Breves do Facebook

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Novembro 2020

Faustino Teixeira

É um absursdo que a Arquidiocese do Rio de Janeiro venha nesse dia tão especial, dedicado Zumbi e à consciência negra, intervir impedindo uma tradicional celebração que vem ocorrendo há 16 anos na igreja do sagrado coração de Jesus, na Glória, acolhendo a um pedido de conservadores... Sinal de que a intolerância está viva e em curso. Muito triste!!!

 

Maurício Rodrigues Dos Santos

Absurdo!!

Bispos proíbem missa da consciência negra na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, na Glória.

 

Eduardo Sterzi

A estratégia é deixar morrer. Mais um capítulo do genocídio.

Disponível aqui.

 

Roberto Romano Da Silva

É mais do que evidente que a responsabilidade de tais crimes reside nos proprietários e administradores de tal comércio. Os abusos se repetem como maldição. O Ministério Público, ágil em exigir auxílios para si de todo tipo, em companhia de juízes que fazem o mesmo, repete a receita: manda pagar um milhão e pronto. Se existisse cidadania de fato, ninguém compraria mais nada naqueles antros de tortura e assassinato. RR

Disponível aqui.

 

Luiz Antonio Solda

Bandeira

Foto: Reprodução Facebook

 

Roberto Romano Da Silva

Foto: Reprodução Facebook

 

Eduardo Sterzi

E transformar a Amazônia em savana significa transformar o restante do Brasil em deserto. Isso é básico. É a Amazônia que garante a umidade para o restante do Brasil. Mourão e Bolsonaro estão desenhando a devastação definitiva do país. Não vai sobrar nem agronegócio, que depende de chuva.

Disponível aqui.

 

Gustavo Gindre

O assassinato da Marielle gerou um boom de candidaturas de mulheres negras e, na sequência, de LGBTQIA. Foi claramente uma resposta de setores da sociedade a esse ato criminoso e covarde.

Mas faço uma pergunta (que provavelmente vai gerar acusações de racismo, homofobia, etc). Já há o risco dessas candidaturas estarem se canibalizando, com uma tirando voto da outra?

Vamos imaginar duas candidatas mulheres e negras, cada uma com 5 mil votos. Nenhuma das duas foi eleita, mas talvez com 10 mil votos uma delas entrasse.

Se isso for verdade, não seria interessante que esses movimentos tivessem mais coordenação? Ou o desejável nesse momento é explorar mesmo essa onda?

 

Renato Cinco

Porque Bolsonaro e Crivella são genocidas?

População mundial: 7.800.000.000

População brasileira: 213.000.000

População da cidade do Rio de Janeiro: 6.700.000

Mortes por Covid no mundo: 1.338.100

Mortes por Covid no Brasil: 167.497

Mortes por Covid na cidade do Rio de Janeiro: 12.793

A população brasileira é igual a 2,7% da população mundial.

Mas o número de mortes por Covid no Brasil é igual a 12,5% das mortes no mundo.

Para corresponder ao mesmo percentual da população mundial (2,7%) o número de mortes no Brasil não deveria passar de 36.129 mortes.

Ou seja, Bolsonaro já produziu 4,6 vezes mais mortes do que nossa fração da população mundial.

A população carioca é igual a 0,08% da população mundial.

O número de mortes na cidade do Rio de Janeiro é igual a 0,95% da população mundial.

Para corresponder ao mesmo percentual da população mundial (0,08%) o número de mortes no Rio não deveria passar de 1070 mortes.

Ou seja, Crivella já produziu 11,95 vezes mais mortes do que nossa fração da população mundial.

E não se esqueça: não são números, são vidas.

 

Café com Bananas

A boiada do Salles vai passando...

Foto: Reprodução Facebook

Sabe como a floresta úmida pega fogo?

É muito simples: corta-se as árvores, retira-se a madeira e depois para apagar o crime põem fogo.

Em seguida vem as chuvas, cresce o mato aí entram os grileiros e o boi.

Via: Jardins de Epicuro

 

Cesar Benjamin

Em 2009, fiz um pequeno artigo para a Folha de S. Paulo, descrevendo muito sucintamente a absurda trajetória em que o sistema elétrico brasileiro havia sido lançado. Chama-se "Destruição impune". O apagão do Amapá decorre, diretamente, dessa trajetória. O texto está no link.

Abraços,

Cesar Benjamin

Disponível aqui.

 

Gustavo Gindre

Sejamos sinceros. Um país que ignora 160 mil mortos de uma pandemia quer mais é que o Amapá se foda.

 

Claudia Mortari Schmidt

E sem direito trabalhista nenhum!!!

Foto: Reprodução Facebook

 

Gustavo Gindre

A gente reclama, com razão, da forma como o Bolsonaro tratou a pandemia.

Mas o governo AMLO no México (supostamente de centro-esquerda) foi uma catástrofe semelhante.

Já a Argentina (outro governo supostamente de centro-esquerda) parece ter sido muito mais séria no enfrentamento do coronavirus, mas com resultados também desastrosos.

 

Gustavo Gindre

O fim das revistas?

Em 2009, a Dinap (da Editora Abril) teve autorização do CADE (que serve pra que?) para comprar a Fernando Chinaglia. Com isso, a Dinap se tornou a única empresa a distribuir revistas para bancas de jornais.

Depois veio a recuperação judicial da Abril e a venda para o empresário Fábio Carvalho (Casa & Vídeo). Com isso, a qualidade da distribuição piorou bastante e duas das maiores editoras (Panini e Globo) acabaram rompendo com a Dinap e criando suas próprias estruturas de distribuição.

(Nesse interim, as bancas também passaram por uma grande transformação. Hoje elas vendem pen drives, chocolate, cartão de celular e sei lá mais o que, mas cada vez menos jornais e revistas).

Pois bem, agora a Dinap informou que, a partir de janeiro, está rompendo unilateralmente TODOS os contratos de distribuição de revistas em bancas, que sejam baseados no esquema de consignação (ou seja, a banca só paga o que vender e o encalhe retorna para a editora). Ocorre que hoje virtualmente toda a distribuição de revistas em bancas é baseada em consignação.

Isso significa que as editoras de revistas têm menos de 60 dias para seguir o caminho da Globo e da Panini e criarem suas próprias estruturas de distribuição (o que é proibitivo para a imensa maioria das editoras). Ou terão que acordar com a Dinap um esquema que não seja de consignação (o que me parece ser proibitivo para as bancas, que teriam que passar a arcar com o encalhe).

Uma alternativa pouco provável é o surgimento de uma empresa que queira concorrer com a Dinap na distribuição para bancas, mantendo o esquema de consignação. Acho improvável porque o mercado de revistas já é declinante e pouco atrativo.

Não sei exatamente o que vai acontecer, mas prevejo um terremoto no mercado de revistas já em janeiro. Editoras e bancas terão que mudar radicalmente e é bem provável que muitas fiquem pelo meio do caminho.

 

Roberto Romano Da Silva

"Sofremos uma violenta inflação do termo "ética". O fato é sombrio. Quando o público e os especialistas falam em demasia sobre um valor ou uma doutrina, tais elementos certamente estão sendo veiculados sem crítica. No Brasil e no mundo, as teses mais contraditórias entre si sobre ética e moral, as propostas menos claras, ocupam a imprensa e os setores políticos. A Universidade não escapa dessa maré montante de palavras vazias que encobrem práticas perfeitamente imorais e opostas à ética. De um lado, notamos o uso sem peias de uma forma complexa de pensamento, uma das mais difíceis dentre as produzidas pelo saber filosófico. De outro, presenciamos, nos discursos dirigidos ao público, a negação da moral como fundamento da sociedade e da vida política. Os dois fenômenos são aspectos da mesma experiência humana, e seu nome foi dado por Niezstche: niilismo dos valores.

As palavras "ética" e "moral" amontoam-se nas bocas, nas telas de televisão, no cinema, na internet, nos jornais, nos livros, nos seminários de "pesquisa". Quanto mais circulam e recebem novos adjetivos, mais loucas elas ficam. Para usar a metáfora do mercado, a de Marx, as doutrinas filosóficas sobre a ética perdem a sua qualidade de origem e na concorrência desenfreada transformam-se em produtos de pacotilha. O negócio é rendoso em todos os sentidos. Parolar sobre "ética", nos dias atuais, fornece respeitabilidade (pelo menos durante alguns momentos) aos que enunciam lugares-comuns com a certeza impávida da ignorância dogmática".

Roberto Romano, há quase vinte anos atrás....

Contra o abuso da Ética e da Moral. Disponível aqui.

 

Roberto Romano Da Silva

Alguém se agastou por ter eu dito que José Arthur Giannoti é turiferário de FHC. Ele pode ser pior do que incensador, pois defendeu a distribuição de recursos com privilégio dos que adulavam o poder tucano. Quando se pergunta sobre o ódio que mata a sociedade brasileira, os tucanos devem ser lembrados como semeadores. O termo "inimigo", célebre por Carl Schmitt, foi assumido alegremente pelo filósofo do Cebrap. Vejam: "Exerce poder quem distribui recursos escolhendo quais os primeiros e os últimos a receber verbas já aprovadas, mas que não podem ser liberadas no primeiro dia do ano orçamentário. Como não está administrando uma loja, mas exercendo o poder de contemplar alguns antes de outros (condição para que o benefício seja de fato distribuído), é insensato exercê-lo beneficiando o inimigo". José Arthur Giannotti, O dedo em riste do jornalismo moral, Folha de S. Paulo, Tendências e Debates, 17 maio 2001, p. 3.

 

Fátima Salum Moreira

Depoimento dos pais de Boulos.

Vale a pena!!

 

Marta Gustave Coubert Bellini

Foto: Reprodução Facebook

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Breves do Facebook - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV