Brasil não tem visão de pertencimento a um planeta em mudança, diz Paulo Artaxo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • “Infelizmente, a história da escravidão é contada por pessoas brancas”. Entrevista com Laurentino Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Junho 2016

Para Artaxo, as novas gerações possuem uma visão mais inteligente e muito menos predatória em relação ao meio ambiente.

A reportagem foi publicada por Radioagência USP, 06-06-2015. 

No dia 5 de junho de 1972, ocorria em Estocolmo a primeira conferência da ONU sobre meio ambiente. Desde então, a data passou a ser celebrada como o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Quarenta e quatro anos depois desse primeiro evento, há o que comemorar quando o assunto é preservação do meio ambiente? Para o professor Paulo Artaxo, do Instituto de Física da USP, a resposta é não.

Em entrevista ao jornalista Fabio Rubira e ao radialista Gilberto Rocha Jr., ele cita como um exemplo recente desse descaso com a proteção do meio ambiente o desastre ambiental de Mariana, onde o rompimento de uma barragem e o mar de lama resultante foram considerados o pior acidente da mineração brasileira. Em escala global, o cientista aponta o grau de degradação ambiental, que coloca em risco o próprio clima do planeta.

Artaxo critica a filosofia do lucro a qualquer custo, que muitas vezes aparece como o mote desse descaso com a questão da preservação ambiental. Para ele, é plenamente possível conciliar “desenvolvimento sustentável com preservação do meio ambiente”. O problema, argumenta, é que “o Brasil está despreparado, porque nossos governantes não têm qualquer visão de pertencimento a um planeta que está em processo de mudança”.

Escute o áudio clicando na imagem: 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasil não tem visão de pertencimento a um planeta em mudança, diz Paulo Artaxo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV