Pesticidas à base de glifosato persistem por anos em plantas selvagens e causam infertilidade nas flores

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Refazer os padres, repensando os seminários. Artigo de Erio Castellucci

    LER MAIS
  • São Vicente de Paulo e a atualidade de sua herança espiritual

    LER MAIS
  • Movimento que pediu pacote antiambiental a Paulo Guedes inclui Gerdau, Google, Amazon, Globo e outros

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Junho 2021

 

Os pesquisadores mostram pela primeira vez que os herbicidas comumente usados podem persistir dentro de plantas florestais selvagens por anos, reduzindo a fertilidade a longo prazo e potencialmente impactando os polinizadores.

A reportagem é publicada por Frontiers e reproduzida por EcoDebate, 16-06-2021. A tradução e a edição são de Henrique Cortez

Um herbicida amplamente utilizado na agricultura, silvicultura e outras aplicações pode causar efeitos deletérios na saúde reprodutiva de uma planta perene comum encontrada em florestas na Colúmbia Britânica, Canadá. Os pesquisadores relataram na revista Frontiers in Plant Science que os herbicidas à base de glifosato (GBH) deformaram várias partes reprodutivas da rosa espinhosa (Rosa acicularis) um ano depois que os produtos químicos foram aplicados pela primeira vez em locais de campo e parcelas experimentais.

O estudo é um dos primeiros a examinar os efeitos do GBH na morfologia reprodutiva de uma planta perene prevalente em uma operação florestal comercial. O herbicida é comumente usado para controlar plantas que podem competir com coníferas que são cultivadas para serem colhidas em áreas conhecidas como ‘blocos de corte’. O glifosato tem sido usado desde a década de 1970, mas tem vindo a ser cada vez mais investigado nos últimos anos devido a preocupações com os efeitos cancerígenos na saúde humana.

Investigadores da University of Northern British Columbia (UNBC) coletaram e analisaram amostras de partes reprodutivas de rosa espinhosa de três blocos de corte, bem como de plantas selvagens cultivadas em estufas, e as compararam com plantas não tratadas de fontes semelhantes.

Os resultados foram surpreendentes: a viabilidade do pólen das plantas tratadas com glifosato caiu em uma média de 66% em comparação com os controles um ano após a aplicação inicial. Mais de 30% das anteras, parte do estame que contém o pólen, não se abriram (processo conhecido como deiscência), condenando essas flores à infertilidade funcional. Além disso, os pesquisadores encontraram traços de GBH nas flores das plantas dois anos depois que o herbicida foi pulverizado pela primeira vez.

“As mudanças nas plantas foram documentadas no passado, em plantas agrícolas, então não é surpreendente encontrá-las em florestas”, disse a Dra. Lisa J. Wood, professora assistente do Departamento de Ciência e Gerenciamento de Ecossistemas da UNBC. “O que é importante é o cronograma. Continuar a encontrar esses efeitos um a dois anos após as aplicações de herbicidas, em novas partes de plantas em crescimento, é digno de nota”.

Durante séculos, os indígenas usaram a rosa selvagem espinhosa como alimento e remédio, principalmente nas partes reprodutivas. R. acicularis também é uma planta importante ecologicamente, em parte porque fornece alimento para polinizadores. As abelhas, por exemplo, são atraídas por cores específicas exibidas nas flores.

Wood e a autora principal Alexandra Golt, uma estudante de pós-graduação da UNBC, observaram mudanças de cor nas pétalas e anteras das flores de plantas tratadas. Essas anormalidades na coloração podem afetar a interação entre flores e polinizadores.

Wood disse que um estudo de acompanhamento investigará se as mudanças de coloração nas flores tratadas com GHB as tornam menos ou mais atraentes para os polinizadores. Os pesquisadores também vão testar insetos polinizadores e fezes de beija-flores para verificar se há resíduos de glifosato.

“Isso nos dirá se os polinizadores estão absorvendo resíduos das plantas de que se alimentam”, explicou ela. “Também vamos pesquisar outras plantas para ver se as mudanças que observamos na rosa selvagem também são encontradas em outras flores.”

Wood disse que, embora pesquisas anteriores mostrem que o glifosato não é agudamente tóxico para a maioria dos organismos nos níveis aplicados comercialmente no Canadá, os cientistas não sabem muito sobre as implicações crônicas do uso do glifosato ou como ele muda a dinâmica do ambiente natural – como as interações entre as espécies ou a qualidade dos alimentos disponíveis.

“Quanto mais aprendemos, melhor e a pesquisa sempre pode ser usada para informar melhor a administração”, observou Wood. “As práticas de herbicida podem mudar, se a pesquisa mostrar que isso é do melhor interesse do público.”

 

Referência:

Glyphosate-Based Herbicides Alter the Reproductive Morphology of Rosa acicularis (Prickly Rose)
Alexandra R. Golt and Lisa J. Wood
Front. Plant Sci., 16 June 2021. 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pesticidas à base de glifosato persistem por anos em plantas selvagens e causam infertilidade nas flores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV