América Latina registra o maior número de óbitos de jornalistas por covid-19

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Carta a um jovem padre. Artigo de Domenico Marrone

    LER MAIS
  • “Francisco quase desculpa a vida dupla, mas ainda não aceita padres casados”

    LER MAIS
  • A espiritualidade cristã no mundo secular

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Setembro 2021

 

Dados da Press Emblem Campaign (PEC), organismo com sede em Genebra e que reúne informações de entidades nacionais de jornalistas, mídia, correspondentes regionais e redes sociais, indicam que o covid-19 matou até agosto 1,8 mil jornalistas no mundo, mais da metade (954) do total de óbitos ocorreu na América Latina. Na região, o Brasil lidera a lista de profissionais levados pela pandemia: 280 mortes, seguido pelo Peru (198), México (120) e Colômbia (77).

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

No Brasil, os números de mortes de jornalistas pela covid-19 cresceram de forma dramática no início de 2021, em paralelo com o pico de pandemia no país, explicou a presidente da Federação Nacional de Jornalistas do Brasil (Fenaj), María José Braga em entrevista para a LatAm Journalism Review.

O secretário-geral da PEC, Blaise Lempen, arrolou três fatores que fizeram da região o maior túmulo de jornalistas atingidos pela covid-19. “Primeiro, a política inconsistente seguida por certos líderes políticos; segundo, a ainda baixa taxa de vacinação da população; terceiro, a situação precária de muitos jornalistas forçados a continuar seu trabalho em contato com pessoas sem medidas de proteção suficientes”.

No Brasil, jornalistas foram incluídos como grupos prioritários de vacinação em alguns Estados, mas não pelo governo federal. “Entendemos que houve um erro do Ministério da Saúde, porque os jornalistas não pararam de trabalhar, estavam submetidos ao risco e não tiveram a vacina com a celeridade necessária”, avaliou Maria José Braga.

O mesmo ocorreu no Peru, o segundo na lista macabra. Apesar dos apelos da Associação Nacional de Jornalistas do Peru (ANP), o Ministério da Saúde não incluiu jornalistas no grupo prioritário da vacinação, como fizeram alguns governos regionais, informou a secretária-geral da ANP, Zuliana Lainez.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

América Latina registra o maior número de óbitos de jornalistas por covid-19 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV