A atualização das "obras de misericórdia" segundo a Civiltà Cattolica: entre ócio e tecnoestresse, vence o repouso digno

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS
  • Hospitalidade eucarística: “A decisão passa agora para a Conferência Episcopal”

    LER MAIS
  • Um novo documento anti-Francisco com cem assinaturas: “Atos sacrílegos durante o Sínodo, precisa se arrepender”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Janeiro 2016

A revista dos jesuítas italianos atualiza as obras de misericórdia com uma proposta baseada em uma análise do sentido do "descolamento" do trabalho, que vai do ''ócio criativo" à "síndrome de fadigamento pelo uso das tecnologias".

A reportagem é do jornal Vatican Insider, 08-01-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A Civiltà Cattolica atualiza as obras de misericórdia sugeridas a todos os cristãos: "Dar trabalho a quem é excluído, fazendo com que ele possa desfrutar de um repouso digno, pode ser considerada a oitava obra de misericórdia, própria do nosso tempo", é a proposta do editorial do próximo número da revista quinzenal dos jesuítas romanos.

Uma proposta baseada em uma análise do verdadeiro sentido do repouso, que vai do "ócio criativo", o otium do mundo antigo, e o "tecnoestresse, ou síndrome de fadigamento pelo uso das tecnologias", até chegar ao "repouso digno".

Este último – com base na constatação de que Deus "não repousa", mas "não se cansa, não se cansa de dar a vida, não se cansa de perdoar" – "nunca" é 'anestesia'", "provoca lucidez: a lucidez da alteridade, de saber que a sua fonte é Outro", "a lucidez da inclusão": "Incluir todos é o que nos leva a repousar sem nos apossar do repouso e a sair de nós mesmos para convidar os outros". "O repouso digno – explica a Civiltà Cattolica – é pleno e inclusivo: é o repouso de todo o nosso ser e de todos os homens."

A Civiltà Cattolica, cujos esboços são revisados pela Secretaria de Estado vaticana, também leva em conta o que o Papa Francisco disse em um discurso aos funcionários do INPS italiano, agradecendo-lhes pelo seu compromisso com o "caso do direito ao descanso," que ele definiu como uma "dimensão do ser humano que tem raízes espirituais".

"Em uma passagem muito sugestiva – enfatiza o editorial – o papa uniu trabalho e repouso: 'Alguns de vocês podem estar pensando: 'Mas que estranho esse papa, primeiro nos fala do repouso e depois diz todas essas coisas sobre o direito ao trabalho'. São coisas conectadas – observou o Papa Francisco –, o verdadeiro repouso vem justamente do trabalho. Você pode repousar quando está seguro de ter um trabalho seguro, que lhe dá dignidade, para você e para a sua família. E você pode repousar quando, na velhice, está seguro de ter a aposentadoria, que é um direito. Estão ligados ambos, o verdadeiro repouso e o verdadeiro trabalho'".

A atualização das obras de misericórdia proposta pela Civiltà Cattolica une o direito ao trabalho e ao repouso à dimensão espiritual e a um estilo de vida cheio de sentido. As obras de misericórdia corporais sugeridas pela Igreja são sete: dar de comer a quem tem fome, dar de beber a quem tem sede, vestir os nus, hospedar os peregrinos, visitar os doentes, visitar os presos, enterrar os mortos.

As de misericórdia espiritual também são sete: instruir os ignorantes, aconselhar os duvidosos, consolar os aflitos, corrigir os pecadores, perdoar as ofensas, suportar pacientemente as pessoas incômodas, rezar por todos.

Mas a "Regra" de São Bento introduz como oitava obra de misericórdia espiritual "não desesperar jamais da misericórdia de Deus".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A atualização das "obras de misericórdia" segundo a Civiltà Cattolica: entre ócio e tecnoestresse, vence o repouso digno - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV