Cardeal lamenta que Ortega não aceite a presença de observadores nas eleições nicaraguenses

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • No dia 09 de outubro de 2020, o cardeal Tolentino Mendonça abordará as contribuições de Francisco para um futuro pós-pandêmico, em conferência online

    Pandemia, um evento epocal. A encíclica Fratelli Tutti, lida e comentada por José Tolentino Mendonça, cardeal, no IHU

    LER MAIS
  • É possível o fim da espécie humana?

    LER MAIS
  • O terremoto de Bergoglio. A Secretaria de Estado fica sem carteira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 08 Junho 2016

O cardeal nicaraguense Leopoldo Brenes lamentou que o presidente do país, Daniel Ortega, não aceite a presença de observadores internacionais nas eleições de novembro, nas quais buscará uma nova reeleição.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 07-06-2016. A tradução é de André Langer.

Ortega, proclamado no sábado à noite pelos sandinistas para ser o candidato a uma nova reeleição, criticou os observadores eleitorais da Organização de Estados Americanos (OEA), da União Europeia, o Centro Carter e os “yanquis”, uma alusão aos Estados Unidos, porque, na sua opinião, só se pronunciam em eleições de países onde não têm “seu domínio”.

“É uma lástima que não possam vir personalidades destes organismos que estão sendo convidados em outros países”, disse Brenes, arcebispo da arquidiocese de Manágua, Masaya e Carazo, ao ser consultado por jornalistas.

Para o cardeal Brenes, a observação eleitoral “não é um capricho” dos partidos que participam das eleições, “mas o sentimento da população”.

“Seria interesse que houvesse observação nacional e internacional para que todo o mundo se sinta tranquilo”, defendeu o religioso.

O Supremo Conselho Eleitoral (CSE), que ainda não convida observadores para as eleições de novembro, é acusado pelos opositores de alterar os resultados das eleições municipais de 2008 e presidenciais de 2011 a favor da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), no poder.

A Nicarágua elegerá no dia 06 de novembro um presidente, um vice-presidente, 90 deputados federais e 20 representantes para o Parlamento Centro-Americano (Parlacen).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal lamenta que Ortega não aceite a presença de observadores nas eleições nicaraguenses - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV