Vacinas, o desafio do frio. Não basta produzi-las: algumas devem ser mantidas a menos 80°

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Discernimentos depois da Primeira Assembleia Eclesial. Artigo de Paulo Suess

    LER MAIS
  • Formação e espiritualidade do Ministro Extraordinário da Eucaristia

    LER MAIS
  • Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Outubro 2020

Preparar uma vacina em tempo recorde não será suficiente. Depois, haverá a última milha a percorrer e não será fácil. Para alcançar mais de sete bilhões de seres humanos em todos os cantos do mundo, outro desafio terá que ser superado: o do frio.

A reportagem é de Elena Dusi, publicada por Repubblica, 26-10-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Alguns dos frascos de fato precisam ser mantidos na temperatura de geladeira (entre 2 e 8 graus). Mas outros - dependendo do método de preparo - devem ficar a 80 graus negativos da fábrica até a injeção, sob pena de deterioração. Se a cadeia de frio for quebrada, o rótulo muda de cor e a vacina é jogada fora. Freezers com essa potência não são comuns mesmo em países ricos. Muito menos nas áreas remotas das nações mais pobres. Para sua vacina, a Pfizer, que precisa de ultra-frio, também prepara um contêiner ad hoc para o transporte.

Algumas ONGs que há anos fabricam refrigeradores movidos a painéis solares em algumas áreas da África estão acelerando seu trabalho com a Covid. Gavi e Unicef ​​instalaram 40 mil desde 2017. Eles prometem mais 65 mil até o final de 2021. As cidades mais favorecidas, paradoxalmente, são aquelas afetadas pelo Ebola, onde pelo menos algumas infraestruturas foram construídas anteriormente.

Mas é uma gota no oceano. Embora mais de trezentas empresas estão trabalhando arduamente para desenvolver uma vacina, apenas algumas estão trabalhando para garantir que o produto supere a última milha. E 2,8 bilhões de pessoas, um terço do total, provavelmente não serão imunizadas contra o coronavírus por falta de resfriamento. A estimativa é da transportadora DHL, segundo a qual 15.000 voos de carga ad hoc serão necessários para vacinar o mundo inteiro (o transporte por navio está excluído porque é muito lento e não consegue manter as temperaturas baixas por tempo suficiente). Os suprimentos de gelo seco usados ​​para manter a cadeia de frio durante a distribuição provavelmente não serão suficientes. A UPS em agosto começou a construir dois armazéns de refrigeração do tamanho de campos de futebol em Kentucky e na Holanda.

A Iata (International Air Transport Association) também fez seus cálculos. Para vacinar o mundo com uma dose (mas muitas candidatas a vacina também requerem reforço), serão necessários 8.000 voos de jumbo. Atualmente, são 400 os aviões de carga em operação. Do aeroporto às aldeias, uma das soluções em estudo é usar os caminhões comumente usados ​​para transportar sorvete. Isso também tornaria um pouco mais fácil aplicar a injeção nas crianças.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vacinas, o desafio do frio. Não basta produzi-las: algumas devem ser mantidas a menos 80° - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV