A redução da taxa de suicídios e a proibição do uso de pesticidas

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos alemães enfrentam o Vaticano e seguem com seu sínodo

    LER MAIS
  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • Os 5 principais países, além dos EUA, que mais tecem críticas ao Papa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Setembro 2019

A Organização Mundial da Saúde lançou ontem um relatório com muitos dados sobre suicídio e preocupações de ordem prática. Uma é que apenas 80 dos 183 Estados-membros da OMS possuíam dados de boa qualidade sobre isso em 2016. Outra é que só 38 países adotam estratégias nacionais para evitar essas mortes. Há algumas intervenções que têm conseguido baixar taxas. Entre elas, a orientação da mídia sobre a cobertura responsável de suicídios; a implementação de programas entre os jovens para que lidem com o estresse; e a identificação precoce, gerenciamento e acompanhamento de pessoas em risco de suicídio.

Mas a estratégia mais eficaz tem sido restringir o acesso a armas de fogo e, especialmente, aos pesticidas. Outro relatório, também lançado ontem, fala especificamente disso, apresentando evidências crescentes de que a regulação para proibir o uso de pesticidas altamente perigosos pode levar a reduções nas taxas nacionais de suicídio. No Sri Lanka, uma série de proibições nesse sentido está associada a uma queda de 70% nas mortes entre 1995 e 2015.

O primeiro documento afirma que cerca de 800 mil pessoas se suicidam a cada ano no mundo, o que dá uma a cada 40 segundos. Essa já é a segunda principal causa de morte de jovens entre 25 e 29 anos, só atrás de acidentes de trânsito. Entre adolescentes de 15 a 19 anos, também é a segunda principal causa entre meninas e a terceira entre meninos. Nos países de alta renda, o problema é maior. Neles, a taxa de suicídios é em média 11,5 por cada 100 mil habitantes (sendo que a taxa global é 10,5/100 mil). Nas nações ricas, quase três vezes mais homens morrem por suicídio do que mulheres – mas, nos de baixa renda, não há muita diferença entre sexos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A redução da taxa de suicídios e a proibição do uso de pesticidas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV