“O respeito pela Criação é uma exigência da nossa fé”, afirma o Papa Francisco

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 26 Maio 2015

“O mundo tem necessidade de homens e mulheres que não estejam fechados, mas repletos do Espírito Santo”; entre as diferentes maneiras de se fechar estão o “egoísmo do próprio interesse”, o “legalismo rígido” e o “interesse pessoal”. Disse-o o Papa Francisco na homilia da missa de Pentecostes, celebrada na manhã do domingo na Basílica de São Pedro, durante a qual também indicou que o respeito pela Criação é “uma exigência da nossa fé”.

A reportagem é de Andrea Tornielli e publicada por Vatican Insider, 24-05-2015. A tradução é de André Langer.

São da cor vermelha os paramentos que simbolizam o fogo do Espírito Santo, que 50 dias depois da Páscoa desce sobre o cenáculo “de maneira fragorosa, como um vento que se abate impetuoso sobre a casa e irrompe nas mentes e nos corações dos Apóstolos”, disse o Papa. “Em consequência, recebem uma energia tal que os impele a anunciar, nas diferentes línguas, o evento da ressurreição de Cristo”.

Aos Apóstolos, acrescentou o Papa, “incapazes de suportar o escândalo da Paixão do seu Mestre, o Espírito dará uma nova chave de leitura para introduzi-los na verdade e beleza do evento da Salvação. Estes homens, antes temerosos e bloqueados, trancados no Cenáculo para evitar repercussões da Sexta-Feira Santa, já não se envergonharão de ser discípulos de Cristo, já não tremerão perante os tribunais humanos. Graças ao Espírito Santo, de que estão repletos, compreendem ‘a verdade completa’, ou seja, que a morte de Jesus não é a sua derrota, mas a máxima expressão do amor de Deus”.

Francisco, em seguida, recordou que o Espírito Santo que “Cristo mandou junto do Pai, e o Espírito Criador que deu vida a cada coisa, são uma só e mesma pessoa. Por isso, o respeito pela criação é uma exigência da nossa fé: o ‘jardim’ no qual vivemos não nos é confiado para que dele abusemos, mas para que o cultivemos e o guardemos com respeito (cf. Gn 2, 15). Mas isso é possível somente se Adão – o homem formado com terra – se deixa, por sua vez, renovar pelo Espírito Santo, se se deixa reformar pelo Pai segundo o modelo de Cristo, novo Adão”. Assim se pode viver em harmonia com a Criação e reconhecer em cada criatura “um reflexo” do Criador.

O Papa acrescentou que “o mundo tem necessidade de homens e mulheres que não estejam fechados, mas repletos do Espírito Santo. O fechamento ao Espírito não é apenas falta de liberdade, mas também pecado. Existem muitas maneiras de fechar-se ao Espírito Santo: no egoísmo do próprio benefício, no legalismo rígido – como a atitude dos doutores da lei que Jesus chama de hipócritas –, na falta de memória daquilo que Jesus ensinou, no viver a existência cristã não como serviço, mas como interesse pessoal, e assim por diante”.

E o mundo, acrescentou, “necessita da coragem, da esperança, da fé e da perseverança dos discípulos de Cristo. O mundo precisa dos frutos do Espírito Santo: ‘amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, autodomínio’”. Francisco concluiu a homilia expressando este desejo: “fortalecidos pelo Espírito e seus múltiplos dons, nos tornemos capazes de lutar, sem abdicações, contra o pecado e a corrupção e dedicar-nos, com paciente perseverança, às obras da justiça e da paz”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O respeito pela Criação é uma exigência da nossa fé”, afirma o Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV