Ação humanitária recupera nave afundada no ano passado no Mediterrâneo com mais de 700 corpos de migrantes

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Igreja Universal cria seu exército particular com "recrutamento" de PMs

    LER MAIS
  • A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto anti-genocídio

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Julho 2016

Nestas horas o governo italiano completa uma extraordinária operação humanitária na recuperação da nave afundada no ano passado no Mediterrâneo com mais de 700 corpos. Uma operação “meritória enquanto celebramos o Jubileu da Misericórdia, que recorda o valor da obra de misericórdia; sepultar os mortos, e também porque restitui os mortos às suas famílias, em pena para quem, tendo partido, não tinha mais dado suas notícias”.

A informação é publicada por Migrantes, 30-06-2016. A tradução é de Benno Dischinger.

A afirmá-lo é hoje a Fundação Migrantes numa nota que o pesqueiro naufragado aos 18 de abril de 2015, no Canal de Sicília, a 100 milhas da Sicília e a 40 da Líbia, permaneceu numa profundidade de 370 metros. Mas foi trazido à superfície para iniciar as operações de recuperação das restos do naufrágio.

“Finalmente, os corpos de homens e mulheres, crianças e jovens poderão encontrar – afirma Dom Giancarlo Perego, diretor geral da Fundação Migrantes – uma digna sepultura, no mesmo dia em que outras mães e mulheres perderam a vida no Mediterrâneo. Os mortos recuperados e os novos contínuos mortos no Mediterrâneo pedem – conclui – que não sejam mais rejeitados os corredores humanitários, única solução para não ter pesando na consciência os mortos de tantos migrantes em fuga, homens e mulheres como nós”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ação humanitária recupera nave afundada no ano passado no Mediterrâneo com mais de 700 corpos de migrantes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV