O cardeal Lehmann critica a prática das nomeações episcopais

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Apoio do papa a uniões gays não é uma surpresa, mas é muito significativo. Artigo de James Alison

    LER MAIS
  • Coluna “Rumo a Assis: na direção da Economia de Francisco”

    O propósito da tecnologia e do humano: Dados, reflexões e possibilidades para a Economia de Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco, uniões civis e o reconhecimento da intimidade. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 04 Mai 2016

O cardeal Karl Lehmann, bispo de Mainz, na Alemanha, festejará seu 80º aniversário na próxima segunda-feira de Pentecostes (16 de maio). Nesta ocasião, no livro-entrevista editado pela Herder Verlag, o ex-presidente da Conferência Episcopal da Alemanha, conhecido por sua franqueza e seus confrontos com a cúria romana, julga severamente a prática das nomeações episcopais feitas pelo Vaticano.

 
Fonte: http://bit.ly/1q0cDvB  

A reportagem é de Jacques Berset e publicada pelo Portal Catholique Suisse – cath.ch, 02-05-2016. A tradução é de André Langer.

O cardeal Lehmann declara que ao longo dos últimos anos tem havido evidência de casos “em que os candidatos propostos pelo Capítulo da Catedral local foram excluídos da lista”, e os nomes substituídos em uma nova lista feita em Roma. Considerando-se ser realmente este o caso, trata-se de “um desprezo da Igreja local difícil de suportar”.

Esse tipo de coisas, infelizmente, acontece ainda hoje, apesar do Papa Francisco, lamentou ele, denunciando a interferência de “pessoas não autorizadas”. Ele pede, em nome do direito, que se rejeite as “influências exteriores, que não são legítimas”, para que aqueles que têm uma palavra a dizer possam efetivamente fazê-lo, porque esses são eles que terão que conviver com o candidato eleito. E se realmente teria alguma coisa contra um determinado candidato, o núncio ou Roma deveriam falar com o decano ou o preposto do Capítulo, sublinhou.

Roma não pode simplesmente excluir os nomes sem justificativas”. Para ele, é urgente esclarecer esse ponto. Para o cardeal Lehmann, “já aconteceu simplesmente demais. Caso contrário, todo o processo será cada vez mais questionado”.

O cardeal Lehmann, em seu livro-entrevista, acredita que é preciso, antes da eleição ou da nomeação de um novo bispo, considerar mais sua competência teológica do que sua ortodoxia no sentido formal. Um bispo deve ter uma abertura, ter a capacidade de assumir teologicamente novos desafios.

A partir do dia 17 de maio de 2017, a sede de Mainz deverá estar vacante, de acordo com uma informação diocesana. Lehmann apresentou sua demissão aos seus 75 anos, como pede o Código de Direito Canônico (cânon 401, al. 1), mas o Papa Bento XVI não a aceitou.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O cardeal Lehmann critica a prática das nomeações episcopais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV