Os 150 anos de ‘infalibilidade’ dos papas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Em busca de cliques, sites e blogs resolveram "matar" Dom Pedro Casaldáliga

    LER MAIS
  • “Pandemia causará um desencanto que chegará às ruas”, afirma Mike Davis

    LER MAIS
  • Dentro de um inferno, algo do paraíso não se perdeu. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Julho 2020

150 anos se passaram desde que o Concílio Vaticano I definiu o dogma da infalibilidade pontifícia, mas aquela proclamação continua a encontrar críticos ainda hoje mesmo dentro da Igreja Católica e dividi-la das outras igrejas que consideram não existir fundamento no Evangelho para aquela verdade. O Vaticano I, inaugurado por Pio IX em dezembro de 1869, preparando um documento sobre a Igreja, quis que o dogma da infalibilidade pontifícia fosse afirmado nele. Em 17 de julho de 1870, um grupo de cinquenta e cinco bispos, abertamente contrário à proclamação que ocorreria no dia seguinte, abandonou Roma. Mas o papa não hesitou e em 18 de julho aprovou a constituição "Pastor aeternus" que afirmava aquele dogma “divinamente revelado". "Infalibilidade" não significa "impecabilidade pessoal" do pontífice, mas que, quando "ex cathedra", ou seja, como sucessor de Pedro e “pastor e doutor de todos os cristãos, define com sua suprema autoridade apostólica alguma doutrina referente à e à moral para toda a Igreja, goza daquela infalibilidade com a qual Cristo quis munir a sua Igreja; e que, portanto, tais declarações são por si mesmas, e não apenas em virtude do consenso da Igreja, irreformáveis”.

A reportagem é de Luigi Sandri, publicada por L'Adige, 27-07-2020. A tradução é de Luisa Rabolini

Contrários a ela, historiadores e teólogos, especialmente da área germânica, poucos anos depois formarão os "velhos crentes", cristãos-católicos que rejeitam esse dogma. Essa Igreja ainda existe hoje, está presente principalmente na Europa Central e tem cerca de meio milhão de fiéis. A Ortodoxia e o mundo da Reforma (luterana e calvinista) se opuseram polemicamente, há um século e meio, àquela definição, considerando-a estranha à mensagem de Jesus e incompatível com a história da Igreja. O Concílio Vaticano II (1962-65) reafirmou o dogma tentando inseri-lo, no entanto, no contexto da "colegialidade episcopal" que vê os bispos, se unidos ao papa, também mestres da fé. Até o momento, no entanto, nenhuma igreja não-católica está disposta a aceitar a "infalibilidade" definida pelo Vaticano I.

Mas o debate - agora abafado - também está vivo na Igreja Católica, a partir de cinquenta anos atrás, quando alguns teólogos começaram a fazer do dogma de 1870 interpretações "heréticas" segundo Roma. O caso mais famoso foi o de Hans Küng, padre suíço alemão e professor de teologia na Alemanha. Ele defendia que a história mostra que alguns papas erraram profundamente tanto em questões de fé como de moral; a Igreja, portanto, concluía o estudioso, não é "infalível", mas sim "indefectível": isto é, apesar de seus erros e equívocos, sempre será mantido em pé pela graça do Senhor. Por tais teorias, a Küng foi tirada a possibilidade de se proclamar teólogo "católico".

Até agora, expressamente, apenas um papa, Pio XII, apelou à "infalibilidade", proclamando, em 1950, o dogma da Assunção ao céu, em corpo e alma, de Nossa Senhora. Muitas vezes, porém, os pontífices pretenderam obediência como se fossem "infalíveis", mesmo quando não ousaram se valer da famosa definição.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os 150 anos de ‘infalibilidade’ dos papas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV