Tudo estará bem. T. S. Eliot na oração inter-religiosa desta semana

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Setembro 2019

Neste espaço se entrelaçam poesia e mística. Por meio de orações de mestres espirituais de diferentes religiões, mergulhamos no Mistério que é a absoluta transcendência e a absoluta proximidade. Este serviço é uma iniciativa feita em parceria com o Prof. Dr. Faustino Teixeira, teólogo, professor e pesquisador do PPG em Ciências da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora – MG.

Tudo estará bem

 (Foto: Faustino Teixeira | Arquivo pessoal)

 

E as crianças na macieira
Não conhecidas, pois não procuradas
Mas ouvidas, entreouvidas, no silêncio
Entre duas ondas do mar.
Rápidas agora, aqui, agora, sempre –
Condição de completa simplicidade
(Custando nada menos do que tudo)
E tudo estará bem e
Tudo quanto seja estará bem
Quando as línguas de chama se enveloparem
Para o coroado nó do fogo
E o fogo e a rosa forem um.

T. S. Eliot

Fonte: T.S. Eliot. Poemas. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 295.

 

T. S. Eliot | Foto: Ellie Koczela - Creative Commons

Thomas Stearns Eliot (1888-1965): Poeta norte-americano radicado na Inglaterra - fato que marcou sua obra - ele é visto como um dos ícones de maior influência na poesia, tendo recebido o Prêmio Nobel de Literatura em 1948. Escritor modernista, também trabalhou como dramaturgo e crítico literário inglês. Entre seus poemas mais célebres, encontram-se: The Love Song of J. Alfred Prufrock, Portrait of a Lady, Preludes, Sweeney among the Nightingales, The Waste Land, Ariel Poems e Unfinished Poems, ambos incluídos nos Collected Poems 1909-1935, Four Quartets.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Tudo estará bem. T. S. Eliot na oração inter-religiosa desta semana - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV