A força das mulheres Baniwa chega aos supermercados Pão de Açúcar

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • 'Eu nunca recusei a Eucaristia a ninguém. A comunhão não é um prêmio para os perfeitos'. Entrevista com o papa Francisco voltando da Eslováquia para Roma

    LER MAIS
  • Papa Francisco: “Vacinas, há negacionistas até entre os cardeais. Matrimônio só homem-mulher, mas uniões civis homoafetivas possíveis”

    LER MAIS
  • Alemanha. Dom Stefan Hesse: renúncia rejeitada

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Janeiro 2020

Produzida na Terra Indígena Alto Rio Negro (AM), a Pimenta Jiquitaia Baniwa está à venda em sete lojas de São Paulo; produto faz parte da rede Origens Brasil, que promove relações éticas e transparentes entre empresas e produtores.

A reportagem é de Roberto Almeida, publicada por ISA, 22-01-2020.

Selma da Silva Lopes, gerente de produção de pimenta, exibe lote C01 da Pimenta Jiquitaia Baniwa apresentado na abertura da Casa da Pimenta Takairo, na comunidade Canadá, próxima ao rio Ayari, Terra Indígena Alto Rio Negro (AM). (Foto: Carol Quintanilha/ISA)

A Pimenta Jiquitaia Baniwa, produzida por mulheres do povo Baniwa na Terra Indígena Alto Rio Negro (AM), agora faz parte do Programa Caras do Brasil do Grupo Pão de Açúcar. O produto está à venda em sete lojas em São Paulo, capital (veja abaixo a relação), a R$ 29,90 o potinho de 15g.

Cada um deles contém uma jiquitaia, isto é, uma mistura de pimentas desidratadas e piladas com sal com sabor levemente defumado e alta picância. São, ao todo, 78 variedades de pimenta registradas nas roças e quintais Baniwa, entre elas as pimentas bico de mutum, bunda de saúva, jaburu, roxa, malagueta, bode, braço de camarão, dente de onça, bico de peixe lápis, branca, fruta de abiu e a jolokia baniwa.

A variedade de cores, tamanhos e picância, descritas em livro, é uma amostra da potência da biodiversidade do Sistema Agrícola Tradicional do Rio Negro, reconhecido como patrimônio imaterial do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Conheça a história da produção da Pimenta Jiquitaia Baniwa:

A renda obtida com a venda do produto é repassada para cerca de 80 produtoras e gerentes das cinco Casas da Pimenta, que formam uma rede de unidades de beneficiamento e envase em comunidades da bacia do rio Içana.

“Faz tempo que a gente sonhava em entrar nesse mercado”, diz Alfredo Brazão, gerente de comercialização da Organização Indígena da Bacia do Içana (Oibi), responsável pela venda da Pimenta Baniwa. “Esperamos que gostem da pimenta e continuem divulgando nosso trabalho, que valoriza o conhecimento das produtoras.”

Os Baniwa gostam de dizer que os potinhos são como livros que as comunidades indígenas enviam para o mundo ler. A pimenta jiquitaia é considerada “alimento para corpo e alma”, com diversos usos tradicionais.

Na culinária do Rio Negro, ela é usada para realçar o sabor de pratos como a quinhapira (caldeirada de peixe) ou na carne de caça. Em restaurantes, a Pimenta Jiquitaia Baniwa já foi adaptada para uso em massas, risotos e caldos, como o ramen do restaurante Jojo Lab, em São Paulo, que fez parte do Festival pelos Povos da Floresta, realizado em dezembro passado.

Como insumo, a pimenta do povo Baniwa também faz sucesso na cerveja Baniwa Chilli, produzida na Irlanda pela Hopfully Brewing, nos chocolates da Na’kau e no molho de açaí da Soul Brasil.

A entrada da Pimenta Jiquitaia Baniwa no programa Caras do Brasil, que busca valorizar a produção sustentável, a culinária regional, os pequenos produtores e o sabor brasileiro, é mais um reconhecimento da excelência do produto. Você pode encontrá-la nas lojas Pão de Açúcar Jardim Paulista, Real Parque, Clodomiro Amazonas, Ricardo Jafet, Sócrates, Shopping Iguatemi e Praça Panamericana, todas na capital paulista.

A Pimenta Baniwa pode ser encontrada também em mais de 30 pontos de venda espalhados pelo Brasil, Estados Unidos e Peru.

Quem são os Baniwa?

Os Baniwa são um povo indígena de língua Aruaque, com uma população estimada de 15 a 18 mil pessoas. Vivem em cerca de 200 comunidades e sítios, como parte do complexo cultural do noroeste amazônico, nas cabeceiras da bacia do Rio Negro, entre Brasil, Colômbia e Venezuela.

No Brasil, os Baniwa são os ocupantes milenares da bacia do rio Içana, onde estão localizadas 95 comunidades e sítios que abrigam entre 7 a 8 mil pessoas. Saiba mais sobre os Baniwa no site Povos Indígenas do Brasil clicando aqui.

O projeto da Pimenta Baniwa é fruto da parceria de longo prazo que envolve a Organização Indígena da Bacia do Içana (Oibi), o Instituto Socioambiental e o Instituto ATÁ. A marca foi criada em 2013 com a inauguração da primeira central de beneficiamento de pimenta jiquitaia – a Casa de Pimenta Dzooro – e conta hoje com outras quatro unidades distribuídas ao longo do território Baniwa.

Pimenta Baniwa e a rede Origens Brasil

A Pimenta Baniwa faz parte da rede Origens Brasil (clique aqui para saber mais), que surgiu para dar mais transparência às cadeias de produtos da floresta e ajudar os consumidores a identificar empresas e produtos que valorizam e respeitam os territórios de diversidade socioambiental. Funciona como uma rede que conecta produtores com compradores e consumidores finais. Está presente em quatro territórios: Xingu, Calha Norte, Rio Negro e Solimões, com foco em produtos como óleos vegetais, resinas, sementes, frutos, farinha, pimenta, amendoim, mel, peças de vestuário e bijuterias. O modo de extração ou de produção contribuem positivamente para manter o patrimônio socioambiental das populações envolvidas.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A força das mulheres Baniwa chega aos supermercados Pão de Açúcar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV