Energia eólica e impactos ambientais: um olhar a partir da complexidade

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Tobin ajudará o Papa Francisco a escolher bispos. O que isso significa para a Igreja dos EUA?

    LER MAIS
  • Taxar os ganhadores da crise. A justiça social e a distribuição dos lucros excedentes deveriam orientar a política tributária

    LER MAIS
  • A viagem do Papa ao Iraque é uma peregrinação, mas também um evento altamente político. Artigo de Marco Politi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Guilherme Tenher Rodrigues | 10 Novembro 2020

“A energia eólica consiste em fonte limpa, mas seus impactos tornam-se nítidos principalmente na fase de implantação dos Parques e Complexos Eólicos. Alterações nas características dos meios físico, biótico e socioeconômico são previstas, devido à abertura de acessos, deslocamento de veículos e trabalhadores, exploração de áreas para jazidas e bota-foras e, por conseguinte, interferências na vida de pessoas em comunidades e cidades”, aponta Rosana Batista Almeida, mestra em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE e autora dos Cadernos IHU Ideias 306.

Apesar dos investimentos de parques eólicos apresentarem minimização de impactos ambientais em relação às hidrelétricas e termelétricas, Rosana comenta que a avaliação integral das vicissitudes oriundas da implementação de energia eólica exige um olhar transdisciplinar e engajado entre as diferentes partes do processo de licenciamento e execução destes projetos.

A autora utiliza a implementação dos parques eólicos no semiárido baiano como exemplo da necessidade de um olhar capaz de analisar e intervir nas diversas mutações biossociais que se manifestam. Logo, “os impactos ambientais relacionados à implantação dos Parques Eólicos estão relacionados àqueles de caracteres social (desapropriação/indenização de terras/interferências de deslocamento de máquinas e funcionários), físico e biótico (supressão de vegetação; interferência na fauna e avifauna; emissão de ruídos; geração de poeira; impacto visual; alterações na geometria do relevo, nas redes naturais de drenagem e uso do solo; suspensão, carreamento de partículas e condições de aporte de sedimentos)”, relata.

Rosana recorre a Edgar Morin como método de análise dos impactos dos parques eólicos. Para a autora, “o entendimento, mesmo que aproximado, do meio ambiente perpassa por leituras de mundo a partir de correntes dominantes de pensamento. O método de análise cartesiano baseia-se no conhecimento do todo a partir das características das partes. Morin introduziu o pensamento complexo sobre a realidade, apontando que o todo possui propriedades divergentes do simples somatório das partes”.

E acrescenta: “conforme Morin, o sistema só se constitui quando existe organização e interação entre os elementos constituintes. A relação entre o todo, a totalidade sistêmica e as suas partes é medida por interações. É o conjunto dessas interações entre as partes in acto que gera uma organização que molda e configura sua estrutura interna. A organização dá coerência, regula, mantém, protege, rege o sistema, enquanto as interações exprimem o conjunto de relações, ações e retroações que se manifestam e se desenvolvem dentro de um sistema”.

Rosana analisa os pareceres técnicos, emitidos no órgão ambiental do estado da Bahia-Inema, para concessão de Licença para implantação de três Complexos Eólicos, localizados nos municípios de Sobradinho, Caetité e Campo Formoso.

Após o estudo, a autora alerta sobre a falta de diálogo entre as partes envolvidas nos processos de licenciamento dos parques: “os órgãos executores da Política Ambiental nos Estados da Federação devem desenvolver metodologia para análise dos efeitos cumulativos desta atividade no Semiárido da Bahia. Observou-se, a partir dos processos analisados, que o Condicionante de avaliação de efeitos cumulativos se reproduz, sem aprofundamento e apropriação da equipe técnica”.

Capa de "Impactos Ambientais de Parques Eólicos no Semiárido Baiano: do licenciamento atual a novas perspectivas". Artigo de Rosana Batista Almeida. Cadernos IHU Ideias 306 

O artigo se estrutura da seguinte forma:

Introdução

Revisão de Literatura

Fonte Eólica para a Geração de Energia Elétrica

]Impactos ambientais na implantação de Parques Eólicos

Aspetos Relevantes sobre o Semiárido

Análise dos Impactos Ambientais Cumulativos e o Pensamento Complexo

Metodologia

Resultados e Discussão

Conclusão

O texto integral pode ser acessado aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Energia eólica e impactos ambientais: um olhar a partir da complexidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV