Água mineral natural engarrafada e seus impactos ambientais

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Abril 2015

A indústria da água engarrafada é uma das atividades que mais crescem no mundo, mesmo diante de uma grande crise financeira global. O competente marketing da indústria fixou no inconsciente das pessoas o mito de que a água engarrafada é mais segura e saudável.

A reportagem é de Henrique Cortez, publicada por EcoDebate, 27-04-2015.

Mas, se ignorarmos o mito, veremos que consumir água engarrafada, onde a água da rede é tratada e potável, é injustificável.

No Brasil, é um mercado de 7 bilhões de litros ao ano, com um crescimento anual de 10%. Em termos mundiais, em 2007, foram consumidos 206 bilhões de litros de água engarrafada, com um faturamento de US$ 100 bilhões.

Não existe consumo sem impacto ambiental e com a água engarrafada não é diferente. O consumo responsável e o consumismo alienado podem ser diferenciados pelo impacto do consumo e pela sua sustentabilidade. A água engarrafada é, essencialmente, ambientalmente insustentável.

Bem, o mito, já incorporado ao inconsciente coletivo, diz que a água mineral natural é mais segura e saudável do que a água tratada de torneira. Será?

A água tratada de torneira é captada em águas superficiais, recebendo tratamento de filtragem e adição de cloro, o que a faz potável. O tratamento, no entanto, não elimina eventuais contaminações por metais pesados e agrotóxicos, por exemplo.

Ao longo do sistema de distribuição pode ser contaminada pela má qualidade das adutoras/tubulação ou nas caixas d’água.

A água mineral natural é captada em fontes subterrâneas e não recebe qualquer tipo de filtragem ou tratamento. Em geral contem mais sais minerais do que a água tratada.

Em termos reais, esta é a única vantagem da água mineral sobre a tratada.

As fontes subterrâneas e os aquíferos também podem e freqüentemente são contaminados por metais pesados e agrotóxicos. Além disto, não recebendo tratamento e adição de cloro, a água mineral natural pode ser contaminada por bactérias.

A potabilidade da água tratada distribuída pelas concessionárias é rigorosamente acompanhada pelos órgãos ambientais. O mesmo já não é verdade em relação às centenas de engarrafadoras.

Não são raras as notícias de que fontes e engarrafadoras de água mineral são interditadas em razão da contaminação por bactérias.

Existem muitos problemas de qualidade, tais como cor e sabor, na água tratada, mas pelo simples fato de que ela é tratada já a faz mais segura do que a natural engarrafada.

Isto sem falar que, em termos preço, água engarrafada é, pelo menos, 100 vezes mais cara, por litro, que a água tratada que chega às nossas casas.

Em outra perspectiva, a água engarrafada possui impactos ambientais muito maiores do que a tratada.

Um estudo [Energy implications of bottled water] publicado na revista Environmental Research Letters, 4 No 1 (January-March 2009), estimou que, em 2007, nos EUA, foram consumidos 33 bilhões de litros (110 litros per capita) de água engarrafada, com um consumo de energia, para produção, distribuição e estocagem, quantificado como algo entre 32 e 54 milhões de barris de petróleo (o volume pode variar dependendo do processo de distribuição e distância entre os centros produtores e consumidores). Engarrafar estes 33 bilhões de litros de água consumiu 1 milhão de toneladas de PET, que, por sua vez, equivale a pouco mais de 15 milhões de barris de petróleo. O estudo conclui que a ‘pegada’ energética da água engarrafada é 2 mil vezes maior do que a água tratada de torneira.

O consumo global de água engarrafada em 2013 foi de 266 bilhões de litros, 7% maior que em 2012. Os impactos, portanto, foram, pelo menos, 8 vezes maiores do que em 2007.

O outro impacto óbvio, mas desprezado pelos consumidores, é a própria garrafa PET como resíduo.

No Brasil, pouco mais de 55% das garrafas PET são destinadas à reciclagem, o que significa dizer que bilhões de garrafas irão entupir nossos rios e mananciais, ou sobrecarregar os aterros sanitários.

É evidente que, em muitas situações, a água engarrafada é a mais segura ao nosso alcance. Mas como exceção e não como regra de consumo.

Enfim, a água engarrafada não é, de fato, mais segura ou saudável, é muito mais cara do que a água tratada e seus impactos ambientais são significativos.

Então, consumir por quê?

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Água mineral natural engarrafada e seus impactos ambientais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV