Para os bispos dos EUA, “antropologia LGBTQ” exclui os compromissos da Lei de Igualdade

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • Moçambique. “Ameaças de morte por parte do governo. Há anos que lançamos apelos para Maputo. Sem sucesso”, denuncia ex-bispo de Pemba

    LER MAIS
  • Assim, o Papa Francisco nos lembrou que o comunismo pertence ao pensamento religioso

    LER MAIS
  • Repartir os bens não é comunismo, é cristianismo puro, diz o Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Abril 2021

Alguns analistas preocupam-se com a postura dos bispos dos EUA, pois está baseada em uma visão estreita da lei e uma estratégia política ruim.

A reportagem é de Christopher White, publicada por National Catholic Reporter, 24-03-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Quando, no último outono, o Congresso dos EUA aprovou a lei nacional para estabelecer uma linha direta a pessoas com intenção de suicídio dando assistência gratuita a quem estava com crises de saúde mental, a Conferência dos Bispos Católicos dos EUA – USCCB silenciosamente agiu contra a lei nos bastidores.

A justificativa dos bispos? A legislação continha recursos especiais para apoio a pessoas LGBTQ.

Um caminho similar foi tomado pelos bispos dos EUA desde março de 2013 em direção à Lei de Violência Contra a Mulher, um projeto bipartidário que estabelece um escritório separado e recursos adicionais para investigação de crimes violentos contra as mulheres.

“Todas as pessoas devem ser protegidas da violência, mas classificando por ‘orientação sexual’ e ‘identidade de gênero’ como diz no artigo 47 é problemático”, escreveram os bispos em uma declaração assinada pelos líderes de quatro comitês e um subcomitê da USCCB.

Como também está registrado, os bispos há muito tempo se opõem à Lei de Não-Discriminação no Emprego, que data de 1974 e tem sido proposta por cada legislatura desde 1994.

O projeto de lei proíbe discriminação na contratação e questões empregatícias devido à orientação sexual, e os bispos argumentam que isso é uma falha na distinção “entre inclinação sexual e conduta sexual” e “não representa um passo autêntico na busca de justiça nos locais de trabalho”.

“Precisamos ser capazes de afirmar na lei e nas políticas públicas que todos são feitos à imagem e semelhança de Deus e, portanto, a discriminação injusta é errada, mas nossa realidade corporal como homem ou mulher não é discriminatória”, alertou Ryan Anderson, presidente do Centro de Políticas Públicas e Ética, em um recente painel de discussão promovido por várias dioceses católicas. “Se você interpretar a antropologia de forma errada na lei, ela terá sérios danos”.

Tal raciocínio é, em parte, o motivo pelo qual os bispos dos EUA se opuseram à legislação recentemente aprovada na Câmara, conhecida como Lei da Igualdade, que expandiria a proteção dos direitos civis federais contra pessoas LGBTQ, ao mesmo tempo que eliminaria as proteções à liberdade religiosa.

Em um esforço para rejeitar qualquer legislação que reconheça a categoria de pessoas LGBTQ, uma abordagem que a conferência dos bispos tem seguido por anos, ela também se recusou a apoiar a legislação de compromisso com a Lei da Igualdade conhecida como Lei de Justiça para Todos, que recebeu o apoio de frequentes comunidades aliadas da fé católica, incluindo a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, a União Ortodoxa e o Conselho para Faculdades e Universidades Cristãs.

Alguns analistas se preocupam, pois a postura dos bispos dos EUA é baseada em uma visão estreita da lei e má estratégia política.

“Muitos estadunidenses pensam que os crentes tradicionais buscam uma 'licença geral para discriminar' e que a hostilidade à comunidade LGBTQ é a face pública do cristianismo”, escreveram quatro importantes estudiosos da Primeira Emenda em uma carta aberta.

Thomas Berg, professor de direito e políticas públicas da Universidade de St. Thomas e um dos signatários dessa carta, disse ao NCR que “uma recusa em considerar as leis de não discriminação LGBTQ, mesmo quando equilibrada com proteções significativas à liberdade religiosa, torna-o muito difícil dissipar essa atitude”.

 

Lei de Igualdade vs. Justiça para Todos

Em 25 de fevereiro, a Câmara dos Representantes aprovou a Lei da Igualdade, que proibiria a discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero em uma série de áreas, incluindo programas financiados pelo governo federal de educação, emprego, habitação, acesso a crédito e reconhecimento de casamento.

Os críticos do projeto de lei – que incluem, além dos bispos dos EUA, a Associação Nacional de Evangélicos, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, a Igreja Adventista do Sétimo Dia e a Coalizão pelos Valores Judaicos – argumentam que carece de acomodação religiosa, principalmente tornando-se a primeira legislação federal a se isentar da Lei de Restauração da Liberdade Religiosa.

Mais comumente referida por sua sigla como RFRA, a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa foi introduzida pelos democratas Ted Kennedy e Charles Schumer e sancionada pelo presidente Bill Clinton em 1993. Ela afirma que “o governo não deve onerar substancialmente o exercício da religião de uma pessoa”. Se houver um interesse convincente em fazê-lo, o governo deve usar os “meios menos restritivos”.

“A RFRA contém, em si mesmo, o teste de 'interesse convincente'. Ou seja, a RFRA não prevê que os reclamantes religiosos sempre ganhem”, Rick Garnett, professor da Escola de Direito de Notre Dame e diretor do Programa sobre Igreja, Estado e Sociedade da Escola, disse à NCR por e-mail.

“Em vez disso, exige um escrutínio judicial rigoroso nos casos em que a liberdade religiosa está ameaçada, para ter certeza de que essa ameaça existe. Não há necessidade de isentar categoricamente uma classe inteira de responsabilidades sobre o exercício religioso da revisão judicial”.

Embora o presidente Joe Biden tenha se comprometido a transformar a Projeto de Lei da Igualdade em lei, a legislação atualmente carece do apoio de que provavelmente precisaria para ser aprovada no Senado dos EUA.

Os bispos dos EUA advertiram que, se aprovada, a Lei da Igualdade seria uma “violação de direitos preciosos à vida e à consciência”. O cardeal de Nova York Timothy Dolan, presidente do comitê de liberdade religiosa dos bispos dos EUA, recentemente descreveu o projeto de lei como “mal escrito” e disse que “destruiria a liberdade religiosa”.

As arquidioceses de Nova York e Los Angeles e as dioceses de Arlington, Virgínia e Green Bay, Wisconsin, junto com as Conferências Católicas do Colorado e da Virgínia, foram co-patrocinadores do webinar “A Lei de Igualdade e o que isso significa para os católicos” que ocorreu em 22 de março.

Junto com Anderson do Centro de Políticas Públicas e Ética, os palestrantes incluíram funcionários da Aliança de Defesa da Liberdade e o grupo Mulheres Pró-Família, todos falando em oposição ao projeto de lei.

Justiça para Todos, em contraste, segue o modelo de um projeto de lei abrangente aprovado em Utah em 2015, que conquistou o apoio dos principais defensores da liberdade religiosa (mais notavelmente, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias) e da comunidade LGBTQ do estado.

O projeto de lei Justiça para Todos, apresentado no Congresso dos EUA pelo deputado Chris Stewart, de Utah, visa proibir a discriminação contra indivíduos LGBTQ na maioria das áreas de emprego, habitação, acesso a crédito e serviços sociais, preservando a RFRA e permitindo organizações religiosas e indivíduos que definem o casamento de forma diferente do governo federal para contratar com base em suas crenças sinceras.

Embora a legislação adicionasse proteção baseada na orientação sexual e identidade de gênero ao código federal dos direitos civis, ela também protegeria as organizações religiosas de perder seu financiamento federal se aderirem a uma definição de casamento diferente da do governo e impediria casas de culto de perder seu status de isenção de impostos por fazer o mesmo.

Ao contrário de muitos de seus aliados de longa data, os bispos dos EUA rejeitam essa abordagem.

Em uma carta enviada a Stewart em dezembro de 2019, os bispos disseram que não podiam apoiar a legislação, alertando que, junto com as preocupações sobre o que isso significaria para as operações de caridade católicas e proteções de consciência, “os fins (garantir as proteções de liberdade religiosa incluídas) não justificam os meios (estabelecendo a ideologia de gênero como base para uma política nacional, minando ainda mais a base antropológica da família)”.

 

Estratégia ruim?

Apesar de tais esforços para combinar disposições anti-discriminação para pessoas LGBTQ com disposições destinadas a garantir a liberdade religiosa, a estratégia geral da maioria dos bispos católicos tem sido simplesmente dobrar a oposição à Lei da Igualdade, sem qualquer consideração de alternativas possíveis.

“Não é bom para o futuro a longo prazo da liberdade religiosa ter essa polarização”, disse Berg, que é coautor de Religião e Constituição.

