A comunhão eucarística começa na mesa. Artigo de Massimo Faggioli

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Direita cristã é o novo ator e líder do neoconservadorismo no País

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • Há fome no Brasil: 3 dados alarmantes que Bolsonaro deveria conhecer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Dezembro 2014

A questão do acesso à Comunhão como Ceia do Senhor toca um problema maior, ou seja, aquele que afetou a própria ideia de "comunhão à mesa".

A opinião é do historiador italiano Massimo Faggioli, professor de história do cristianismo da University of St. Thomas, em Minnesota, nos EUA. O artigo foi publicado na revista Jesus, de dezembro de 2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O Sínodo dos bispos de outubro de 2014 viu os bispos norte-americanos desempenhando um papel importante em defesa de uma interpretação muito tradicional da família... tradicional.

Especialmente sobre a linguagem acerca dos divorciados em segunda união, a coabitação pré-matrimonial e a acolhida dos homossexuais na Igreja, os bispos dos EUA no Sínodo fecharam a porta para qualquer desenvolvimento, seja teológico, seja pastoral.

Isso é perfeitamente consequente com a posição que a família tem na cultura e na história norte-americana: há apenas poucas gerações, havia um país imenso a se conquistar, e a família tinha adquirido um papel fundamental na epopeia dos pioneiros (que tinham família, próxima ou distante, mesmo que os cowboys dos filmes quase sempre sejam românticos solitários).

Mas há um paradoxo: essa ênfase das Igrejas norte-americanas (não só da católica) na família revela um fato elementar, ou seja, a crise vertical nos EUA de uma certa cultura da família que não depende do crescimento das uniões homossexuais e da coabitação pré-matrimonial.

Quem ensina nas escolas norte-americanas de todos os níveis sabe muito bem que já é difícil encontrar estudantes que tenham o hábito de comer todos juntos, ao menos à noite, em torno de uma mesa, compartilhando um mesmo alimento preparado para a ocasião.

Em muitas famílias norte-americanas, não se cozinha mais, ou se come como em um bufê no restaurante, aquecendo no micro-ondas coisas já prontas, cada um aquilo que lhe parece e à hora que lhe parece.

Nas faculdades, não é raro que haja cursos para ensinar os estudantes a estarem à mesa juntos. A questão do acesso à Comunhão como Ceia do Senhor nos EUA toca um problema maior, ou seja, aquele que afetou a própria ideia de "comunhão à mesa".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A comunhão eucarística começa na mesa. Artigo de Massimo Faggioli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV