As 'guerras litúrgicas' acalmaram, mas não desapareceram

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Maio 2016

Esta semana, apareceu em minha caixa de entrada um comunicado de imprensa da Comissão Internacional sobre o Inglês na Liturgia (ICEL) a respeito de uma recente visita de um funcionário do Vaticano a seus escritórios. ICEL é uma comissão mista de conferências episcopais em países onde o inglês é usado na liturgia e seu trabalho é traduzir textos para os cultos.

O comentário é de John L. Allen Jr., publicado por Crux, 21-05-2016. A tradução é de Luísa Flores.

Meu dedo estava pronto para pressionar o botão para excluir, quando de repente percebi o quanto é notável que a ICEL já não seja mais uma batata quente. Não muito tempo atrás, no auge do que veio a ser conhecido como as "guerras litúrgicas", este definitivamente não era o caso.

O termo "guerras litúrgicas" refere-se a uma série de batalhas sobre como o culto católico deveria parecer e soar em inglês, que teve seu pico nos anos 1990 e 2000.

As linhas de batalha foram formadas entre progressistas em favor de uma reforma e de um estilo "Vaticano II", que refletisse as sensibilidades modernas e as novas ideias teológicas, e conservadores que sentiam que a reformulação pós-Vaticano II da liturgia cedeu demais à modernidade secular, muitas vezes empregando fórmulas ecumênicas belas, mas duvidosas em termos de fidelidade à tradição e ao texto original em latim.

Outros dois outros fatores colocaram ainda mais lenha na fogueira:

  • Em partes, as controvérsias litúrgicas giram sobre a estética - julgamentos sobre o que é poético ou pedante, o que é artístico ou horrível, o que soa bem ou parece bom. Uma vez que tudo isso é basicamente subjetivo, simplesmente não há como contentar a todos.
  • Ao contrário de outros temas, em que a maioria das pessoas não se considera especialista, todo mundo já foi à missa, e, assim, todos têm uma opinião sobre como deve ser realizada.

Horas incalculáveis passaram-se em mais de duas décadas de debate sobre questões como a linguagem inclusiva, ou seja, se há problemas ou não em dizer "homem" para "pessoas", ou se a expressão em latim pro multis na oração eucarística deve ser "para todos" ou "para muitos". Inúmeras conferências foram realizadas, ensaios escritos, textos de blogs postados, e às vezes parecia que o debate nunca terminaria.

ICEL foi um dos campos de batalha, pois o controle sobre sua agenda e visão tornou-se parte das tensões mais amplas.

Tudo isso culminou no final dos anos 2000 com uma nova tradução para o inglês do Missal Romano, a coleção de orações e outros textos usados na missa. Ela apresentava algumas transições para a linguagem "sagrada" - "E com teu espírito" em favor de "E contigo também ", por exemplo, e "consubstancial ao Pai" em vez de "em um ser".

O novo missal foi implementado no primeiro domingo do Advento, em 2011, o que significa que este outono marcará seu aniversário de cinco anos.

Em que ponto nos encontramos atualmente? Embora a frente litúrgica esteja menos barulhenta, principalmente porque as decisões foram finalmente tomadas, a minha própria pesquisa totalmente não-científica sugere que as opiniões estão basicamente tão divididas quanto antes.

A seguir, por exemplo, fala o padre jesuíta James Martin, o mais popular escritor espiritual católico dos Estados Unidos, sobre a nova tradução:

"Sinto muito em dizer que, na minha experiência, muitos católicos, incluindo padres, consideram a linguagem desajeitada, pesada, deselegante, pomposa, e até mesmo confusa em vários pontos", disse Martin. "Como sacerdote, considero muito mais difícil de rezar a missa, e às vezes... ainda tenho dificuldades de entender pelo que exatamente estou orando".

"E", Martin acrescentou, "estou falando como alguém que trabalha com palavras... É uma fonte de grande tristeza para mim."

Por outro lado, monsenhor James Moroney, reitor do Seminário São João, em Boston, ex-chefe de gabinete do Comitê Litúrgico dos bispos dos EUA e conselheiro da Comissão Vox Clara do Vaticano, comentou:

"Apesar dos esforços de alguns para criar insatisfação generalizada com a nova tradução, a sua implementação tem sido muito mais suave do que poderiam ter previsto até mesmo seus defensores mais fortes", disse ele em resposta à minha consulta.

"Pela primeira vez desde o grande experimento de vernacularização da liturgia, na verdade estamos dizendo a mesma coisa que as orações em latim. Considerando a antiguidade e uso universal dessas orações, estas novas traduções são um sinal efetivo e instrumento de unidade de uma Igreja que reza o que acredita no decorrer do tempo e do espaço", disse Moroney.

Monsenhor Richard Hilgartner, também um veterano da conferência dos bispos e agora presidente da Associação Nacional dos Músicos Pastorais, disse que a transição enriqueceu a experiência litúrgica em alguns aspectos.

"Muitas paróquias ofereceram grandes catequeses, não somente a respeito das mudanças nos textos, mas sobre o tema mais amplo da liturgia, o que gerou frutos à medida que as pessoas aprenderam mais sobre o que fazemos e por que o fazemos quando celebramos a missa", disse ele.

O Padre Edward Beck, um contribuinte tanto para a Crux quanto para a CNN, ofereceu uma visão menos otimista.

"As orações parecem abordar um Deus distante e majestoso em detrimento de um relacionamento pessoal", Beck me relatou. "Soa quase como um Wordsmith real britânico. Ele poderia utilizar um pouco mais o Brooklyn - de uma forma gramaticalmente correta, é claro".

Beck também disse que parece haver uma "forte ênfase sobre o pecado e a reverência. Eu não tenho certeza se as orações são indicativos suficientes de um Deus que nos chama ao serviço do amor e à liberdade".

Se eu perguntasse a 100 outras pessoas, eu provavelmente obteria 100 outras opiniões.

Qual é a moral da história? Talvez seja esta: As "guerras litúrgicas" podem ter se acalmado, mas não desapareceram.

Ao mesmo tempo em que católicos levam a liturgia a sério - contanto que nos preocupemos com a maneira como adoramos, pois isso molda o que acreditamos e quem somos -, este debate nunca chegará a um fim. Mesmo que isso possa produzir azia de vez em quando, é o refluxo de uma paixão profunda.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As 'guerras litúrgicas' acalmaram, mas não desapareceram - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV