Viver perto de ambientes naturais é bom para a saúde mental de crianças e jovens

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Julho 2021

 

A proximidade de crianças e jovens com as áreas florestadas tem sido associada a um melhor desenvolvimento cognitivo e a um menor risco de problemas emocionais e comportamentais, em um estudo conduzido por cientistas da UCL e do Imperial College London que pode influenciar as decisões de planejamento em áreas urbanas.

A reportagem é de University College London – UCL e reproduzida por EcoDebate, 19-07-2021. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

[Benefit of woodland and other natural environments for adolescents’ cognition and mental health]

No que se acredita ser um dos maiores estudos do gênero, os pesquisadores usaram dados longitudinais relativos a 3.568 crianças e adolescentes, com idades entre nove e 15 anos, de 31 escolas em Londres. Este período é um momento chave para o desenvolvimento do pensamento, raciocínio e compreensão do mundo pelos adolescentes.

O estudo, publicado na Nature Sustainability, analisou as ligações entre diferentes tipos de ambientes urbanos naturais e o desenvolvimento cognitivo, saúde mental e bem-estar geral dos alunos.

Os ambientes foram divididos no que os planejadores chamam de espaço verde (bosques, prados e parques) e espaço azul (rios, lagos e mar), com espaços verdes separados ainda em pastagens e bosques. Os pesquisadores usaram dados de satélite para ajudar a calcular a taxa de exposição diária de cada adolescente a cada um desses ambientes dentro de 50m, 100m, 250m e 500m de sua casa e escola.

Após o ajuste para outras variáveis, os resultados mostraram que a maior exposição diária à floresta (mas não a pastagens) foi associada a pontuações mais altas para o desenvolvimento cognitivo e a um risco 16% menor de problemas emocionais e comportamentais dois anos depois.

Um efeito semelhante, porém menor, foi observado para o espaço verde, com pontuações mais altas para o desenvolvimento cognitivo, mas não foi observado para o espaço azul. Os pesquisadores observam, porém, que o acesso ao espaço azul na coorte estudada foi geralmente baixo.

Exemplos de outras variáveis explicativas consideradas incluem a idade do jovem, origem étnica, sexo, ocupação dos pais e tipo de escola, por exemplo, estadual ou independente. O nível de poluição do ar pode ter influenciado o desenvolvimento cognitivo dos adolescentes, mas os pesquisadores não consideraram essas observações confiáveis ou conclusivas, e elas requerem investigações adicionais.

Já se estima que uma em cada dez crianças e adolescentes de Londres com idades entre cinco e 16 anos sofre de uma doença mental clínica e os custos excedentes são estimados entre £ 11.030 e £ 59.130 anualmente para cada pessoa. Assim como acontece com os adultos, também há evidências de que os ambientes naturais desempenham um papel importante no desenvolvimento cognitivo de crianças e adolescentes e na saúde mental na idade adulta, mas menos se sabe sobre o motivo disso.

Os resultados deste estudo sugerem que as decisões de planejamento urbano para otimizar os benefícios do ecossistema vinculados ao desenvolvimento cognitivo e à saúde mental devem considerar cuidadosamente o tipo de ambiente natural incluído. Ambientes naturais mais distantes da residência e da escola de um adolescente também podem desempenhar um papel importante, não apenas seu ambiente imediato.

O autor principal, o estudante de doutorado Mikaël Maes (UCL Geography, UCL Biosciences e Imperial College London School of Public Health) disse: “Estudos anteriores revelaram associações positivas entre a exposição à natureza em ambientes urbanos, desenvolvimento cognitivo e saúde mental. Por que esses benefícios para a saúde são recebidos ainda não está claro, especialmente em adolescentes.

“Essas descobertas contribuem para a nossa compreensão dos tipos de ambientes naturais como um importante fator de proteção para o desenvolvimento cognitivo e a saúde mental de um adolescente e sugerem que nem todo tipo de ambiente pode contribuir igualmente para esses benefícios à saúde.

“A imersão na floresta, por exemplo (estar imerso nas imagens, sons e cheiros de uma floresta), é uma terapia de relaxamento que tem sido associada a benefícios fisiológicos, apoiando a função imunológica humana, reduzindo a variabilidade da frequência cardíaca e do cortisol salivar, além de vários aspectos psicológicos benefícios. No entanto, as razões pelas quais experimentamos esses benefícios psicológicos da floresta permanecem desconhecidas. ”

O coautor sênior Professor Mireille Toledano (Diretor, Mohn Centre for Children’s Health and Wellbeing and Investigator, MRC Center for Environment and Health e principal investigador do estudo SCAMP, Imperial College London) disse: “Foi sugerido anteriormente que os benefícios dos ambientes naturais à saúde mental são comparáveis em magnitude à história familiar, idade dos pais e ainda mais significativos do que fatores como o grau de urbanização ao seu redor, mas inferiores ao status socioeconômico de seus pais. Vias sensoriais e não sensoriais foram sugeridas como potencialmente importantes para a entrega de benefícios de cognição e saúde mental recebidos pela exposição à natureza.

“É fundamental para nós descobrir por que os ambientes naturais são tão importantes para nossa saúde mental ao longo da vida – o benefício deriva do exercício físico que fazemos nesses ambientes, das interações sociais que muitas vezes temos neles, ou do fauna e flora que podemos desfrutar nesses ambientes ou uma combinação de todos eles?”

A autora sênior conjunta, Professora Kate Jones (UCL Center for Biodiversity & Environment Research, UCL Biosciences) disse: “Uma possível explicação para nossas descobertas pode ser que a exposição audiovisual através da vegetação e da abundância animal fornece benefícios psicológicos, dos quais ambos os recursos são esperados em maior abundância na floresta. Embora nossos resultados mostrem que a floresta urbana está associada ao desenvolvimento cognitivo e à saúde mental do adolescente, a causa dessa associação permanece desconhecida. Mais pesquisas são fundamentais para a nossa compreensão das ligações entre a natureza e a saúde.”

Para chegar às conclusões, os pesquisadores analisaram um conjunto de dados longitudinais de 3.568 adolescentes entre 2014 e 2018, cuja residência era conhecida, do Estudo de Cognição, Adolescentes e Telefones Móveis (SCAMP) em toda a área metropolitana de Londres. Eles avaliaram a saúde mental e o bem-estar geral dos adolescentes a partir de um Questionário de Força e Dificuldades (SDQ) auto-relatado – cobrindo áreas como problemas emocionais, conduta, hiperatividade e problemas com os pares – e o Questionário KIDSCREEN-10 feito por cada adolescente para SCAMP.

As limitações do estudo incluem a suposição de que morar ou ir à escola perto de ambientes naturais significa mais exposição a eles, o que nem sempre é o caso devido à facilidade de acesso por uma criança ou jovem ou à facilidade de uso.

Além disso, uma proporção considerável dos participantes (52,21%) estava no grupo cujos pais tinham uma ocupação gerencial/profissional, portanto, adolescentes em grupos socioeconômicos menos favoráveis podem estar sub-representados e alunos com necessidades especiais podem ser afetados de forma diferente em comparação com seus pares. As taxas de criminalidade, que também podem ter influenciado os resultados, não foram consideradas.

 

Referência

Maes, M.J.A., Pirani, M., Booth, E.R. et al. Benefit of woodland and other natural environments for adolescents’ cognition and mental health. Nat Sustain (2021).

Disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Viver perto de ambientes naturais é bom para a saúde mental de crianças e jovens - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV