Quarto ato ‘Fora, Temer’ em Porto Alegre é marcado por apoio a ocupação Lanceiros Negros

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Maio 2016

O quarto ato contra o presidente interino, Michel Temer (PMDB), realizado na noite desta terça-feira (24), na Capital, encerrou ao som de rap, no Largo Zumbi dos Palmares, no bairro Cidade Baixa. A partir das 18h, os manifestantes começaram a se concentrar com faixas e cartazes e ensaiando os cantos que entoariam ao longo do trajeto. Cerca de uma hora depois, os milhares de manifestantes carregando uma grande faixa com a frase “Fora, Temer e Cunha na Cadeia” partiram aos gritos de “Golpistas, fascistas não passarão!

A reportagem é de Jaqueline Silveira, publicada por Sul21, 24-05-2016.

Antes de seguirem o trajeto definido, os ativistas fizeram uma parada estratégica na esquina das ruas Geral Câmara e Andrade Neves, na ocupação Lanceiros Negros. Eles foram levar solidariedade às famílias que, na madrugada desta quarta, tiveram o prédio onde vivem cercado por forte aparato policial para cumprir a reintegração de posse do local, que pertence ao Estado. Uma liminar concedida pelo Tribunal de Justiça na última hora suspendeu a retirada das famílias do edifício. “Lanceiros Negros é meu amigo, mexeu com eles, mexeu comigo” e “Não acabou, tem de acabar, eu quero o fim da Polícia Militar”, entoaram os manifestantes em frente ao prédio. Em retribuição ao apoio, moradores acenaram e bateram palmas das janelas e da porta do prédio.

Depois, os ativistas retomaram o caminho em direção à Cidade Baixa, enquanto a Empresa Pública de Circulação e Transporte (EPTC) fazia desvios no trânsito. No bairro boêmio, havia muita muitas pessoas nas ruas e pelos bares e que eram convidadas a se juntar no ato “Fora, Temer”: “Vem, vem, vem pra rua vem, que é contra o golpe”. Mas o coro mais entoado durante a caminhada foi: “Somos, somos do povo e o Michel Temer nós vamos derrubar”. As mulheres também deram o tom ao cantarem “Nem recatada, nem do lar, a mulherada tá na rua pra lutar”.

No caminho em direção à sede da RBS, mesmo prédio do jornal Zero Hora, os manifestantes carregaram uma TV com a palavra “golpe”. À medida que se aproximavam do prédio, localizado entre as avenidas Ipiranga e Erico Verissimo, os ativistas subiram o tom da cantoria: “A verdade é dura, a Rede Globo apoiou a ditadura e apoia o golpe”. Na frente, eles atearam fogo em exemplares do jornal Zero Hora e em quatro pneus, levantando fumaça. Nesse momento, algumas pedras e a TV foram arremessadas em direção ao edifício. Policiais do Batalhão de Operações Especiais, que até então não acompanhavam a manifestação, ao contrário dos outros três atos, posicionaram-se a uma certa distância de onde observaram os manifestantes.

Os pneus ainda queimavam quando os ativistas iniciaram o caminho de retorno à Cidade Baixa, entoando cantos repetidos no trajeto de ida. Aos gritos de “Volta, Dilma”, eles chegaram ao Largo Zumbi dos Palmares depois das 21h. No local, um caminhão de som já estava preparado para dar início às apresentações musicais, já que o ato “Fora, Temer” desta quarta era acompanhado de “virada cultural”. Ao som de rap, os manifestantes se concentraram próximo ao caminhão e alguns poucos sentaram em uma das vias da Avenida Loureiro, que estava bloqueada entre as ruas Lima e Silva e José do Patrocínio. Alguns poucos policiais acompanhavam de longe a movimentação do protesto pacífico.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quarto ato ‘Fora, Temer’ em Porto Alegre é marcado por apoio a ocupação Lanceiros Negros - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV