Quando o meu próximo se torna "social". Artigo de Antonio Spadaro

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS
  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Dezembro 2015

Mudam os instrumentos de comunicação, mas não muda a nossa necessidade de comunicar: essa é a mensagem de Quando la fede si fa social [Quando a fé se faz social], o novo livro do padre Antonio Spadaro, que a editora EMI publica na coletânea Segni dei Tempi (64 páginas). Uma reflexão rápida e documentada, em que o diretor da revista La Civiltà Cattolica revisa oportunidades e limites das mídias digitais, detendo-se, com atenção particular, nas características que podem fazer da rede um lugar de relações autênticas, também à luz do Evangelho e do magistério do Papa Francisco.

O jornal Avvenire, 26-11-2015, publicou um trecho do livro. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A existência "virtual" parece se configurar com um status ontológico incerto: prescinde da presença física, mas oferece uma forma, às vezes também vívida, de presença social.

Ela, certamente, não é um simples produto da consciência, uma imagem da mente, mas também não é uma res extensa, uma realidade objetiva comum, até porque só existe no acontecer da interação. As esferas existenciais envolvidas na presença em rede, de fato, devem ser mais bem investigadas no seu entrelaçamento. Abre-se diante de nós um mundo "intermediário", híbrido, cuja ontologia deveria ser investigada melhor para uma compreensão teológica.

Certamente, uma parte da nossa capacidade de ver e de escutar já está claramente "dentro" da rede, de modo que a conectividade já está em fase de definição como um direito cuja violação incide profundamente nas capacidades relacionais e sociais das pessoas.

A nossa própria identidade é cada vez mais vista como um valor a ser pensado como disseminado em vários espaços e não simplesmente ligado à nossa presença física, à nossa realidade biológica. [...]

Como observa o Papa Francisco, na parábola evangélica do "próximo", ou seja, do "comunicador", o levita e o sacerdote "não veem um seu próximo, mas um estranho de quem era melhor manter a distância". E hoje este é o risco: "Que alguns meios de comunicação estabeleçam uma 'lei' e uma 'liturgia' capazes de nos induzir a ignorar o nosso próximo real para buscar e servir outros interesses".

Isso também vale para as "leis" e as "liturgias" cristãs: evangelizar não significa, de fato, fazer "propaganda" do Evangelho. Não significa "transmitir" mensagens de fé. O Evangelho não é uma mensagem entre as tantas outras.

Portanto, evangelizar não significa "inserir conteúdos declaradamente religiosos" no Facebook e no Twitter. Além disso, a verdade do Evangelho não traz o seu valor da sua popularidade ou da quantidade de atenção (das "curtidas") que recebe. Ao contrário, o papa reitera a necessidade de estar disponível para os outros homens e mulheres que nos rodeiam, para "se envolver pacientemente e com respeito nas suas questões e nas suas dúvidas, no caminho de busca da verdade e do sentido da existência humana".

Testemunhar, portanto, significa, acima de tudo, viver uma vida comum alimentada pela fé em tudo: visão de mundo, escolhas, orientações, gostos e, portanto, também modo de comunicar, de construir amizades e de se relacionar dentro e fora da rede. E, consequentemente, como o escreveu o papa, também "testemunhar com coerência, no próprio perfil digital e no modo de se comunicar, escolhas, preferências, juízos que sejam profundamente coerentes com o Evangelho, mesmo quando não se fala explicitamente dele".

A Igreja em rede, portanto, é chamada não a ser uma "emissora" de conteúdos religiosos, mas um "compartilhamento" do Evangelho em uma sociedade complexa. O Evangelho não é mercadoria a se vender em um "mercado" saturado de informações. Muitas vezes, é muito eficaz uma mensagem discreta, capaz de despertar interesse, desejo pela verdade e mover a consciência.

Isso permite evitar a armadilha do costume a um anúncio que já é considerado conhecido, já visto, já ouvido. No testemunho, é preciso aprender com o episódio do encontro do Cristo ressuscitado com os discípulos de Emaús (Lc 24, 13-35), em que o Senhor se aproxima dos dois homens "com o rosto triste", abrindo com delicadeza os seus corações para o reconhecimento do mistério.

A possível separação entre conexão e encontro, entre partilha e relação implica o fato de que, hoje, as relações, paradoxalmente, podem ser mantidas sem renunciar à própria condição de isolamento egoísta. Sherry Turkle resumiu essa condição no título de um livro seu: "Juntos, mas sozinhos". A fratura na proximidade é dada pelo fato de que a proximidade é estabelecida pela mediação tecnológica, razão pela qual está "perto" de mim, isto é, próximo, quem está "conectado" comigo.

Qual é o risco, então? O de estar "longe" de um amigo meu que mora perto, mas que não está no Facebook e usa pouco o e-mail, e, ao contrário, de sentir "perto" uma pessoa que eu nunca encontrei, que se tornou minha "amiga" porque é amiga de um amigo meu e com a qual eu tenho um intercâmbio frequente na rede.

Essa estranheza tem raízes profundas no anonimato da sociedade de massa. Até o início do século XX, a maioria da população vivia em âmbito agrícola, e as pessoas certamente conheciam não mais do que pouquíssimas centenas de rostos na sua vida. Hoje, o contrário é normal, isto é, não reconhecer os rostos encontrados pelas ruas, e é óbvio que o próximo é substancialmente um desconhecido.

A passagem problemática é que se começa a avaliar a proximidade com critérios elementares demais, desprovidos da complexidade própria de uma relação verdadeira, profunda.

A tecnologia habitua cada vez mais o cérebro a aplicar a experiência do videogame, que se baseia na lógica "resposta certa/resposta errada" aos estímulos que enviamos ao nosso interlocutor. Cristãmente, o "próximo", porém, certamente não é aquele que oferece "respostas certas" aos nossos estímulos em relação a ele.

A lógica evangélica é muito clara sobre isso: "Se vocês amam somente aqueles que os amam, que gratuidade é essa? Até mesmo os pecadores amam aqueles que os amam. Se vocês fazem o bem somente aos que lhes fazem o bem, que gratuidade é essa? Até mesmo os pecadores fazem assim. E se vocês emprestam somente para aqueles de quem esperam receber, que gratuidade é essa? Até mesmo os pecadores emprestam aos pecadores, para receber de volta a mesma quantia. Ao contrário, amem os inimigos, façam o bem e emprestem, sem esperar coisa alguma em troca. Então, a recompensa de vocês será grande, e vocês serão filhos do Altíssimo" (Lc 6,32-35).

Depois, quando o evangelista Lucas fala de "fazer o bem", hoje deveríamos entender isso no sentido mais literal possível. O contato de videogame na rede se desenvolve substancialmente graças a "palavras", isto é, contos, mensagens escritas.

Uma vez, por exemplo, ser amigos para os jovens só era possível se se fazia alguma coisa juntos, se houvesse uma atividade compartilhada, de ir comer uma pizza, a tocar juntos, ou participar de um grupo.

Hoje, em vez disso, é possível ser "amigo" mesmo simplesmente escrevendo a própria vida em um mural eletrônico.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quando o meu próximo se torna "social". Artigo de Antonio Spadaro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV