Um ano de Laudato si': o ambiente e o ser humano

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • Estudo sobre orçamento escancara obsessão de Bolsonaro por cortes em áreas sociais

    LER MAIS
  • Mas Francisco está sozinho, como diz Marco Politi? Um valioso livro de análise do pontificado. De qualquer forma, Francisco deu início a um novo curso na Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Junho 2016

Uma das características da Laudato si' é o fato de não se pôr em retirada ou na retaguarda, mas de ser reconhecida também fora dos ambientes católicos como uma das posições mais avançadas.

A opinião é do teólogo italiano Christian Albini, leigo casado, coordenador do Centro de Espiritualidade da diocese de Crema, na Itália, e sócio-fundador da Associação Viandanti.

O artigo foi publicado no seu blog Sperare per Tutti, 18-06-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

No dia 18, a Laudato si' completa um ano, um documento da Igreja Católica que teve uma rara repercussão internacional e constitui uma das etapas importantes do pontificado de Francisco.

Parece-me oportuno recapitular, ao menos, as três motivações principais que tornam esse texto merecedor de ser discutido e aprofundado, já que o seu valor não só é episódico.

1) Ele assume, dentro de uma leitura de fé, algumas questões e dados importantes de um debate público que não é religioso ou, ao menos, não é apenas isso. É raro que, como ocorreu com a Laudato si', um documento eclesial se torne um ponto de referência de importância primordial para uma questão desse tipo. Uma das características da Laudato si' é o fato de não se pôr em retirada ou na retaguarda, mas de ser reconhecida também fora dos ambientes católicos como uma das posições mais avançadas (penso nas palavras usadas por um pensador seguramente laico como Edgar Morin).

2) A ecologia integral da Laudato si' – que conjuga a escuta do grito da Terra e dos pobres, dimensões ambientais e humanas – se concentra em uma categoria, a de conexão ou de relação (como eu prefiro dizer), que abre a uma nova compreensão (um verdadeiro paradigma) em todos os campos da teologia para poder fazer o Evangelho falar hoje: teologia trinitária, fundamental, cristologia, antropologia, ética... O fato de que um documento magisterial a empregue como conceito basilar tem um grande valor também em perspectiva. Ouviremos falar muito disso também no futuro.
 
3) Outro aspecto importante é o de assumir, dentro um discurso religioso que tem um porte público, dados e argumentos do debate científico. Certamente, eles não assumem uma conotação dogmática, mas é importante o fato de não construir um discurso cristão isolado em relação à "conversa" e ao saber do próprio tempo. Uma correlação é necessária, para não se fechar nos recintos da ideologia e do sectarismo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um ano de Laudato si': o ambiente e o ser humano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV