papa Francisco por ter dado esse seguimento ao pedido do mês de maio”, disse Sammut.

“Entendo que esta comissão com a matéria publicada ontem irá fornecer informações fundamentais necessárias para um discernimento que conduza a uma decisão sobre a possibilidade de abrir o diaconato às mulheres na Igreja Católica”, disse ela.

“Observei com alegria que, juntamente com o presidente da comissão, esta é composta por 6 homens e 6 mulheres estudiosos, leigos/as e religiosos/as, provenientes de várias partes do mundo”, continuou Sammut. “Considero isso como uma das maneiras em que o Papa Francisco concretiza o seu desejo constante de ver as mulheres desempenharem um papel mais incisivo na Igreja”.

Na terça-feira em um comunicado à imprensa o Vaticano disse que o papa tinha decidido criar o grupo “depois de intensa oração e de uma amadurecida reflexão” e que quis que ela estude particularmente a história do diaconato das mulheres “especialmente no que diz respeito aos primeiros tempos da Igreja”.

O nome formal dado ao grupo é “Comissão de Estudo sobre o Diaconato das Mulheres”. Os membros da comissão incluem especialistas em teologia patrística, eclesiologia e espiritualidade.

Durante uma sessão de perguntas e respostas com o pontífice no dia 12 de maio, elas contaram a Francisco que mulheres haviam atuado como diaconisas nos primórdios da Igreja e, em seguida, perguntaram: “Por que não construir uma comissão oficial que poderia estudar a questão?”
“Estou de acordo”, respondeu o papa. “E vou trabalhar para fazer uma coisa desse tipo”.

A UISG foi criada no final do Concílio Vaticano II e agora tem cerca de 1.880 membros que representam aproximadamente 500 mil religiosas consagradas de todo o mundo. Sammut, que está à frente da organização desde 2013, é natural de Malta. É também a superiora geral das Irmãs Missionárias de Nossa Senhora da África.

Em entrevista ao sítio Global Sisters Report após o encontro com Francisco em maio, a presidente da UISG disse que imaginava um futuro em que as irmãs católicas poderiam “dar um passo adiante” e serem ordenadas ao diaconato.

“Em diferentes partes do mundo, muitas vezes somos nós quem tem feito a maior parte do trabalho que precisa ser feito”, disse Sammut na ocasião.
“Muitas de nos vivem na periferia (...) e em alguns lugares os padres são muito raros”, completou. “Há serviços que podemos dar para à Igreja, especialmente para a Igreja periférica onde estamos, o que estaria aberto caso fôssemos diaconisas”.

https://www.ncronline.org/sites/default/files/styles/article_slideshow/public/stories/images/20160512T1011-3319-CNS-POPE-UISG.jpg?itok=7IWygPx4

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Irmãs agradecem a Francisco por criar comissão sobre diaconisas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV