De Acampamento a Assentamento Dom Luciano Mendes: da dor à dignidade

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Outubro 2019

"O Assentamento Dom Luciano Mendes fez muita gente adquirir fé na luta pela terra, com a ajuda do MST, dos Direitos Humanos, da CPT, dos freis, do bispo Dom Hugo, da Irmã Geraldinha e as irmãs Dominicanas, da Defensoria Pública e do Ministério Público da área dos conflitos agrários" escreve Gilvander Moreira, frei e padre da Ordem dos Carmelitas.

Frei Gilvander é doutor em Educação pela FAE/UFMG; licenciado e bacharel em Filosofia pela UFPR; bacharel em Teologia pelo ITESP/SP; mestre em Ciências Bíblicas; assessor da CPT, CEBI, SAB, CEBs e Movimentos Sociais Populares; prof. de “Movimentos Sociais Populares e Direitos Humanos” no IDH, em Belo Horizonte, MG. 

Eis o artigo

Após o MST [1] nascer e se fortalecer na região do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, com o assentamento Franco Duarte, em Jequitinhonha; o acampamento Terra Prometida, em Felisburgo; e o assentamento Esperança/Santa Rosa, em Almenara, e após ter acontecido em Unaí, MG, dia 28 de janeiro de 2004, o massacre dos quatro fiscais do Ministério do Trabalho, no mesmo ano, dia 20 de novembro de 2004, o massacre de cinco Sem Terra em Felisburgo, impulsionado pelo trabalho pastoral da irmã Geraldinha, de outras irmãs dominicanas e de militantes do GADHH [2], eis que o MST fincou pela primeira vez sua bandeira em Salto da Divisa, um município sob hegemonia do latifúndio e do capital no campo. O Acampamento Dom Luciano Mendes, do MST, em Salto da Divisa, município com seis mil habitantes, distante 7 km da cidadezinha de Salto [3] e a 880 km de Belo Horizonte, na região do Baixo Jequitinhonha, MG, após um longo processo de gestação, nasceu na madrugada do dia 26 de agosto de 2006, exatamente no dia em que o arcebispo da Arquidiocese de Mariana, MG, Dom Luciano Mendes de Almeida, faleceu. Por isso e, principalmente, por ele ter sido ao longo de várias décadas uma referência para a igreja popular na linha da Teologia da Libertação, para as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), as pastorais sociais e para os movimentos populares, Dom Luciano foi escolhido para ser o patrono do acampamento.

Assim como irmã Geraldinha, Maria Aparecida Alves, carinhosamente conhecida como Cidona do MST, contribuiu muito com a luta pela terra no Acampamento Dom Luciano Mendes. Inesperadamente, aos 48 anos, Cidona faleceu dia 27 de junho de 2014, às 21h30, enquanto dançava forró em uma festa de aniversário no Assentamento Franco Duarte, município de Jequitinhonha, onde residia há 12 anos após vários anos de acampamento à beira da BR 367.

Irmã Geraldinha recorda como foi a primeira ocupação no município de Salto da Divisa: “A ocupação que se tornou o Acampamento Dom Luciano Mendes aconteceu por volta das 4 horas da madrugada do dia 26 de agosto de 2006, com 186 famílias sem-terra que logo depois foram cadastradas no INCRA [4].[5] O povo levantou de madrugada, pôs os cacaios nas costas e cortou a cerca de mais um latifúndio iniciando o Acampamento Dom Luciano. Com a lona preta nas mãos entramos nessa fazenda chamada Manga do Gustavo. A gente sabia que era terra devoluta” (Irmã Geraldinha).

Naquela madrugada lá estava Cidona, ao lado de 186 famílias, fincando a bandeira do MST no Acampamento que três dias depois foi batizado de Acampamento Dom Luciano Mendes. Na Assembleia que decidiu qual seria o nome do acampamento, Cidona afirmou: “Ocupamos aqui no mesmo dia em que morreu o grande bispo Dom Luciano Mendes, um irmão na luta dos pobres. Por isso proponho a gente homenageá-lo colocando o nome de Dom Luciano no nosso acampamento, pois cultivar a memória profética dele é dever de todos nós” (CIDONA DO MST, dia 29/8/2006).

Nascido na zona rural do município de Vitória da Conquista, criado em Salto da Divisa e pai de 14 filhos, Sr. Manoel Santiago Rocha, Sem Terra, atualmente assentado no Assentamento Dom Luciano Mendes, atesta: “Aqui tudo era mata. Estrada não existia. Tivemos que mudar para a cidade para estudar a meninada”. O Sem Terra José da Silva, nascido em Iguaí, BA, cresceu sendo vaqueiro e se tornou gerente de uma fazenda em Itapetinga, BA. Ele narra as peripécias da história dele até se tornar um Sem Terra assentado no Assentamento Dom Luciano Mendes, assim: “O ex-gerente da fazenda meteu um revólver na minha cara e quase me matou quando soube que o fazendeiro tinha me passado a responsabilidade sobre a fazenda. Eu disse para ele: ‘Eu também tenho revólver, mas não vou puxar minha arma para você. Você tem que me respeitar’. As nossas mulheres chegaram e entraram no nosso meio. A mulher dele gritou com ele: ‘Respeite esse homem’. Ele ficou com o revólver na minha cara e eu com o dedo na cara dele durante quase uma hora. Isso sem motivo nenhum. Ao chegar em casa, eu disse para minha esposa: ‘Essa fazenda me serviu até hoje’. Saí sem receber o que eu tinha direito e fui para São Paulo e fiquei uma temporada lá. A passagem eu paguei após trabalhar em São Paulo. Quando apareceu o MST eu comecei a acompanhar na Bahia em uma área de 900 hectares em Arataca. A gente fazia marchas pra Salvador. Conquistamos a área, fizemos o loteamento e tocou 1500 pés de cacau para cada família. Em uma briga, um assentado matou outro. Naquele tempo, a polícia não entrava no assentamento sem nossa autorização. A partir desse dia, vários amigos passaram a se dizer bravos. “‘Meu revólver queima’, ‘Minha faca é afiada’”, diziam. Vendi os pés de cacau por trezentos contos e resolvi sair. Voltei a ser empregado em uma fazenda por mais cinco anos. Depois entrei em outro acampamento no trevo de Camacã, mas a mulher que morava comigo começou a ficar brava e eu resolvi largar a mulher em uma noite e vim me juntar aos companheiros aqui no Acampamento Dom Luciano Mendes. Na hora que a terra estiver na nossa mão, eu vou procurar meus filhos e convidá-los para vir morar aqui na terra. Luto pela terra pensando nos meus filhos, pois já estou idoso.”

O camponês agregado José Mendes Batista foi expulso pelo fazendeiro Marcos Peixoto, da fazenda Cansanção, e foi morar na cidade de Salto da Divisa. Lá na fazenda, vivendo como agregado, um dia, à noite, ele acordou com tiros dados na sua casa. Aí ele não teve mais condições de continuar morando como agregado. Dona Maria Pereira Rocha, Sem Terra assentada no PA Dom Luciano Mendes, diz: “Entramos na luta pela terra no Acampamento Dom Luciano e, aqui, agora assentados no Assentamento Dom Luciano estamos em paz.” A Sem Terra Cleonice, assentada no Assentamento Dom Luciano Mendes, narra o processo de emancipação dela na luta pela terra, assim: “Nós começamos junto com as irmãs fazendo as místicas com as sementes de milho e feijão. Eu não entendia o porquê daquelas místicas. Eu era lavadeira para inteirar o dinheiro do meu esposo Carlos Dias de Souza. Às 4h da madrugada, do dia 26 de agosto de 2006, eu chamei meu filho e fomos para a ocupação que estava nascendo na fazenda Manga do Gustavo. O povo já tinha feito café para todos. Fomos bem recebidos. Não deixaram nós fazermos nossos barracos debaixo da fiação elétrica da CEMIG. Começamos a plantar e produzir naquela terra. Organizamos uma roça coletiva. A Comissão Pastoral da Terra (CPT) apoiou com o projeto para plantarmos banana. Nós ressuscitamos aquela terra, porque lá só tinha capim. Estamos assentados aqui no Assentamento Dom Luciano Mendes desde 22 de outubro de 2014, mas ainda não recebemos nem um centavo de ajuda do governo. Na nossa primeira plantação aqui colhemos muita mandioca, quiabo e melancia. Mas o ano de 2016 foi difícil por causa da falta de chuva e também porque a mineradora Grafite está acabando com a água do rio Piabanha. Eu tive uma bênção no Acampamento Dom Luciano: meu filho era viciado em droga e se libertou. Eu vivia insufrida, magrinha, lá na cidade de Salto da Divisa. Depois que eu vim para a terra, eu me libertei desse sofrimento. Melhoramos a saúde. Morar na terra é uma bênção. Todos os meus cinco filhos estão planejando para vir morar comigo aqui na nossa terra conquistada. Eu não sei como, mas a luta pela terra faz muita diferença na sociedade. Aqui na terra a gente vive em paz, cultivando a terra sem agrotóxico e sem ser escravo de patrão. A gente trabalha pra gente e pra quem precisa, sem patrão para gritar conosco, mandar na gente e nos explorar. Essa terra aqui não é só minha, é nossa, de todas as companheiras e todos os companheiros que nos ajudaram a conquistar essa terra. Essa terra é sua também, frei Gilvander. Nós ajudamos inclusive a quem nos discriminou e nos perseguiu. O Assentamento Dom Luciano Mendes fez muita gente adquirir fé na luta pela terra, com a ajuda do MST, dos Direitos Humanos, da CPT, dos freis, do bispo Dom Hugo, da Irmã Geraldinha e as irmãs Dominicanas, da Defensoria Pública e do Ministério Público da área dos conflitos agrários. Mineradora só estraga a terra, as árvores e as águas. Um filho meu, o Rodrigo, já voltou e está morando conosco aqui no assentamento. Há outros filhos de várias famílias nossas que já voltaram.”

Notas:

[1] Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – www.mst.org.br
[2] Grupo de Apoio e Defesa dos Direitos Humanos de Salto da Divisa.
[3] Quando era necessário ir à cidade de Salto da Divisa, as pessoas do Acampamento Dom Luciano iam a pé, de jegue ou de bicicleta. Raramente aparecia uma carona. Podia-se também pegar o ônibus da empresa Mineradora Nacional de Grafite que levava os funcionários da empresa. Esse ônibus passava indo para o Salto às 08h00 da manhã e voltava às 14h00. E ia novamente para o Salto às 16h00 e voltava às 22h00.
[4] Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária.
[5] “Já passaram pelo Acampamento Dom Luciano mais de 220 famílias”, informa irmã Geraldinha.

Obs.: Os vídeos, abaixo, ilustram o assunto acima.

1 - Acampamento Dom Luciano, do MST, tomando posse da Fazenda Monte Cristo, em Salto da Divisa. 22/10/14

2 - Acampamento Dom Luciano, do MST, em Salto da Divisa, MG, festeja conquista da Fazenda Monte Cristo

3 - Palavra Ética, na TVC/BH: frei Gilvander-Acampamento Dom Luciano/MST, Salto da Divisa/MG. 22/09/14.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

De Acampamento a Assentamento Dom Luciano Mendes: da dor à dignidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV