Breves do Facebook

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • O suicídio no clero do Brasil

    LER MAIS
  • “Agro é fogo”: incêndios no Brasil estão ligados ao agronegócio e ao avanço da fome, diz dossiê

    LER MAIS
  • Polícia de RO invade casa de advogada para apreender material de defesa de camponeses

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Julho 2021

 

Moisés Mendes

Manchete da Folha online sobre a pesquisa do Datafolha que acaba com Bolsonaro e quase acaba com todos os adjetivos. O detalhe curioso é o ‘pouco inteligente’.

O Datafolha cometeu uma falha grave. Não perguntou se os eleitores acham que Bolsonaro é bom motoqueiro.

 

 

José Luis Fevereiro

Não sabe brincar não desce pro play.

Milhares de militares se aboletam em cargos de confiança. Alguns deles tudo indica que estão envolvidos em corrupção na compra de vacinas.

Aí o ministro da defesa e os comandantes militares soltam uma nota chiliquenta porque obviamente a imagem das FFAA caminha para o ralo ?

Tomem tenência.

 

David Deccache

Ser radical não é apenas ter um conjunto de aspirações resumidas em meia dúzia de palavras repetidas em alto e bom som para os convertidos. Isso é, no máximo, empolgação, talvez uma tentativa de auto-afirmação. É preciso encarar as limitações do mundo concreto. Mensurar quais resultados são possíveis no curto-prazo e qual o caminho para obter grandes mudanças no longo.

Não adianta chegar no seu João e dizer que precisamos construir uma sociedade pós-capitalista que supere todos os tipos de opressões e esperar que ele, em um surto de motivação, se torne mais um a engrossar nossas fileiras em busca da superação do capitalismo.

É necessário entender as necessidades concretas do Seu João. Suas motivações mais imediatas. Mais que isso: é fundamental compreendermos que a motivação não basta. É necessário mostrar um caminho específico, demonstrar como Seu João pode contribuir com coisas simples e executáveis desde já para alcançarmos alguns resultados concretos para a vida da maioria. Entender que as motivações do Seu João, neste momento, são muito distintas da nossa. Mais que isso: as próprias possibilidades do Seu João para buscar determinadas aspirações são mais limitadas, mergulhadas em um mar turbulento do dia-a-dia de um trabalhador, no geral informal, que coloca os pés todos os dias na rua para tentar trazer o pão do dia pra casa - e sem saber se terá êxito. E no dia seguinte começa tudo de novo.

É muito mais fácil ter um conjunto de aspirações resumidas em um leque de palavras de ordem do que compreender a realidade concreta do povo; suas motivações; sua capacidade de mobilização e, a partir disso, construir um plano de ação que, muitas vezes, será composto por um conjunto de táticas muito distante das nossas tradicionais palavras de ordem.

 

Gilberto Maringoni

RECIBO PASSADO

A patética nota em que Braga Netto chama sua turma para esculachar o senador Omar Aziz mostra que as Forças Armadas assumem para a instituição algo que não lhes havia sido impingido. Como se diz nas calçadas, passaram recibo com firma reconhecida.

Aziz foi preciso e moderado em suas palavras. O parlamentar afirmou textualmente o seguinte:

"Olha, eu vou dizer uma coisa: as Forças Armadas, os bons das Forças Armadas devem estar muito envergonhados com algumas pessoas que hoje estão na mídia, porque fazia muito tempo, fazia muitos anos que o Brasil não via membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo. Fazia muitos anos".

O que os milicos responderam? Em português pedestre, com vírgulas salpicados a esmo e repetição desnecessária de palavras, escreveram, entre outras coisas, o seguinte:

"Essa narrativa, afastada dos fatos, atinge as Forças Armadas de forma vil e leviana, tratando-se de uma acusação grave, infundada e, sobretudo, irresponsável".

Cuma? Aziz separou claramente "os bons" do "lado podre", cuidando para não atingir a instituição e nem fazer generalizações (sem trocadilho aqui).

O quarteto parece responder algo como: "Aqui é uma coisa só, falou dos podres, mexeu com todos e nós não vamos admitir".

Das duas uma: ou não entenderam a intervenção do presidente da CPI, ou, diante do enorme desgaste que acumulam ao se juntar a um governo corrupto e genocida, se atrapalharam todos.

No fundo, é a mesma coisa.

 

José Luís Fevereiro

SOBRE O IMPEACHMENT, AS MANIFESTAÇÕES E A GREVE GERAL

Consignas de mobilização não são atemporais. Tenho visto nas redes sociais gente reivindicando ter pedido o impeachment de Bolsonaro primeiro que os outros como se isso fosse uma vantagem ou demonstração de acerto. Mais ou menos como se algum setor da esquerda russa tivesse proposto tomar de assalto o Palácio de Inverno com a consigna "Pão ,Paz e Terra " em 1915, sem que a guerra, as derrotas na frente oriental e a fome no campo pela mobilização militar dos camponeses ,tivessem criado as condições favoráveis a Revolução .

O primeiro pedido de impeachment foi feito ainda no início de 2019 e obviamente quem o fez não foi um visionário mas apenas alguém descolado da realidade política do país.

O sucesso das manifestações de 29 de maio e 19 de junho levaram alguns setores a defender acelerar o calendário de mobilizações. Acertou o comando dos movimentos em marcar para 24 de julho e acertou de novo quando as condições políticas mudaram a partir das denuncias de corrupção em relação a covaxin, em antecipar para dia 3. A pior coisa que poderia ocorrer seria uma 3a manifestação menor que as duas anteriores. Comando de movimento precisa ter a prudência necessária para não malbaratar ações vitóriosas com ações fracassadas na sequência. O sucesso de cada manifestação aumenta a fasquia da manifestação seguinte.

O terceiro fetiche é a greve geral. Mais de 50% das classes trabalhadoras estão na informalidade sem ter sua renda mediada por salário. Fazer com que esses setores parem não é trivial. Só num quadro de forte comoção social. Mesmo entre os trabalhadores assalariados, a maioria está nos serviços , particularmente comércio, e sabemos que a única forma, com alguma eficiência, de conseguir alguma paralização é parando o transporte público. Isso já diz muito sobre a real influência e capacidade de mobilização que temos sobre esse contingente.

Isto não significa que uma greve geral seja algo a descartar mas certamente não é algo a ser considerado sem uma situação de forte indignação popular que ainda não está posta.
Normalmente os setores da ultra esquerda mais voluntaristas são os que menos capacidade de mobilização têm e os que menos sindicatos e movimentos de massa dirigem.

Não é por acaso.

 

Gilberto Maringoni

"QUER DAR GOLPE, DÁ, MAS NÃO ENCHE O SACO!"

Frase imortal do camarada Clóvis Magalhães Costa (1952-98). Cai como uma luva hoje

 

Gilberto Maringoni

GOLPISTAS BUSCAM SAÍDAS

Fico pensando na lógica dos chefes militares brasileiros. Na tarde da quarta, deram uma trucada na CPI e nas instituições. Planejavam assustar a todos. O tiro saiu pela culatra e caíram no ridículo.

Qual o movimento esperado depois de uma mega ameaça como a da nota divulgada? No mínimo a decretação de um novo AI-5, prisão de opositores, fechamento do Congresso e do STF e censura à imprensa. Como não têm força, prestígio ou coesão interna para uma cartada desse tipo, a ameaça virou bravata vazia.

Praticamente todos os setores democráticos foram unânimes em condenar a chantagem. O Correio Brasiliense adendou informação ao imbróglio. No dia anterior, houve reunião do bando dos quatro com o presidente, mais o folclórico general Heleno - o vice rei de Porto Príncipe -, Onyx Lorenzoni e outras figuras exóticas. Para discutir o que? A ameaça do comunismo sobre nossas famílias. Sim, estamos em plena Guerra Fria!

Certamente, o que move essa escumalha é a percepção de seu isolamento, do crescimento dos protestos públicos e do derretimento de Bolsonaro em todas as pesquisas. Na sondagem da XP, não apenas Lula dá uma surra no boçal em todos os cenários, como Ciro e Moro o bateriam num hipotético segundo turno.

A gorilada tem agora basicamente duas opções. A primeira é ficar com o genocida e partir para o golpe. Podem ter sucesso ao seguirem a senda boliviana, contando com milícias dentro e fora dos aparatos de segurança. Mas é duvidoso que logrem estabilizar um novo governo.

A segunda é tentar desembarcar. O recuo militar é empreitada das mais difíceis. Cito a retirada da Laguna - contada em livro por Alfredo d'Escragnolle Taunay - logo no início da guerra da Tríplice Aliança. Um destacamento do Exército brasileiro foi humilhado pelos paraguaios e de 3 mil soldados presentes na ofensiva, apenas 700 voltaram.

A humilhação que sofrerão é certa na retirada de um governo no qual mergulharam com avidez incontrolada. Nos dois casos, sairão com a imagem para lá de enlameada.

Por isso, falam grosso agora, tentando reduzir os inevitáveis prejuízos. No fundo, é para encobrir um infindável murmúrio de mimimis.


Gilberto Maringoni

LUIZA ERUNDINA NÃO FALHA

Repudia a nota dos militares, externa solidariedade a Omar Aziz e provoca Lira a colocar o impeachment em pauta

 

Marta Gustave Coubert Bellini

 

 

 

Marta Gustave Coubert Bellini

Marcos do Val: m i l i c i a n o

 

 

Jeca Sopro

"Perguntar para uma criança o que ela quer ser quando crescer é uma ofensa. Como se ela fosse receber um crachá de 'ser' só quando adulto. Isso é apagar o que ela já é."

(AILTON KRENAK)
____________________________________________________________

"Seus filhos não são seus filhos.
Mas sim filhos e filhas do anseio da Vida por si mesma.
Eles vêm por meio de vocês, mas não provêm de vocês,
E embora estejam com vocês, não lhes pertencem.
Vocês podem lhes dar amor, mas não seus pensamentos,
Pois eles têm pensamentos próprios.

[...]

Vocês podem se esforçar por ser como eles,
mas não busquem moldá-los à sua própria imagem.

(GIBRAN KAHLIL GIBRAN - Ensaísta/Poeta Libanês - 1883/1931 - In: "O Profeta" [Sobre os Filhos])

 

Jeca Sopro

"E se é um déspota que pretendem destronar, não esqueçam primeiro de destruir o trono que ele erigiu dentro de vocês mesmos. Pois como é que um tirano pode governar os livres e orgulhosos, se não tiverem estes tirania na própria liberdade e vergonha no próprio orgulho?"

(GIBRAN KAHLIL GIBRAN - Ensaísta/Poeta Libanês - 1883/1931 - In: "O Profeta" [Sobre a Liberdade])

 

Toninho Ribeiro

Queridos irmãos e irmãs, nosso querido Marcelo Barros nos deu um susto hoje pela manhã, com a inesperada notícia que teve um princípio de infarto, de madrugada.

Marcelo passou o dia bem, animado, conversando, gravando os comentários do evangelho para a próxima semana e está acompanhado por Ricardo e Malu Alessio e por Márcio Tavares, que nos têm mantido informados.

No momento, Marcelo está se submetendo a um cateterismo, procedimento normal em caso de infarto, para avaliação das artérias e se será necessário algum tipo de procedimento.

Fiquemos todos tranquilos, unidos em oração, pela breve recuperação de nosso querido monge.

Logo que tenhamos novas informações, iremos repassar a vocês.

 

Domingos Roberto Todero

"Temos provas cabais no caso Covaxin", diz Simone Tebet

Líder da bancada feminina no Senado afirma que só falta CPI juntar todas as peças para comprovar irregularidades envolvendo a vacina indiana. Ela diz que antes de abrir processo de impeachment é preciso "pensar no país".

"Não tenho dúvidas de que o centro pode sim estar com Lula no segundo turno", afirma Simone Tebet

Líder da bancada feminina no Senado, Simone Tebet (MDB-MS) se projetou nacionalmente quando, em 2019, brigou dentro de seu partido para ser um nome alternativo à presidência da Casa. A investida não prosperou. Em 2020 ela voltou à carga e disputou com Rodrigo Pacheco (DEM-MG), na primeira candidatura de uma mulher à presidência do Senado. Foi derrotada e nem seu próprio partido ficou ao seu lado integralmente.

Agora, à frente da bancada feminina, atuou para assegurar a participação das mulheres na CPI da Pandemia. Em um colegiado exclusivamente masculino, Tebet foi a parlamentar que arrancou, no depoimento do deputado federal bolsonarista Luis Miranda (DEM-DF), o envolvimento do líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), em suposto esquema de corrupção na aquisição da vacina indiana Covaxin contra a covid-19.

Nesta terça-feira (06/07), a senadora afirmou durante sessão da CPI que documentos apresentados pelo governo para rebater acusações de irregularidades nas negociações para compra da Covaxin foram fraudados, incluindo erros de grafia em inglês e indícios de montagem.

Em entrevista à DW Brasil, ela afirma já haver "provas cabais" no caso Covaxin e que "só falta juntar todas as peças e ouvir todas as testemunhas". Ao mesmo tempo, afirma que, antes de abrir um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, é preciso "pensar no país".

Filha de Ramez Tebet, que presidiu o Senado no início dos anos 2000, Simone agita discretamente os bastidores do MDB como uma opção de nome para a terceira via em 2022. A senadora diz acreditar que essa terceira via possa tirar Bolsonaro do segundo turno e se recusa a repetir o gesto do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que deixou clara a intenção de votar no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva caso ocorra a disputa do petista com Bolsonaro em 2022.

"Quem é do centro democrático não pode responder a essa pergunta. O centro democrático, se quiser, tem todas as condições de estar no segundo turno. Pelo andar da carruagem, não tenho dúvidas de que o centro pode sim estar com Lula no segundo turno. Então não é escolha de Sophia", afirma.

DW Brasil: Tem sido marcante sua atuação na CPI da Covid. A senhora conseguiu arrancar o nome do líder do governo, Ricardo Barros (PP), no depoimento do deputado Luis Miranda [que denunciou suposto esquema de corrupção na compra de vacinas]. Foi sorte, intuição feminina, ou habilidade?

Simone Tebet: A política não pode mais viver sem as mulheres, não porque somos melhores, mas porque somos diferentes. Na CPI nós [a bancada feminina] somos mais detalhistas, ficamos mais atentas a certos tipos de sinais corporais, o tom emocional. Meu pai, que era criminalista, falava sempre que o depoente, quando entra numa fase de cansaço, e fica abalado, precisa de acolhimento e de se sentir protegido. Minha fala inicial ao deputado [que prestava depoimento] era invocar o espírito público. Fiz o processo reverso, disse que entendia a posição dele, porque ele não queria falar. Aí na primeira tentativa ele já soltou. Foi um conjunto de situações que levou a isso. Teve um pouco de tudo: destino, estar no lugar certo na hora certa, ter lembrado do que meu pai ensinou. Tive sorte.

Qual a importância da bancada feminina hoje, sobretudo num país cujo presidente com posturas misóginas?

A minha candidatura à presidência do Senado foi fundamental para que o presidente [do Senado] Rodrigo Pacheco [DEM-MG] fizesse um compromisso com as senadoras, e muitas não votaram em mim, de criar a liderança da bancada feminina. Essa liderança permitiu às senadoras ter espaço no colégio de líderes. Com isso, nós emplacamos toda semana um projeto de interesse da mulher brasileira. Ou na igualdade salarial, como aprovado e que agora está na Câmara, ou no combate à violência à mulher. São projetos que fazem a diferença. Votamos nesta semana [passada] a criação de um tipo penal importante que é a violência psicológica, que não era tipificada.

A bancada feminina está surpreendendo positivamente o Senado. Para alguns têm até gerado algum incômodo. Quando pulamos para dentro da CPI, num gesto generoso do presidente do colegiado, senador Omar Aziz, isso mudou o rumo da comissão. Porque passou a ter uma voz da sensibilidade, do detalhe. A CPI já cumpriu uma missão que é comprovar a conduta errática, equivocada, negligente, negacionista do governo do presidente Bolsonaro em relação à pandemia e todas as consequências nefastas deste negacionismo, a ponto de hoje termos muito mais mortes do que teríamos se eles tivessem feito o dever de casa.

Isso vai constar no relatório e está comprovado. Quando a CPI já estava exaurindo seu objeto, tivemos outra denúncia bombástica, feita por um deputado bolsonarista, acusando outro deputado em rede nacional de corrupção. Coisa que eu nunca vi em meus 20 anos de vida pública. Começa agora uma nova fase da CPI. Sorte ou não, instinto, feeling, destino, foi feito por alguém da bancada feminina. Só homens teriam chegado a isso? Não sabemos dizer. Mas a participação feminina na CPI tem sido no mínimo a cereja do bolo.

A senhora diz que a CPI comprovou o negacionismo, a negligência e a omissão que levaram milhares de pessoas à morte. Mas a corrupção, que passa a ser investigada agora, parece erodir mais a base bolsonarista. Por quê?

Grande parte da sociedade se distanciou deste governo no momento em que se deu conta de que ele realmente foi omisso, negligente, agiu contra a ciência, contra a vida, a favor de uma tese obscura de imunidade de rebanho, uso de medicamentos ineficazes [tratamento precoce] e atrasando a compra de vacinas.
Uma parte significativa da população brasileira, e as pesquisas mostram isso, passou a não acreditar mais no governo e até a culpá-lo pelas mortes de familiares e amigos. Só que isso aconteceu e houve estagnação.

O presidente ainda tem um segmento muito firme com ele. Veio agora essa denúncia gravíssima, – crime de corrupção ativa e passiva, prevaricação, peculato, tráfico de influência – não de um único contrato, mas em relação a pelo menos três, e já se fala em "propinoduto", "vacinoduto".

O governo era tido como não conivente com a corrupção. Estamos hoje diante de uma travessia, em cima de uma ponte, e não sabemos para onde esse eleitor, que ainda confiava no governo, vai. Na minha modesta opinião, o eleitor vai atravessar essa ponte e abandonar essa base do governo. Não só fora, a opinião pública, mas também dentro do Congresso Nacional.
Começo a ver alguns congressistas do Centrão, que não são da cúpula, abandonando esse barco. Não estou dizendo que estamos caminhando para o impeachment. Estou dizendo que estamos caminhando para um governo que não vai ter mais a quantidade de congressistas o defendendo. Podem até continuar votando com o governo em pautas importantes para o país, como eu faço, mas não mais defendendo esse governo, como eu não faço.

A CPI passa agora a investigar denúncias referentes a três contratos de compra de vacinas?

Sim. No caso da Covaxin já temos provas e documentos. O contrato foi assinado antes da Medida Provisória que permitiria essa assinatura. Contrato é um ato administrativo. Você não pode fazer nada no direito público sem lei anterior que permita. Como o contrato [da Covaxin] seria de uso emergencial, não tinha ainda autorização por lei.

Isso dependeria de uma lei que permitiria a compra de vacinas autorizadas por uma autoridade sanitária indiana, e no Brasil não tínhamos essa lei ainda. Temos nota de empenho, contrato assinado, fax e documentos comprovando a tentativa de venda e um funcionário público que se recusou a assinar [a liberação de recursos] e foi pressionado. No caso da Covaxin só falta juntar todas as peças e ouvir todas as testemunhas.

E surgiu no meio do caminho outra denúncia, em relação a uma negociação para compra de doses vacina da AstraZeneca, com cobrança de propina.

Embora neste caso não tenhamos nenhuma materialidade, essa denúncia não foi negada pelo governo. O depoimento [do policial militar Luiz Paulo Dominguetti] ajudou a comprovar a autoria [do suposto esquema de propina]. Os autores e personagens envolvidos são os mesmos da Covaxin, onde, aí sim, temos provas cabais.

E, por fim, há um contrato maior ainda, que não se efetivou porque foram com muita sede ao pote, mas que é com o mesmo personagem. É o laboratório CanSino [Biologics], a vacina Convidecia. O contrato seria de R$ 5 bilhões.

Agora, acho que precisamos focar na Covaxin. Temos já a comprovação de que o negacionismo e a conduta errática do governo, sem contratação de vacinas no tempo devido, caracterizam crime contra a saúde pública e, inclusive, crime de responsabilidade aí.

Se a Câmara vai abrir impeachment é outra história. Mas já há elementos para o Ministério Público acionar os personagens na área cível e criminal. E, agora, temos também fortes indícios e elementos claros de crime de corrupção. A dúvida é quando a CPI vai tratar, e isso é um terceiro ponto, de prevaricação. Quem é que prevaricou?

Como parlamentar e com formação em direito, a senhora não considera que todos esses casos que citou justificam um pedido de impeachment?

Aí é uma decisão política. CPIs dão embasamento para um processo de impeachment, mas o objetivo principal é ter trazer elementos para encaminhar ao Ministério Público os indícios de irregularidades. O que se extrai de uma CPI são sim elementos que comprovam crime de responsabilidade. Mas é decisão política da Câmara dos Deputados acionar [o presidente] por crime de responsabilidade.

A CPI precisa ser concluída. Vamos precisar de pelo menos mais três semanas para amarrar as pontas. Vejo no dia a dia o governo perdendo apoio dentro do Congresso, vejo a economia combalida e vejo criando corpo a rejeição ao governo do presidente Bolsonaro. Talvez o que possa levar sim a se pensar na abertura de um processo de impeachment seja efetivamente essas três próximas semanas comprovando crime de corrupção dentro do Ministério da Saúde. Temos que aguardar.

Mas a senhora é a favor de um impeachment?

É preciso que os indícios se transformem em elementos de prova, e não só prova testemunhal, que é a mais frágil das provas. Precisamos amarrar as provas testemunhais com análises de vídeos, áudios, provas documentais, periciais. Isso leva duas, três semanas. É um momento delicado, de polarização nas redes sociais, de radicalismo.

Temos que pensar no país. Para abrir um processo de impeachment, antes de mais nada, é preciso saber se vai dar certo. A gente não sabe sequer se tem número, na Câmara, para abrir o processo e mandar ao Senado, que apura. Temos que ter equilíbrio emocional agora, usar a razão, além da emoção, para sentir tudo isso. É fundamental a CPI cumprir essa primeira fase, cumprir o tempo normal de jogo, antes da prorrogação, que ainda não terminou. Eu aguardaria.

Já há assinaturas necessárias para prorrogar a CPI, a senhora assinou, mas o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), não sinalizou abertamente que acatará.

Acho que ele pode estar sendo pressionado pela base governista para aguardar o término da CPI [o período oficial de 90 dias de funcionamento, que só se encerra ao final de julho], numa tentativa frustrada do governo de retirar assinaturas [a favor da prorrogação]. O governo não consegue retirar. Há um apelo popular.

A senhora sempre defendeu a terceira via em 2022. Pelas pesquisas atuais, está claro que o ex-presidente Lula é um candidato fortíssimo, e poderia vencer Bolsonaro. Há mesmo espaço para essa terceira via?

Sem a menor dúvida, mais do que nunca. E acho que essa terceira via poderia, inclusive, tirar Bolsonaro do segundo turno. Sessenta porcento não querem olhar para o retrovisor, para o passado, e não estão satisfeitos com o presente. Querem um nome novo para o futuro. Advogo que os partidos têm que lançar seus candidatos e, no final do ano, testados esses nomes, sentamos numa mesa para decidir quem pode representar a cara do Brasil que queremos. Não se pode, agora, sacar um nome da manga.

O seu nome está em algumas rodas. A senhora teria essa disposição? O MDB bancaria seu nome?

A única certeza que eu tenho é que o MDB vai ser peça fundamental como foi, no passado, para unir o centro. O que não significa unir o centro com nome próprio. O ideal seria que tivéssemos alguém do MDB com envergadura e condições. Pode ser que tenha. Mas o que eu advogo é: o partido que uniu lá atrás, no momento mais delicado da história, hoje continua sendo o maior partido de centro.

O MDB em matéria de votos é fundamental nesse processo. E tem hoje um presidente muito equilibrado, que é o Baleia Rossi. O MDB vai ter um encontro, em 30 dias, para entender o seu papel exato. Vamos lançar candidato agora? Isso o partido ainda não definiu. Mas defendo que o MDB deve estar no centro da conversa. O que converge esse centro é a defesa das instituições democráticas que dia a dia são abaladas por esse governo. O país está sendo comandado por um governo tão à direita que conseguiu a façanha de colocar na mesma mesa todas as matrizes ideológicas.

A senhora quer tentar a reeleição ou colocará seu nome nesse projeto nacional?

Nunca fugi de responsabilidades, ainda que isso tenha custos políticos. Fui para a linha de frente na defesa intransigente da democracia, contra um governo que quer ditar regras contra minorias, num retrocesso humanitário, e tentando combater uma pauta tão conservadora a ponto de me jogar na oposição. Quando esse governo viola direitos sagrados, civis, as liberdades públicas, eu coloco esse projeto de defesa das instituições democráticas acima do meu projeto político. A princípio eu sou candidata à reeleição, mas não fujo do que o destino reservar para mim. Em política a gente não escolhe missão, ainda mais agora.

No início do governo Bolsonaro a senhora tinha muita interlocução, sobretudo com a equipe econômica. Hoje é oposição?

Sou independente, porque, de alguma forma, voto com o governo em tudo o que acho que é importante para o país. O que está me tirando desta independência é o fato de ver que nem mais pauta econômica o governo tem. Tem uma pauta eleitoreira. Apresentou uma reforma administrativa que de reforma não tem nada e jogou no colo do Congresso. Entrega uma reforma tributária que não é reforma, ali só tem aumento disfarçado de imposto para um segmento muito importante, que é o setor de serviços. Vão usar dinheiro público com fins eleitoreiros.

Eles estão brincando com a economia brasileira. Não consigo entender como o mercado ainda não visualizou isso. Eles podem quebrar o país, como a Dilma fez lá atrás. Os gastos públicos crescem, a receita caiu, vai ter aumento de inflação. Eles se recusam a cortar gastos, porque querem a agenda populista. A dúvida é se o Congresso vai cair nessa e se o Centrão vai se submeter a isso. O MDB se posicionou radicalmente contra esse engodo de reforma tributária.

Se houver segundo turno entre Lula em Bolsonaro em 2022, em quem a senhora vai votar?

Não respondo a essa questão porque é um erro de quem busca a terceira via responder. Quem é do centro democrático não pode responder a essa pergunta, a meu ver. Porque só divide quem está sentado numa mesma mesa. O centro democrático, se quiser, tem todas as condições de estar no segundo turno. Pelo andar da carruagem, como o santo é, sim, de barro, não tenho dúvidas de que o centro pode sim estar com Lula no segundo turno. Então não é escolha de Sophia. Por tudo o que eu já disse, acho que a resposta está dada. Mas o externar isso enfraquece a construção de uma alternativa de poder. A terceira via é melhor, e eu acredito nela.

Leia a entrevista aqui.

 

Julio Renato Lancellotti

O solidéu do Papa Francisco foi enviado por ele como sinal de afeto à população em situação de de rua de São Paulo

 

 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Breves do Facebook - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV