Belo Monte faz região onde irmã Dorothy foi assassinada voltar a ser palco de violência e tensão. Nota de resposta da Norte Energia. Usina hidrelétrica Belo Monte

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • A CNBB urge o governo a tomar “medidas sérias para salvar uma região determinante no equilíbrio ecológico do planeta”

    LER MAIS
  • Planeta em chamas. Artigo de Eliane Brum

    LER MAIS
  • Dia Mundial pelo fim do Especismo: 24 de agosto de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Agosto 2016

Altamira, 01 de agosto de 2016

Nota em resposta

A despeito da matéria intitulada “Belo Monte faz região onde irmã Dorothy foi assassinada voltar a ser palco de violência e tensão”, veiculada no site do Instituto Humanitas Unisinos, no dia 29.07.2016, a Norte Energia vem a público, diante da necessidade de preservação da verdade e dos seus direitos, apresentar as seguintes considerações:

Como signatária e cumpridora dos Princípios do Equador, a Norte Energia S.A. trabalha com responsabilidade social e ambiental, portanto, não aceita nem compartilha de quaisquer desrespeitos aos direitos humanos e à sustentabilidade. É baseada nisto que a empresa constrói a Usina Hidrelétrica Belo Monte e desenvolve o Projeto Básico Ambiental (PBA) e Projeto Básico Ambiental – Componente Indígena (PBA–CI), os quais somam investimentos de mais de R$ 4,2 bilhões em obras, ações e projetos de transformação social para as populações dos cinco municípios da área de influência direta do empreendimento: Altamira, Anapu, Brasil Novo, Vitória do Xingu e Senador José Porfírio.

Mentiras e ilações de opositores históricos ao projeto de Belo Monte têm associado a construção de Belo Monte a conflitos fundiários por meio de omissões e descontextualizações que o assunto exige. Infelizmente, conflitos no campo são uma realidade presente desde a ocupação em massa de terras na Amazônia na década de 1970, em especial no Pará e na região da Rodovia Transamazônica. Não é novidade, principalmente, para quem fiscaliza a lei e é afeito ao tema, que o Estado sempre esteve entre os primeiros nas estatísticas desses conflitos. Tal afirmação é confirmada em levantamentos de dados por instituições sociais de defesa dos direitos humanos do início da década de 1980 até os dias de hoje.

Entre 1996 e 2010, o Pará foi campeão de mortes no campo com 180 registros (39%) das 467 ocorrências no Brasil. O Estado registrou o maior número de assassinatos em todos os anos em que os números foram levantados nesse período, segundo dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT / PA). Portanto, Belo Monte ainda nem havia iniciado suas obras.

A mesma CPT mostra ainda que, em 2012, 2013 e 2014, portanto já com Belo Monte no auge de sua construção, os conflitos e mortes no campo no Pará também foram menores que em 2015. E a violência, urbana ou rural, não é privilégio do Estado do Pará. A região amazônica como um todo sempre teve suas terras muito disputadas. As próprias instituições citam, ao longo de décadas, fatores diretos e decisivos para os conflitos no campo, como a falta de demarcação, fraude cartorial em documentação, grilagem, impunidade e disputas próprias por áreas ricas em madeiras de lei, além de expansão de negócios.

No caso de Anapu, na região da Mata Preta, onde ocorreu o recrudescimento da violência, o conflito por lá se arrasta há pelo menos 30 anos. É caracterizada por uma disputa local por maior posse de terra entre grandes produtores e agricultores familiares assentados, situação que não se relaciona com as obras da UHE Belo Monte e seus trabalhadores. Portanto, não é honesto e nem justo atribuir conflitos no campo a um empreendimento, que na área da segurança pública, investe e apoia a prevenção contra a violência e respeito aos direitos humanos.

É ainda uma inverdade a informação de que “80 mil pessoas” ficaram na região de Belo Monte. Um dado que o IBGE desmente com uma consulta simples, com os números da população referentes a Anapu, por exemplo, que em 2010 possuía 20.543 habitantes e, em 2015, tem população estimada em 25.414. Ressalte-se que para as obras civis de Belo Monte vieram cerca de 30 mil trabalhadores de fora da região do empreendimento. Desses, apenas 3% ficaram na região após serem desmobilizados à medida que as obras civis avançavam. Além do Plano Básico Ambiental e Plano Básico Ambiental –Componente Indígena, a Norte Energia executa um Acordo de Cooperação Técnica e Financeira com o Governo do Estado do Pará, por meio da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (Segup).

A parceria resulta em investimentos na ordem de R$ 135 milhões em equipamentos, armamentos, capacitação, veículos e infraestrutura para as polícias militar e civil do Estado nessa região. Os recursos permitiram o aumento do efetivo, aluguel e compra de um helicóptero biturbina e doação ao Governo do Pará para ações de segurança pública no Xingu, além de circuitos de câmeras para vigilância e prevenção da violência em altamira, por exemplo.

Culpar Belo Monte por problemas históricos, que, lamentavelmente, o poder público e as autoridades competentes ainda não conseguiram resolver, é mero oportunismo e ataque gratuito ao empreendimento, práticas observadas repetidas vezes no discurso dos opositores ideológicos do projeto hidrelétrico em construção no Rio Xingu.

Norte Energia S.A

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Belo Monte faz região onde irmã Dorothy foi assassinada voltar a ser palco de violência e tensão. Nota de resposta da Norte Energia. Usina hidrelétrica Belo Monte - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV