Com mercado estagnado, desemprego no país mantém tendência de alta

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Agosto 2016

No trimestre encerrado em junho, taxa atingiu recorde de 11,3%, com quase 11,6 milhões de desempregados. País segue sem criar vagas, e ocupação formal também cai, assim como o rendimento

A reportagem foi publicada por Rede Brasil Atual - RBA,  29-07-2016. 

A taxa nacional de desemprego foi de 11,3% no trimestre encerrado em junho, acima tanto do período encerrado em março (10,9%) como de igual período do ano passado (8,3%), segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE. É o maior índice da série, iniciada em 2012. O número de desempregados foi estimado em 11,586 milhões, crescendo 4,5% em um trimestre (497 mil a mais) e 38,7% em 12 meses, com acréscimo de 3,231 milhões.

Pressionado por maior procura por emprego, o mercado de trabalho segue criando poucas ou eliminando vagas. Do primeiro para o segundo trimestre, o total de ocupados (90,798 milhões) ficou estável (0,2%). Em relação a junho de 2015, caiu 1,5%: menos 1,413 milhão.

Isso acontece também no emprego formal. Na comparação com o trimestre encerrado em março, o número de empregados com carteira assinada (34,424 milhões) ficou praticamente estável (-0,6%). Ante o segundo trimestre do ano passado, caiu 4,1%, com menos 1,486 milhão de trabalhadores registrados. Os empregados com carteira passaram de 38,9% para 37,9% do total de ocupados.

Já os sem carteira cresceram 3,7% do primeiro para o segundo período do ano, com entrada de 363 mil pessoas. Em 12 meses, o número fica estável. Com os trabalhadores domésticos, ocorre o contrário: estabilidade no trimestre e crescimento também de 3,7% ante junho de 2015 (mais 224 mil).

Entre os setores, em relação ao primeiro trimestre praticamente todos ficaram estáveis. Na comparação com o segundo período de 2015, o comportamento é diferenciado. A indústria, por exemplo, cai 11%: menos 1,440 milhão de ocupados. A construção sobe 3,9% (mais 277 mil) e os serviços domésticos, 5,3% (317 mil). Nos serviços, informação/comunicação/atividades financeiras têm queda de 10% (fechamento de 1,079 milhão de vagas) e transporte/armazenagem/correio crescem 5% (criação de 213 mil postos de trabalho). O emprego na administração pública (que inclui defesa, seguridade, saúde e educação) sobe 3,1% (mais 481 mil).

Estimado em R$ 1.972, o rendimento médio cai 1,5% ante março e 4,2% em relação a junho do ano passado. A massa de rendimentos (R$ 174,6 bilhões) registra quedas de 1,1% e 4,9%, respectivamente.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Com mercado estagnado, desemprego no país mantém tendência de alta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV