Desafio do Brasil é pôr em prática plano de adaptação às mudanças climáticas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A população de rua é um sintoma da necrofilia que vai matando nosso povo”. Entrevista com o Padre Júlio Lancelotti

    LER MAIS
  • Saúde mental, a eterna “loucura” do capitalismo. Artigo de Eduardo Camín

    LER MAIS
  • Ecologia sem transição, coletivo francês defende ruptura ecológica total

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Mai 2016

O Brasil já tem um plano para se adaptar aos efeitos das mudanças climáticas. O documento, lançado na semana passada como um dos últimos atos da presidente afastada Dilma Rousseff, contribuirá para que o Brasil reforce sua capacidade de adaptação e avaliação de riscos climáticos, integrando a gestão de vulnerabilidades e riscos climáticos às políticas e estratégias públicas. Deverá também conjugar ações de desenvolvimento nacional e locais às medidas de adaptação previstas no documento. A expectativa é que o plano comece a ser implementado pelo governo interino, pois trata-se de uma prioridade para o país.

A reportagem é de Bruna Mello de Cenço, publicada WWF Brasil, 23-05-2016.

O Plano Nacional de Adaptação (PNA) foi uma das promessas do Brasil na Convenção do Clima das Nações Unidas. O documento começou a ser elaborado em 2013 e teve como um dos pontos positivos a manutenção do diálogo com outros órgãos do governo e com a sociedade civil, incluindo reuniões com organizações sociais e uma consulta pública para o documento, para o qual o WWF-Brasil e o Observatório do Clima enviaram contribuições.

O documento inclui objetivos, princípios, diretrizes e estratégias para os seguintes setores e temas: Agricultura, Biodiversidade e Ecossistemas, Cidades, Desastres, Naturais, Indústria e Mineração, Infraestrutura (Energia, Transportes e Mobilidade Urbana), Povos e Populações Vulneráveis, Recursos Hídricos, Saúde, Segurança Alimentar e Nutricional e Zonas Costeiras.

A participação de diferentes atores na elaboração do documento fez com que o PNA tivesse um caráter abrangente e transversal, característica fundamental para um plano de adaptação. “É preciso definir como essas metas serão atingidas, fazendo o detalhamento por meio de planos de ações”, diz o coordenador o Programa de Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur.

Ele lembra que o Brasil é um dos países mais impactos pelas mudanças climáticas por causa das suas características regionais, enorme biodiversidade e questões econômicas. Um exemplo é a intensificação dos efeitos climáticos que devem trazer mais danos à agricultura.

“A mudanças climáticas já são uma realidade, o que precisamos é nos prevenir para que seus efeitos tragam o menor impacto possível, principalmente para as comunidades mais vulneráveis”, diz ele.

Além de trazer esforços para reduzir os impactos, o plano nacional de adaptação pode trazer soluções e oportunidades para a população brasileira, com empregos verdes e infraestrutura adequada, continua Nahur, acrescentando que o WWF-Brasil tem trabalhado também de forma subnacional, para desenvolver planos regionais de adaptação.

“A partir da publicação do PNA, abre-se caminho para que os estados desenvolvam e implementem os seus próprios planos, com as características próprias de cada região”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Desafio do Brasil é pôr em prática plano de adaptação às mudanças climáticas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV