Facebook controla posts e torna sociedade mais passiva

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • “A atual loucura digital é um veneno para as crianças”. Entrevista com Michel Desmurget

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Julho 2016

Nós pensamos na internet como algo que está rompendo, e às vezes substituindo, instituições e indústrias tradicionais, à medida que vai crescendo e mudando. Hoje existem mais de 3,2 bilhões de usuários, e com o tempo, algumas empresas - o Facebook, a Apple e o Google entre elas — passaram a ter uma influência considerável sobre como usamos a internet.

A reportagem é de Stephen J. Dubner e Steven D. Levitt, publicada por Freakonimics e reproduzida por portal Uol, 27-07-2016.

Zeynep Tufekci, uma professora da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill, que estuda o impacto social da tecnologia, notou um problema preocupante em agosto de 2014. Ela estava acompanhando as notícias pelo Facebook e pelo Twitter, e percebeu que o Twitter estava cheio de atualizações depois que um policial branco atirou em Michael Brown, um negro de 18 anos morador de Ferguson, no Missouri.

Enquanto isso, o algoritmo do Facebook, com sua ênfase no que as pessoas "curtem", deixou passar grande parte dos protestos. "Eu entrava no Facebook e não via nada", contou Tufekci ao "Freakonomics" recentemente. "Esses algoritmos complexos do Facebook estão tendo todos esses efeitos... o Facebook está lançando esses programas que são feitos para tornar o Facebook amigável para anunciantes e que são feitos para nos manter dentro do site."

Algumas pessoas argumentam que o Facebook tem censurado notícias, ou pelo menos manipulado-as. Tufekci acredita que o problema começou nos primórdios da internet: "O dilema enfrentado pelas empresas de internet à medida que elas foram crescendo era sobre qual modelo de financiamento escolher. Elas escolheram o financiamento por anúncios, o que significa que você precisa agradar a Wall Street e a anunciantes, que por sua vez significa que você precisa ter um certo tipo de experiência online... o Facebook responde de forma significativa a seus anunciantes."

Ela tenta usar serviços pagos sempre que possível, de forma que seus dados não sejam vendidos e que ela não precise ver anúncios. "Conheço muita gente que quer usar sites gratuitos. E só quero dizer que isso tem um custo real."

Yochai Benkler, professor da escola de direito de Harvard e diretor do Berkman Center for Internet&Society, alega que o maior desafio para uma internet aberta é o fato de que a maioria dos consumidores simplesmente não sabem nem se importam tanto como o universo online realmente funciona. "A maneira como os economistas falam sobre ele são externalidades", ele disse. "Ao usar essa estrutura tão conveniente e simplificada, você está abraçando um sistema que torna a inovação, a criatividade e a divergência um pouco mais difíceis."

Na visão de Benkler - e talvez na sua também - a internet tem o potencial de criar uma sociedade mais comprometida e criativa. O risco é de que aqueles que controlam o acesso e aqueles que lucram a transformem em um ecossistema mais passivo. "Não estamos falando do Grande Irmão, de '1984' e de toda aquela tristeza", ele disse. "Estamos falando sobre algo que é muito mais como 'Admirável Mundo Novo', e no geral estamos bem felizes no dia a dia, e não sabemos quais são as alternativas além disso porque fomos mais ou menos moldados e manipulados para desfrutar o que estamos desfrutando.

Você pode argumentar que "ser manipulado para desfrutar o que estamos desfrutando" não é a pior coisa do mundo. É fácil se descontrolar com qualquer nova tecnologia, e a internet ainda é relativamente nova. Se você fosse o cara que descobriu o fogo, seus amigos poderiam vê-lo inicialmente como uma ameaça: "Ei, você vai incendiar a caverna!" A internet se provou muito útil, mas só um tolo pensaria que você não vai se queimar de vez em quando.

(Este episódio foi inspirado por uma edição recente de "Daedalus", a publicação da Academia Americana de Artes&Ciências.)

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Facebook controla posts e torna sociedade mais passiva - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV