Em 13 anos, as áreas suscetíveis à desertificação no Semiárido são agora quase desérticas e ocupam 13% da região

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS
  • “A capacidade de constituição de novos horizontes da esquerda brasileira, hoje, é nula”. Entrevista com Vladimir Safatle

    LER MAIS
  • Depressão vertiginosa que o Brasil atravessa também é herança da esquerda, diz Le Monde

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Setembro 2019

Em 2006, no Semiárido havia áreas suscetíveis à desertificação. Eram 6 núcleos - Cabrobó (PE), Gilbués (PI), Inhamus (CE), Irauçuba (CE), Jaguaribe (CE) e Seridó (PB e RN) - que foram divulgados no Plano Nacional sobre Mudança do Clima, o PAN da Desertificação. Hoje, esses núcleos agravaram em muito a situação de degradação e se tornaram o epicentro das áreas quase desérticas do Semiárido que passaram a existir em pouco mais de uma década. No total, o Semiárido tem hoje 13% do seu território classificada como quase desértica.

É o que apontou o Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélite (Lapis), ligado à Universidade Federal de Alagoas (Ufal). "O total que a gente chegou de áreas de todo o Semiárido brasileiro, incluindo o Norte de Minas Gerais, está em torno de 13% de áreas quase desérticas, que estão em níveis de degradação muito alto. Mas existem outros níveis intermediários que estão acelerando em função do uso da terra, das secas, em função da ocupação do solo", assegura Humberto Barbosa, coordenador do Lapis, que coordena um sistema de recepção de dados em tempo real e tem a capacidade de gerar informações da cobertura vegetal na frequência diária. O monitoramento da cobertura vegetal é o principal indicador de degradação ambiental utilizado pela Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (UNCCD).

 Imagem de satélite de agosto passado que demonstra a umidade do semiárido | Fonte: Divulgação Lapis 

Em julho passado, o Lapis divulgou este dado alarmante, mas houve pouca repercussão nos veículos de comunicação. Talvez, esse fato seja só mais uma prova da pouca importância que a região semiárida, o bioma Caatinga e as famílias que vivem nele têm para o Brasil. Um ecossistema que, em tempos de alterações climáticas mundiais, tem muito a ensinar no quesito produção de alimentos em condições de pouca água e alta temperatura.

Na entrevista abaixo, o professor Barbosa, com formação em meteorologia, mestrado em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e doutorado em Solo, Água e Ciências Ambientais pela Universidade do Arizona, discorre sobre as principais vulnerabilidades do Semiárido, em diversas dimensões, que contribuem para a ampliação da degradação a passos largos.

Segundo o professor, tais vulnerabilidades são alimentadas pela ausência de políticas públicas direcionadas para minimizar este processo de degradação. "Políticas públicas não podem ser implementadas se você não tem informações. Pelo menos de conter o desmatamento sem saber quais são as taxas, em que ano esse desmatamento tem acontecido. Então, as áreas suscetíveis, as áreas degradadas que a gente destacou mais recentemente é mais em função de falta de políticas públicas para conter este desmatamento no Semiárido".

Na entrevista, o coordenador do Lapis também lança um olhar específico para a condição da mulher nos territórios que estão se tornando inférteis e impróprios à vida. Esta questão mereceu destaque no recente relatório do IPCC, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas que busca compreender as mudanças climáticas em curso e conta com cientistas e especialistas do mundo todo.

Neste relatório lançado há dois meses em Genebra na versão direcionada para os formuladores de políticas públicas de todo o mundo, o professor Barbosa coordenou uma equipe internacional e multidisciplinar de pesquisadores para a elaboração do capítulo sobre degradação da Terra. "Foi a primeira vez que o IPCC colocava a questão da superfície terrestre nas emissões. Qual era a contribuição da superfície terrestre nas emissões, principalmente, do metano, do óxido nitroso e do CO2 indiretamente?", disse ele.

Nascido no interior da Paraíba, com avós sertanejos e uma influência fortíssima de um de seus avós, considerado por ele como "ambientalista por preservar muito a cobertura vegetal no sítio", o professor Barbosa explicou, de forma didática, como se dá o ciclo de degradação. Tudo começa com o desmatamento, hoje em dia, intensificado pela produção de biomassa, agronegócio e criação de animais de grande porte, como os bovinos, em áreas pequenas.

O relato do pesquisador Humberto Barbosa acerca da vulnerabilidade do semiárido foi feito à Verônica Pragana, publicado por Articulação do Semiárido - ASA, 05-09-2019.

Eis o relato.

2006: áreas vulneráveis à desertificação

Primeiro, a gente participou do PAN de desertificação [Plano Nacional sobre Mudança do Clima], que foi uma ação do governo federal com estados e com agências de Estados pra monitorar essas áreas de desertificação.

Até então, eram cinco núcleos de desertificação espalhados pelo Semiárido e havia interesse do Governo Federal de implementar um sistema precoce de monitoramento de seca, de desertificação e de áreas degradadas.

Até 2006, esse plano serviu como referência para mapeamento das áreas de desertificação. Porém não houve sequência, outras ações para complementar o mapeamento dessas áreas degradadas ou suscetíveis à desertificação. Daí a gente começou tomar a decisão de dar sequência, de continuar mapeando, buscando outras informações.

A partir de 2006, nós começamos a perceber que as áreas do entorno dos núcleos de desertificação começaram a ampliar a degradação neste entorno. A gente começou a melhorar a metodologia, começamos a colocar níveis de degradação, colocamos três níveis. Não eram níveis de suscetibilidade, eram níveis mesmo de degradação a partir da cobertura vegetal.

A UNCCD, que é a Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, tinha a cobertura vegetal como o único indicador das áreas degradadas. Então, a cobertura era a principal métrica pra dizer se a área estava degradada.

A gente adotou isso também, olhando primeiro a cobertura vegetal ao longo tempo, desenvolvendo metodologia para saber. A gente classificou em três níveis, o nível 3 é o que a gente chama de quase deserto, aquela região que está no nível mais alto de degradação e que coincide com os núcleos de desertificação que o PAN de 2006 mapeou e redefiniu como núcleos de desertificação.

2019: 13% de área quase desértica no Semiárido

O total que a gente chegou de áreas de todo o Semiárido brasileiro, inclui o Norte de Minas Gerais, está em torno de 13% de áreas quase desérticas, que estão em níveis de degradação muito alto. Mas existem outros níveis intermediários que estão acelerando em função do uso da terra, das secas, em função da ocupação do solo.

A gente tem uma área, por exemplo, se você pegar o Seridó, que se estende pelo Cariri paraibano e ainda pega parte do Rio Grande do Norte, é uma das áreas que você tem ocupação humana, você tem a produção de serviço para o rebanho leiteiro, É uma área bastante rica no sentido de ter uma produção econômica mas é uma área extremamente degradada nos últimos anos e que as secas e o processo de degradação, de desmatamento e de empobrecimento ali também têm aumentado nos últimos anos.

Primeira vulnerabilidade do Semiárido: a desertificação

O que a gente tem percebido hoje de vulnerabilidade do Semiárido brasileiro, a gente classifica em seis tipos de vulnerabilidades. E, a maior delas ou uma das principais, é a desertificação. A desertificação tem um processo em resposta a vários outros processos que ocorrem no uso da terra.

Hoje, o processo de degradação é muito ligado, principalmente, ao desmatamento da Caatinga. Esse desmatamento ocorre principalmente para a produção de biomassa para gerar energia e a gente tá falando do carvão que vai alimentar as padarias e outros setores produtivos.

Some-se a isso as secas. A gente teve [seca] desde 2011, embora na literatura comece em 2012, mas a gente já tinha percebido sinais de variações de precipitação, ou seja, o regime de chuva abaixo da média, a partir de 2011 até 2016, início de 2017, olhando isso de uma forma mais generalizada.

Então foram quase seis a sete anos consecutivos, seis anos de algumas regiões, até sete anos em algumas áreas do Semiárido, onde a seca foi muito intensa e consecutiva.

A gente não tinha visto um registro de seca que tivesse a intensidade e a permanência dela e isso foi o fator também muito acelerador dessas áreas degradadas.

2012 foi um momento em que a Caatinga teve um momento muito crítico em função não só do uso da terra - desmatamento, queimadas, superpastoreio mas, em cima disso, a ação climática natural. As secas extremas aceleraram os processos. A gente fez um mapeamento em 2012/2013 e percebeu que as áreas aumentaram em uma taxa muito mais intensa do que a gente tinha visto nos outros anos.

Degradação nos estados

Em média, botando a degradação como um todo, colocando todos os níveis, a gente está numa escala média de 23% de todos os estados, incluindo uma parte do Norte de Minas Gerais. Mas, no Nordeste, está em torno de 23% a 27% de áreas degradadas.

Se a gente pegar Alagoas e somar os níveis de degradação, vamos para um nível de 23% a 25%, o que é alto. Quando eu cheguei aqui, há 10 anos, eu comecei a perceber uma mudança no sertão de áreas [degradadas] aumentando. A gente via muito na Paraíba, Pernambuco, Ceará, naqueles estados onde as secas são muito mais intensas, onde o processo de ocupação acontece com mais intensidade.

Foi um dos primeiros sinais que mais me chamou atenção. Quando eu comecei a mapear, foi como Alagoas nos últimos anos, no Sertão alagoano, bem no centro do mapa de Alagoas, tem áreas com processo de degradação muito alto, alguns já chegando quase no último nível. O que foi a nossa grande surpresa. Porque Sergipe e Alagoas eram estados que a gente olhava a degradação no nível baixo, médio em função de secas, em função da ocupação, isto tudo tem acelerado o processo.

Degradação e IDH

Houve uma preocupação nossa também, mais aqui em Alagoas, de estabelecer as áreas que a gente mapeou de áreas degradadas com o Índice de Desenvolvimento Humano. Não foi nenhuma surpresa que as áreas mais degradadas havia uma correlação alta com os dados censitários do IBGE de índice de desenvolvimento baixo. Então isso também nos preocupou.

A gente queria aprofundar mais isso com os dados censitários socioeconômicos embora para o IBGE não tem essa alta frequência. A escala é municipal, a gente estava trabalhando em uma escala menor do que a do município. Esses são gargalos que a gente espera que nos próximos anos possamos aperfeiçoar e envolver mais a questão socioeconômica.

Mulher, mudanças climáticas e a degradação ambiental

O que a gente tem mais chamado atenção agora, assumindo o papel como líder autor de uma publicação sobre a degradação da terra pelo IPCC, é a questão de gênero nas regiões degradadas. As mulheres e os jovens são os mais impactados pelas mudanças climáticas, mas também na degradação.

Elas estão nesta região e os homens terminam migrando, mas tem um ponto fundamental que a gente levantou nas referências bibliográficas: elas têm pouco papel na tomada de decisão da terra.

A terra ainda é muito machista, ainda está ligada à decisão do homem: a venda, o conhecimento, a formação técnica é muito colocada para o homem, esquece que a mulher está ali na situação de seca extrema ou alguma situação desfavorável que o homem larga aquela terra mas muita dessas mulheres permanecem.

Mas a transferência de conhecimento ainda é feito para o homem. A decisão sobre a terra é do homem: vou vendê-la, vou buscar conhecimento... é muito centrada no homem. Na verdade já existem algumas áreas fora da América Latina que as mulheres detém um conhecimento e elas foram treinadas exatamente para que elas pudessem, na tomada de decisão, serem mais favorecidas.

O problema não é só elas ficarem com o com problema. É como elas estão preparados para lidar com o problema. Porque elas não têm a tomada de decisão, elas não têm o conhecimento e as variações climáticas extremas e o uso do solo estão deixando essas terras improdutivas. Então, se ela depende da sua subsistência dessa área, ela vai ter que a migrar para outras áreas.

O conhecimento tem que ser melhor direcionado para a questão do problema. Nesta questão, a mulher é a solução.

Políticas públicas

Até 2006, o governo federal reconhece o PAN de 2006 - de mapeamento de área suscetíveis à desertificação - como uma ação. Uma ação governamental oficial porém depois a gente percebeu que esse mapeamento começou a ser feito independente por agências governamentais com metodologias que não eram equalizados. Cada um dava uma metodologia diferente para mapear essas áreas suscetíveis à desertificação após o PAN de 2006.

Aí, essas iniciativas individuais do IBAMA e outros órgãos governamentais já não tinham esse respaldo oficial de uma ação governamental e as metodologias eram as divergentes e os números também começaram a ficar divergentes. Esse fez com que o governo federal, principalmente em 2012 quando estava numa boa situação econômica e o país tinha reuniões e tratados e acordos internacionais, havia um desconforto do governo federal na questão do Semiárido porque a gente não tinha informações oficiais de qual era o desmatamento, quais eram as taxas de desmatamento do Semiárido.

Tinha as taxas de desmatamento da Amazônia, através do Prodes [realiza o monitoramento por satélites do desmatamento por corte raso na Amazônia Legal e produz as taxas anuais de desmatamento na região, que são usadas pelo governo brasileiro para o estabelecimento de políticas públicas], do Inpe que desenvolveu uma metodologia desde 1988. A gente não tinha, não tem isso do Semiárido, nem por alguma agência.

A gente não tem uma série de informações sobre qual é o desmatamento na região semiárida brasileira. Políticas públicas não podem ser implementadas se você não tem informações. Pelo menos de conter o desmatamento sem saber quais são as taxas, em que ano esse desmatamento tem acontecido. Então, as áreas suscetíveis, as áreas degradadas que a gente destacou mais recentemente é mais em função de falta de políticas publicas para conter este desmatamento no Semiárido. Lembrando que 30% da matriz energética vem da biomassa, da lenha que é tirada da da Caatinga. É o que a gente vê de consenso entre alguns órgãos estaduais, agências, em média 30% da energia do Nordeste vem da Caatinga.

Então, as regiões semiáridas, embora tenham um fórum político que é a UNCCD, que é o orgão das convenções de combate à seca, não despertou para políticas públicas se a gente comparar com a Amazônia, que têm tratamento completamente diferenciado se a gente olhar para políticas públicas nacionais e internacionais.

Se a gente olhar em termos de fragilidades, não só socioeconômica, mas climática, hoje o Semiárido é o que mais é impactado. Porém políticas públicas hoje se você ver e abrir as manchetes dos jornais são tudo direcionados para a Amazônia. Não que não seja importante, mas não podemos esquecer que outros ecossistemas no Brasil estão em altíssima condição de vulnerabilidade por falta de clareza de como vai ser o monitoramento, pra que isso baseie decisões municipais, estaduais e do Governo Federal.

Desmatamento e degradação no espaço urbano

A questão da degradação não é só rural no sentido de que o rural hoje é bem diferente do que era há 40, 50 anos mas é também urbano, não pode esquecer que esse uso e ocupação urbano, ele é em função de um desmatamento, de uma ocupação irregular, que as pessoas do campo vieram para essas áreas e se tornaram refém desta situação socioeconômica.

Na maior parte das cidades brasileiras, essas áreas de risco estão localizadas em áreas vulneráveis, são áreas de montanha, de encostas, porque foi devastada a vegetação e foi criada uma estrutura de habitação que não era adequada para isso. Também é uma degradação e uma degradação de origem do desmatamento. Você teve a ocupação indevida daquela área para suprir uma carência habitacional.

O primeiro passo é retirar a vegetação...

O processo começa quando removo a vegetação, essa vegetação já começa a influenciar nas condições de clima. A umidade da vegetação faz com que você harmonize aquela área. Com a vegetação, dá um certo equilíbrio ecológico. Você remove essa vegetação aí você já começa a alterar na umidade, na temperatura dessas superfícies. As chuvas já começam a não se distribuir igualmente, ficarem mais fortes em algumas áreas que a gente chama de enxurrada.

Essa intensidade, esses pulsos de chuvas aumentam em algumas áreas mais do que outras e esses pulsos começam arrastar o que a gente chama de nutrientes desse solo, que já é um solo, de certa forma, impactado pelas condições de Semiárido e se remove esses primeiros nutrientes. Outras chuvas vão vindo e as temperaturas vão aumentando.

Então você começa também a fazer com que o lençol freático altere a localização. A evaporação desse lençol freático vai criando uma pequena camada, que a gente chama de sais, que vão ficando em cima da crosta do solo. Na próxima chuva, a água não percola. Então, você começa a gerar erosão. Tudo isso são os processos que acelera a degradação e desertificação. Naquele solo pode chover, mas ele não responde.

Além disso, nos últimos anos, o processo de desmatamento se soma à queimada e ao superpastoreio, que é quando você começa a criar animais de grande porte em áreas pequenas. O problema não é criar animais, o problema é a quantidade de animais numa área pequena e eles vão compactando o solo, degradando esse solo.

Com isso, você acelera o processo de perda de nutrientes. Porque o solo é uma coisa viva, a gente sempre acha que é a vegetação, mas o solo tem nutrientes e micro-organismos que precisam desta vegetação para ter equilíbrio ecológico.

À medida em que a gente tira essa vegetação, a insolação que é muito alta na região Nordeste do Brasil aumenta esta temperatura e os nutrientes morrem. A gente chegou, há dois anos, a medir a umidade do solo no sertão de Alagoas e eu cheguei a pegar temperatura de 50º com termômetro de solo, queimava a minha mão. E não há pequenos organismos que sobrevivam por 50-60º Celsius.

Contribuição do agronegócio

A retirada da vegetação típica, nos últimos anos, [também acontece] pela ocupação, pelo uso, pelo aumento da população. Isso é uma outra questão. Sempre uso essa referência. Há um século éramos dois bilhões, um pouquinho mais. Hoje somos sete bilhões. E, em 2050, que não tá muito longe, seremos nove bilhões. Ou seja, o número de boquinhas para alimentar tem aumentado e isso traz também uma certa demanda, uma pressão para intensificação da agricultura, que é um outro ponto que também tem feito que a degradação aumente. Essas áreas desmatadas algumas delas são também utilizadas na agricultura para a produção de alimentos.

A agricultura nossa, no geral, não é sustentável não só pelos fertilizantes, mas pela forma como é a produção de alimentos. Quando as monoculturas são instaladas não tem problemas, mas como o passar do tempo ela começa a extrair um dos nutrientes. A cana-de-açúcar, por exemplo, começa a extrair um determinado nutriente e os demais começam a se exceder e isso vai empobrecendo aquele solo. Esse é um dos problemas, além de algumas delas ter um consumo de água muito alto.

Tem a questão da monocultura para gerar energia, no momento em que a gente tem uma população crescendo, quando a segurança alimentar vai ser decisiva porque você vai ter condições climáticas menos favoráveis a esta agricultura.

Você transformar [o cultivo] em energia é uma questão ética e uma questão também de políticas públicas de como a nossa alimentação vai trazer estas questões de como pegar a cana-de-açúcar para produzir energia. Isso a curto prazo é extremamente rentável economicamente e não tem ainda impacto nas emissões mas, daqui a 50 anos, eu não sei se o modelo tecnológico que a gente tá adotando para transformar a cana-de-açúcar em etanol se vai ser possível em face das alterações climáticas e em face da segurança alimentar e da ética. Em países como a China não se permite você extrair energia de milho, da cana-de-açúcar.

A Caatinga, único ecossistema adaptado às variações climáticas

O código genético da Caatinga tem uma informação que, certamente, precisa ser melhor explorado que é a informação de como essa vegetação se adaptou - essa palavra adaptação é muito importante - a esses extremos de clima.

Você tem um ecossistema aqui no Brasil que, há séculos, vem na adaptação destas variações de secas, que sempre tiveram, sempre foram recorrentes, desde o tempo de D Pedro II.

Ela tem uma informação genética e como essa informação pode ajudar a agricultura que vai ser desafiada porque as alterações climáticas vão trazer menos chuvas, mais altas temperaturas, isso a gente não está falando do Semiárido, tá falando da região centro-sul. E quem melhor se adaptou em termos vegetativos foi a Caatinga, não tem outro ecossistema que tenha enfrentado essas variações climáticas naturais e, agora, antrópicas, se não a Caatinga.

Então destruir a Caatinga é perder esta informação genética de como ela se adaptou, o que fez algumas espécies se adaptarem tanto às transformações tão bruscas e ela continuar ali ainda resistindo.

Quando falamos do conhecimento, esta região semiárida é uma área muito vulnerável. A gente não sabe as áreas onde estas espécies estão suportando melhor estas condições de variações climáticas ou que espécies poderiam estar ajudando a gente a entender e adaptar outras cultivares, principalmente, com a questão da agricultura resistente a baixo volume de chuvas e a altas temperaturas.

Vulnerabilidade institucional

A outra vulnerabilidade é institucional. As nossas agências governamentais, estaduais, todas estas agências que estão na região semiárida brasileira elas são muito vulneráveis, ainda não conseguem atender a necessidade que, nas próximas décadas, de como essa população retirar a sua sobrevivência desse solo que está em condição degradada, que tem alterações climáticas, ou seja, diminuição das chuvas, vários problemas que você precisa ter transferência de capacitação técnica que agências locais teriam que estar fazendo isso.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em 13 anos, as áreas suscetíveis à desertificação no Semiárido são agora quase desérticas e ocupam 13% da região - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV