Nesta Quaresma, vou fazer jejum de Trump. Artigo de Thomas Reese

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Estas são as razões do ‘adeus’ do (ex-)cardeal Angelo Becciu

    LER MAIS
  • “O Óbolo de São Pedro foi usado para pagar um imóvel em Londres”: a investigação sobre o cardeal Becciu

    LER MAIS
  • Pantanal: “Já queimaram uma área tão grande que os bichos não têm mais para onde correr”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Fevereiro 2020

“Abrir mão de Trump na Quaresma me ajudará a relaxar e a ser mais pacífico. Ficarei mais feliz se fingir que ele não existe, e isso provavelmente é verdade para muitas outras pessoas.”

O comentário é de Thomas J. Reese, jesuíta estadunidense, ex-editor-chefe da revista America, dos jesuítas dos Estados Unidos, de 1998 a 2005, e autor de “O Vaticano por dentro” (Ed. Edusc, 1998), em artigo publicado por Religion News Service, 26-02-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Decidi fazer jejum de Donald Trump na Quaresma, o período de 40 dias entre a Quarta-Feira de Cinzas (26 de fevereiro) e o Domingo de Páscoa em que os católicos tradicionalmente fazem penitência. A maioria das pessoas abrem mão de algo que amam, como chocolate ou televisão. Outros abrem mão de algo que é ruim para elas, como fumar ou beber.

Para mim, Trump é uma ocasião de pecado que eu devo evitar. Eu preciso tirá-lo da minha mente como um pensamento sujo. Ele me deixa irritadiço, argumentativo, zangado e deprimido. Ele não é bom para a minha saúde, embora ele faça o meu coração disparar mais do que quando faço exercícios.

Não recomendo a todos que se abstenham totalmente de Trump, embora a maioria das famílias se beneficiaria ao transformar a mesa de jantar em uma “zona livre de Trump”.

A Cable News gerou bilhões de dólares com Trump, porque tanto aqueles que o amam quanto aqueles que o odeiam estarão sintonizados sempre que ele estiver ao vivo ou sendo debatido. Vou mudar de canal durante a Quaresma ou simplesmente desligar a TV.

Isso pode parecer estranho vindo de um “viciado político” com doutorado em Ciências Políticas. Mas por que me torturar? Eu não preciso de nenhuma informação a mais. Eu já sei como vou votar. Eu também voto onde o resultado da eleição está predeterminado. Graças ao Colégio Eleitoral, meu voto não fará nenhuma diferença, apesar de que vou votar, porque considero um dever cívico e moral.

A campanha também não terá importância, a menos que eu largue meu emprego, mude para um Estado indeciso e passe o resto do ano na trilha da campanha. Por inúmeras razões, isso é impossível.

Abrir mão de Trump na Quaresma me ajudará a relaxar e a ser mais pacífico. Ficarei mais feliz se fingir que ele não existe, e isso provavelmente é verdade para muitas outras pessoas.

E pense em todo o tempo extra que teríamos se abríssemos mão de Trump. Poderíamos realmente fazer algo que valha a pena com o nosso tempo, como fazer voluntariado em um abrigo ou ajudar em um programa de tutoria. Depois, há todas aquelas coisas sobre as quais falamos, mas não fazemos nada, como o aquecimento global, os refugiados e o racismo.

Eu confesso que não fiz jejum de nada na Quaresma por um longo tempo, mas, neste ano, abrir mão de Trump faz muito sentido. Afinal, é apenas por 40 dias. Ele ainda estará lá depois da Páscoa.

Provavelmente, eu não serei perfeito na minha abstinência. Não posso abrir mão das charges políticas. Elas são divertidas demais.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nesta Quaresma, vou fazer jejum de Trump. Artigo de Thomas Reese - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV