Grupo de deputados europeus pede suspensão das negociações com o Mercosul

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Párocos, franciscanos, ex-núncios: os treze novos cardeais de Francisco ampliam as fronteiras do Colégio cardinalício

    LER MAIS
  • Milícias do Rio mantêm parceria com polícia, facções e igrejas pentecostais, aponta estudo

    LER MAIS
  • Três dos novos cardeais escolhidos pelo Papa Francisco são destacados pelo movimento LGBTQ católico

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Mai 2016

Um grupo de mais de 30 deputados do Parlamento Europeu enviou nesta segunda-feira uma carta à alta representante da União Europeia (UE) para a Política Externa, Federica Mogherini, pedindo que não negocie com o Governo interino do Brasil, liderado por Michel Temer, o acordo comercial do bloco com o Mercosul.

A informação é publicada por El País, 30-05-2016.

O autor da carta, o eurodeputado Xabier Benito, do partido espanhol de esquerda Podemos, denuncia no documento a falta de "legitimidade democrática" do novo Executivo brasileiro, que substitui a presidenta afastada Dilma Rousseff enquanto o Senado a submete a um processo de impeachment por supostos crimes orçamentários, as chamadas “pedaladas fiscais”.

"O acordo comercial com o Mercosul", afirma Benito, "não se limita apenas a bens industriais ou agrícolas, mas também inclui outros itens como serviços, licitação pública e propriedade intelectual", de forma que "é extremamente necessário que todos os atores implicados nas negociações tenham a máxima legitimidade democrática: a das urnas".

O também primeiro vice-presidente da delegação do Parlamento Europeu para as relações com o Mercosul lembra em sua carta, que foi assinada por eurodeputados de diferentes grupos políticos e nacionalidades, que esses acordos devem levar em conta "a dignidade das pessoas e os direitos humanos, e não devem nunca priorizar o benefício econômico sobre o bem-estar das pessoas".

"Duvidamos que esse processo de negociação tenha a legitimidade democrática necessária para um assunto dessa magnitude", afirmou, ao mesmo tempo em que considera que "o mandato de Rousseff só pode ser mudado mediante o único método democraticamente aceitável: as eleições".

Benito diz, ainda, "compartilhar a preocupação expressada também pelo secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA) e pela Unasul sobre a severa situação na qual foi colocada Rousseff por um Congresso enfermo de corrupção e claramente orientado por intenções espúrias", segundo afirma em um comunicado.

"Urgimos a suspensão das negociações entre UE-Mercosul uma vez que tal acordo comercial não deveria ser negociado com o atual Governo” brasileiro, acrescentou.

"Solicitamos que (a UE) dê seu pleno apoio e envolvimento pela restauração da ordem democrática no Brasil", disse.

Dilma foi afastada de suas funções em 12 de maio e substituída por Temer, a princípio pelo período máximo de 180 dias que pode durar o processo de impeachment ao qual está sendo submetida.

Caso seu afastamento se torne definitivo, Temer completará o mandato que vai até 1 de janeiro de 2019, mas, se for absolvida no julgamento do Senado, vai recuperar o cargo quando a sentença for publicada.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Grupo de deputados europeus pede suspensão das negociações com o Mercosul - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV