A vida é mais do que se vê

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O risco que eu estou correndo é cada vez maior, e a responsabilidade vocês sabem de quem é”, denuncia padre Júlio Lancellotti

    LER MAIS
  • A nova encíclica de Francisco nascida do diálogo com o Islã e do Covid. Artigo de Alberto Melloni

    LER MAIS
  • Padre Julio Lancellotti recebe novas ameaças após ataques virtuais de deputado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Julho 2020

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Mateus capítulo 13,24-43 que corresponde ao 16° Domingo do ciclo A do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto.

Eis o texto.

Em geral, tendemos a procurar Deus no espetacular e no prodigioso, não no pequeno e insignificante. Por isso, resultava difícil aos galileus acreditarem em Jesus quando lhes dizia que Deus já estava trabalhando no mundo. Onde se poderia sentir seu poder? Onde estavam os «sinais extraordinários» de que falavam os escritores apocalípticos?

Jesus teve que ensiná-los a captar a presença salvadora de Deus de outra forma. Mostrou-lhes sua grande convicção: a vida é mais que o que se vê. Enquanto vamos vivendo de uma forma distraída, sem captar nada de especial, algo misterioso está acontecendo no interior da vida.

Jesus vivia com essa : não podemos experimentar nada de extraordinário, mas Deus está trabalhando no mundo. Sua força é irresistível. É necessário tempo para ver o resultado final. É necessário, sobretudo, fé e paciência para olhar profundamente a vida e intuir a ação secreta de Deus.

Talvez a parábola que mais os surpreendeu foi a da semente de mostarda. É a menor de todas, como a cabeça de um alfinete, mas com o tempo converte-se num belo arbusto. Em abril, todos podem ver bandos de pintassilgos abrigando-se nos seus ramos. Assim é o «reino de Deus».

A perplexidade teve que ser geral. Os profetas não falavam assim. Ezequiel comparava-o com um «cedro magnífico», plantado numa «montanha elevada e excelsa», que lançaria uma ramagem frondosa e serviria de abrigo a todos os pássaros e aves do céu. Para Jesus, a verdadeira metáfora de Deus não é o «cedro», que faz pensar em algo grandioso e poderoso, mas a «mostarda», que sugere o pequeno e insignificante.

Para seguir Jesus, não é necessário sonhar com coisas grandes. É um erro que seus seguidores procurem uma Igreja poderosa e forte que se imponha sobre os outros. O ideal não é o cedro no cimo de uma montanha alta, mas o arbusto de mostarda que cresce junto aos caminhos e acolhe os pintassilgos em abril.

Deus não está no sucesso, no poder ou na superioridade. Para descobrir sua presença salvadora, temos de estar atentos ao pequeno, ao comum e ao cotidiano. A vida não é apenas o que se vê. É muito mais. Assim pensava Jesus.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A vida é mais do que se vê - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV