Desmatamento e insustentabilidade da população mundial, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sínodo é até o limite. Inclui a todos: Os pobres, os mendigos, os jovens toxicodependentes, todos esses que a sociedade descarta, fazem parte do Sínodo”, diz o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS
  • O Papa aos Jesuítas da Eslováquia: “No mundo atual nos assusta sermos livres. Temos medo das encruzilhadas do caminho"

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Fevereiro 2021

"Acompanhando a taxa atual de crescimento populacional em relação à taxa de desmatamento, os autores descobriram que “estatisticamente, a probabilidade de sobreviver sem enfrentar um colapso catastrófico é muito baixa”. O melhor cenário é que temos menos de 10 por cento de chance de evitar o colapso.", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e pesquisador titular da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 12-02-2021.

Eis o artigo.

“A floresta precede os povos. E o deserto os segue”
François-René Chateaubriand (1768-1848)

O mundo tem cada vez mais gente e cada vez menos árvores. O artigo “Deforestation and world population sustainability: a quantitative analysis”, publicado na revista Nature (Bologna, Aquino, 06/05/2020) mostra a insustentabilidade do crescimento demográfico global e conclui: “Com base nas taxas atuais de consumo de recursos e na melhor estimativa de crescimento da taxa tecnológica, nosso estudo mostra que temos uma probabilidade muito baixa, menos de 10% na estimativa mais otimista, de sobreviver sem enfrentar um colapso ambiental catastrófico”.

De fato, a população mundial teve um crescimento exponencial impressionante nos últimos 12 mil anos (Holoceno), passando de 4 milhões de habitantes 10 mil anos antes de Cristo para 190 milhões no ano 1 da era cristã, chegando a cerca de 1 bilhão em 1800 e devendo atingir 8 bilhões de habitantes em 2023, conforme mostra o gráfico abaixo. Em 100 anos, aproximadamente, a população humana deu um salto de 2 bilhões para 8 bilhões de habitantes, sendo que o crescimento do consumo foi muito maior. Desta forma, o mundo que tinha superávit ambiental passou a ter déficit ambiental a partir de 1970, com a pegada ecológica crescendo bem acima dos limites da biocapacidade da Terra, como mostra o gráfico menor na figura abaixo.

Foto: EcoDebate

O crescimento demoeconômico dos últimos séculos tem sido mortal para o meio ambiente. Havia 6 trilhões de árvores no mundo no passado (Bastin et. al. 05/07/2019). Mas a humanidade destruiu a metade das florestas desde o crescimento exponencial da população e da economia a partir da Revolução Industrial e Energética. O número de árvores no mundo hoje em dia está em torno de três trilhões de unidades. Mas o pior é que os seres humanos estão destruindo 15 bilhões de árvores por ano, enquanto o aparecimento de novas árvores e o reflorestamento é de somente 5 bilhões de unidades. Ou seja, o Planeta está perdendo 10 bilhões de árvores por ano e pode eliminar todo o estoque de 3 trilhões de árvores em menos de 300 anos.

Voltando ao artigo de Bologna e Aquino (Nature, 06/05/2020), os autores consideram que o desmatamento global, devido às atividades antrópicas, está a caminho de desencadear um “colapso irreversível” da civilização humana nas próximas duas a quatro décadas. Se continuarmos destruindo e degradando as florestas do mundo, a Terra não será mais capaz de sustentar uma grande população humana. Eles dizem que se a taxa de desmatamento continuar, “todas as florestas desapareceriam aproximadamente em 100–200 anos”.

É claro que não é realista imaginar que a sociedade humana só passaria a ser afetada pelo desmatamento quando a última árvore fosse cortada. Na prática, essa trajetória faria com que o colapso da civilização humana ocorresse muito mais cedo devido aos crescentes impactos do desmatamento nos sistemas de suporte à vida planetários necessários para a sobrevivência humana – incluindo armazenamento de carbono, produção de oxigênio, conservação do solo, regulação do ciclo da água, suporte para recursos naturais sistemas alimentares humanos e lares para inúmeras espécies. Mas como mostrou Helen Briggs (BBC, 26/01/2021) é preciso planejar o plantio das árvores e a preservação das florestas.

Acompanhando a taxa atual de crescimento populacional em relação à taxa de desmatamento, os autores descobriram que “estatisticamente, a probabilidade de sobreviver sem enfrentar um colapso catastrófico é muito baixa”. O melhor cenário é que temos menos de 10 por cento de chance de evitar o colapso.

Para concluir o artigo, Bologna e Aquino dizem: “Em conclusão, nosso modelo mostra que um colapso catastrófico da população humana, devido ao consumo de recursos é o cenário mais provável da evolução dinâmica com base nos parâmetros atuais. Adotando um modelo combinado determinístico e estocástico, concluímos do ponto de vista estatístico que a probabilidade de nossa civilização sobreviver é inferior a 10% no cenário mais otimista.

Os cálculos mostram que, mantendo a taxa real de crescimento populacional e consumo de recursos, em particular o consumo da floresta, temos algumas décadas restantes antes de um colapso irreversível de nossa civilização. Para agravar a situação, ressaltamos mais uma vez que não é realista pensar que o declínio da população em situação de forte degradação ambiental seria um declínio não caótico e bem ordenado. Esta consideração leva a um tempo restante ainda mais curto”.

Referências

ALVES, JED. A Amazônia não é nossa! Ecodebate, 21/03/2012. Disponível aqui.

ALVES, JED. Brasil mata e desmata, Ecodebate, 05/08/2019. Disponível aqui.

ALVES, JED. Países com maiores áreas e percentagens de floresta, Ecodebate, 06/09/2019. Disponível aqui.

ALVES, JED. Mais árvores e menos gente, Ecodebate, 02/10/2019. Disponível aqui.

ALVES, JED. MARTINE, G. Population, development and environmental degradation in Brazil. In: ISSBERNER, LR.; LENA, P. Brazil in the Anthropocene: conflicts between predatory development and environmental policies”, Londres, NYC, Routledge, 2017

Jean-François Bastin et. al. The global tree restoration potential, Science, Vol. 365, Issue 6448, pp. 76-79, 05 Jul 2019. Disponível aqui.

BOLOGNA, Mauro; AQUINO, Gerardo. Deforestation and world population sustainability: a quantitative analysis. Nature, Scientific Reports volume 10, Article number: 7631, 06/05/2020. Disponível aqui.

Helen Briggs. Scientists address myths over large-scale tree planting, BBC Science, 26/01/2021. Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Desmatamento e insustentabilidade da população mundial, artigo de José Eustáquio Diniz Alves - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV