Bento XVI no Twitter: um púlpito inacessível e sem filtros na rede

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos A. Gadea

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Dezembro 2012

O caminho que o social media team de Bento XVI escolheu para estrear no Twitter é o mais inacessível que se poderia imaginar: apresenta alguns risco de gestão do perfil recém-lançado e leva o papa a cometer ao menos um erro fundamental com relação ao tipo de plataforma.

A reportagem é de Riccardo Luna, publicada no jornal La Repubblica, 04-12-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Comecemos por esse segundo ponto. Nessa segunda-feira, a Sala de Imprensa do Vaticano informou que o pontífice no Twitter não seguirá ninguém. Ter uma conta com zero seguidos é mais do que um erro: significa não ter entendido o sentido das redes sociais.

Aqui, a comunicação superou a modalidade clássica "de um para muitos", para passar para o "de muitos a muitos": seguir alguém em rede não significa perder autoridade, significa indicar pessoas de valor. Ao contrário, dizer que o papa não seguirá ninguém significa tratar o Twitter como se fosse um rádio. O papa fala, os outros ouvem.

É uma pena, porque, seguindo os outros, não só se chega muitas vezes antes às notícias, mas também se entende o atual clima de São Pedro. Na realidade, com relação ao rádio, está prevista uma caixa de correio pública, e aqui chegamos aos possíveis problemas de gestão: qualquer pessoa, nessa segunda-feira, foi convidada a postar perguntas ao papa, assinalando-as com a hashtag #askpontifex.

Na realidade, não é preciso uma permissão para fazer perguntas via Twitter, mas se você as chama desse modo corre o risco de ser arrastado por elas. Imediatamente, teve-se uma amostra do tipo de curiosidade a ser satisfeita: de todo o mundo, choveram chibatadas sobre a proibição dos preservativos, enquanto se morre de Aids, sobre os padres pedófilos e outras coisas semelhantes. Só falta a questão do IMU [imposto imobiliário italiano que a Igreja estava dispensada de pagar] e das escolas católicas, mas ela virá. Assim como chegou um apelo para finalmente saber a verdade sobre Emanuela Orlandi.

Ora, se o papa realmente respondesse a essas questões seria um imenso passo, mas ele pode realmente fazer isso? Eu não acredito, mas, mesmo que o fizesse, desencadearia uma tempestade de réplicas sem censura e sem nenhuma possibilidade de gestão da conversação global.

O fato é que a vida real e a vida digital não são duas coisas separadas, mas estão ligadas entre si. Você não pode pensar em se comunicar de um púlpito inacessível na vida real e, ao invés, não ter nenhum filtro na rede, porque, nesse ponto, a distância que você criou com o resto do mundo na vida real se transforma em uma pressão furiosa quando você está na web.

Prevejo alguns ajustes ao longo do caminho.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bento XVI no Twitter: um púlpito inacessível e sem filtros na rede - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV