O dia em que o Papa abalou os alicerces do mito protestante da Grã-Bretanha

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Uma escolha crucial: como a Igreja seleciona seus bispos?

    LER MAIS
  • Os três passos dos homens

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Setembro 2010

Como é estranho que tenha sido o jornal The Guardian que compreendeu a magnitude do que aconteceu nesta sexta-feira.

A análise é do jornalista britânico especialista em religião Damian Thompson, editor dos blogs do portal The Telegraph Blogs. O texto foi publicado no portal do jornal The Telegraph, 18-09-2010. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Andrew Brown, editor de religião e possuidor de um intelecto tão poderoso e confuso como o de Rowan Williams, escreve:

Este foi o fim do Império Britânico. Em todos os quatro séculos de Isabel I a Isabel II, a Inglaterra foi definida como uma nação protestante. Os católicos eram os Outros, às vezes terroristas violentos e rebeldes, às vezes meros imigrantes sujos. A sensação de que esta era uma nação especialmente abençoada por Deus surgiu a partir de uma leitura profundamente anticatólica da Bíblia. No entanto, ela foi central para a autocompreensão inglesa quando a rainha Isabel II foi coroada em 1952 [sic], e jurou defender a religião protestante pela lei estabelecida.

Em todos esses 400 e tantos anos, teria sido impensável que um Papa pudesse estar no Westminster Hall e louvar Sir Thomas More, que morreu para defender a soberania do Papa contra a soberania do rei. A rebelião contra o Papa foi o ato fundacional do poder inglês. E agora esse poder se foi, e talvez a rebelião também.

Esse foi, realmente, um dia de eventos impensáveis. Muitos protestantes ficaram perturbados ao ver o Papa Bento XVI no Westminster Hall louvando São Thomas More (que aliás morreu para defender o que ele via como a soberania de Deus). Eu não concordo, no entanto, que a rebelião contra o Papa foi o "ato fundacional do poder inglês". Brown é um agnóstico de esquerda suspeito de um mito nacional.

Mas aqui vamos nós de novo – contaram-nos que a Inglaterra descobriu a sua identidade como um resultado da Reforma. Na verdade, a indústria e a cultura inglesas floresceram sob o patrocínio espiritual de Roma. Se o país tivesse permanecido católico, elas teriam continuado a florescer. (Na Alemanha, cidades que permaneceram católicas eram tão prósperas quanto as que se tornaram protestantes).

Na verdade, se você quiser provas da autoconfiança da nossa identidade nacional católica, procure na Abadia de Westminster e no Westminster Hall. Pelo menos nos primeiros 500 anos da sua existência – não podemos ter certeza de quando foi fundada –, a Abadia foi obediente aos antecessores de Bento XVI.

Assim, o fato de o Papa entrar hoje na Abadia foi uma afirmação do seu próprio "ato fundacional". Não é por nada que ele apontou em seu discurso que a Igreja era dedicada a São Pedro. Mesmo católicos que nunca seriam tão rudes para dizer "a Abadia pertence a nós, não a você" sentiram que a história estava sendo re-equilibrada de alguma forma. Eles perceberam que o Papa tinha tanto direito de se sentar nesse santuário quanto o arcebispo de Canterbury (que, na verdade, mostrou ao Santo Padre um grau de respeito que implicava que ele, pelo menos, reconhecia a primazia espiritual da Sé de Pedro mesmo que ele rejeite alguns de seus ensinamentos).

É claro que eu não estou negando que durante séculos o anticatolicismo foi central para a autocompreensão inglesa, mesmo que tenha levado quase um século de ataques e de perseguições para suprimir a velha religião. E ainda há bolsões de intenso ódio a Roma na sociedade inglesa de hoje. A diferença é que os únicos anticatólicos com influência são os secularistas que não estão suficientemente interessados nas reivindicações papais de forma a descobrir o que elas são. (Estou pensando no documentário surpreendentemente ignorante de Peter Tatchell para o Channel 4). Eles odeiam a religião e atormentam os católicos, porque são o alvo mais frágil.

Os anticatólicos protestantes, em contrapartida, não têm amigos na mídia ou aliados úteis na Igreja da Inglaterra. Tudo o que eles podem fazer é assistir com horror como o fato de o Papa de Roma entrar em procissão dentro da igreja onde monarcas protestantes são coroados declara sem ambiguidade que ele é o sucessor de São Pedro com responsabilidade pela unidade da cristandade, e depois sair novamente – para um caloroso aplauso.

Na verdade, ainda não estou completamente certo do que fazer com tudo isso. Os discursos de Bento XVI valem a pena ser lidos várias vezes. Eles muitas vezes acabam sendo mais radicais do que pareceram à primeira vista. Mas uma coisa é certa. Apesar da cortesia despretensiosa das maneiras do Papa, ele não cedeu um milímetro.

 

    Comunicar erro

    close

    FECHAR

    Comunicar erro.

    Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

    O dia em que o Papa abalou os alicerces do mito protestante da Grã-Bretanha - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

    ##CHILD
    picture
    ASAV
    Fechar

    Deixe seu Comentário

    profile picture
    ASAV