David Cloutier, professor de teologia da Universidade Católica da América, disse ao NCR que a categoria de “LGBTQ” é aquela que os bispos têm evitado, devido ao que alguns bispos consideram “conflacionária”.

“A linguagem 'LGBTQ' combina um conjunto de categorias que são de tipos diferentes. São todas coisas diferentes”, disse Cloutier. “A própria linguagem não é clara sobre o que está incluído e por que está incluído. Acho que a imprecisão gerada pelo termo os leva [os bispos] a serem cautelosos sobre a capacidade da lei de fazer vários tipos de distinções que os bispos gostariam que fossem feitas”.

No entanto, Cloutier também observou que isso representa um desafio quando a “antropologia da Igreja não é convincente para a população em geral”.

Robin Fretwell Wilson, professor de direito da Universidade de Illinois, disse ao NCR que os líderes religiosos, como os bispos católicos, estão agora “em seus calcanhares”, confrontados com legislação como a Lei da Igualdade, à qual se opõem, sem estar dispostos a oferecer quaisquer compromissos ao longo do caminho.

Ela fez uma comparação com a oportunidade de apoiar uma legislação como o projeto de lei de Não-Discriminação no Emprego (ENDA).

“Você olha para uma legislação como ao ENDA e pensa 'que modesto'”, observou Wilson, observando que ela frequentemente se pergunta quantos conservadores sociais que se opuseram ao ENDA agora gostariam de tê-lo apoiado, dadas as alternativas mais abrangentes.

“Você tem que parar de esperar até que esteja em uma posição minoritária”, disse Wilson, que é co-editor do livro “Religious Freedom, LGBT Rights, and the Prospects for Common Ground” (“Liberdade Religiosa, Direitos LGBT e Perspectivas para um Campo Comum”, em tradução livre, de 2018). “Você precisa liderar e não tentar controlar as coisas por trás”.

Da mesma forma, Berg disse que “uma coisa é exigir proteções mais fortes à liberdade religiosa ou resoluções mais claras sobre outras questões específicas”, como quando se trata de regras relativas a abrigos de violência doméstica ou atletas transgêneros. “Mas é outra coisa dizer que a própria adoção de uma regra de não discriminação estabelece uma ideologia de gênero”.

“Essa última afirmação torna impossível qualquer tipo de solução compartilhada”, disse ele, “assim como a Lei da Igualdade torna impossível qualquer tipo de solução compartilhada”, o que leva ele e outros estudiosos do direito a temer um impasse contínuo.

“Uma compreensão cristã de sexo e gênero não é seguir regras arbitrárias”, escreveu o cardeal Dolan, de Nova York, em artigo recente. “A identidade de uma pessoa é inseparável de seu corpo. A ideologia de gênero apresenta uma contra-antropologia, alegando que o corpo de alguém poderia de alguma forma contradizer a identidade de alguém.”

“Não presumimos e não devemos presumir que a adoção de uma lei anti-discriminação implica concordância com o comportamento que ela pode proteger”, disse Berg ao NCR. “Proteger contra a discriminação religiosa implica indiferença em relação à religião e à verdade religiosa? Não. Isso implica que há uma característica aqui profundamente enraizada em uma pessoa que é significativamente prejudicada por ser excluída do mercado e dos aspectos públicos de vida”.

“Mesmo as pessoas que não concordam com a conduta homossexual ou transgênero podem concluir que não se deve negar às pessoas o acesso a bens e serviços básicos, à moradia ou à assistência médica simplesmente porque têm essas características”, continuou Berg.

Ele alerta que há uma compreensão de que a lei anti-discriminação envolve aprovar o comportamento. A posição dos bispos, diz Berg, seria contra legislações em voga, como o projeto Justiça para Todos, porque nas suas visões, “estabelece uma verdade errada sobre os seres humanos”.

Para Berg, Justiça para Todos faz “provisões muito significativas para a liberdade religiosa”.

Embora ele aponte “que não é reivindicar que todo aspecto é perfeito ou não pode ser melhorado”, sua posição fica em contraste com a da USCCB.

“Se você diz que nós não podemos apoiar qualquer proteção anti-discriminação de orientação sexual ou identidade de gênero porque tal comportamento ou identidade é errado ou falho, então é muito difícil explicar para alguém porque eles deveriam apoiar proteções de liberdade religiosa ou religião tradicional quando eles acreditam que seus comportamentos ou princípios estão errados”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para os bispos dos EUA, “antropologia LGBTQ” exclui os compromissos da Lei de Igualdade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV