Pare a guerra contra os zapatistas e os povos indígenas do México, pede manifesto

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O coronavírus é um pedagogo cruel”. Entrevista com Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • Religião remixada

    LER MAIS
  • A universidade pós-pandêmica. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Junho 2019

“O mundo está observando com olhos e coração o que acontece no México e em Chiapas. Pare a guerra contra os zapatistas e os povos indígenas do México!”, manifestam-se diversos apoiadores dos zapatistas no mundo e no México.

O manifesto é publicado por Rebelión, 18-06-2019. A tradução é do Cepat.

Eis o manifesto.

A quem ainda esteja disposto a escutar:

Esta é uma mensagem de preocupação com a vida, com a dignidade. Nós, que assinamos esta carta, estamos preocupados com o que está acontecendo, novamente, naquele rincão esquecido do sudeste mexicano, que se tornou o coração da esperança e a rebeldia, Chiapas.

Este não é um manifesto ideológico, nem uma declaração de posição frente às mudanças políticas que estão ocorrendo no México, é uma mensagem de genuína preocupação com o que se sente que se avizinha a esse local que, após 25 anos, 500 anos, segue resistindo ao extermínio e esquecimento. Preocupamo-nos com aqueles que durante um quarto de século lutaram por sua autonomia, que puseram a dignidade acima do pragmatismo político, que foram um exemplo de liberdade em um mundo encadeado pelo medo, preocupamo-nos com os zapatistas.

Preocupamo-nos ficar sabendo da crescente atividade militar nos territórios das comunidades zapatistas. Vemos que em meio à complexa situação de segurança que vive o México, o caminho da militarização do país esteja ganhando mais força ainda. É um sinal de alerta que sob a muito questionada estratégia em torno da Guarda Nacional, esta seja, assim como ocorreu tantas vezes, uma força de “segurança” que não distinga entre crime e resistência, entre crueldade e digna rebeldia. É contraditório que quando os dados do próprio Governo do México apontam que a região zapatista está entre as de menor índice de criminalidade, a estratégia de segurança se dirija de maneira ameaçadora a essas regiões, que são dos poucos santuários de liberdade e segurança para o México de baixo. Isso mais que uma estratégia de segurança, parece uma estratégia de guerra.

Embora entre os assinantes sejamos um conjunto diverso de pessoas que podem ver a administração de Andrés Manuel López Obrador com esperança ou ceticismo, todos somos pessoas que sonhamos com um Mundo diferente, melhor. Nós, que nos somamos a estas palavras, acreditamos que uma mudança no México não pode ocorrer sob uma sombra de pragmatismo político, cedendo a pressões que levam ao autoritarismo, ao despojo e à violência em benefício do 1%, nem com a desqualificação de vozes críticas que com sua autenticidade e consistência ganharam o respeito do mundo.

Vemos um processo crescente de hostilidade às resistências autênticas, históricas e legítimas que se opõem a projetos como o Trem Maia, o Corredor Transístmico e o Plano Integral Morelos, entre outros. Preocupamo-nos ficar sabendo dos recentes assassinatos de integrantes do Conselho Nacional Indígena e do Conselho Indígena de Governo.

Preocupa-nos a possibilidade de que esta nova administração, como seus antecessores, liberais e conservadores, novamente marginalize os povos indígenas à beira do extermínio.

O mundo está observando com olhos e coração o que acontece no México e em Chiapas. Pare a guerra contra os zapatistas e os povos indígenas do México!

Assinantes internacionais

Noam Chomsky
Arundhati Roy
Boaventura De Sousa Santos
Raúl Zibechi
Yvon Le Bot
Michael Hardt
Oscar Olivera
Hugo Blanco Galdós
Jasmin Hristov
Joe Foweraker
Eric Toussaint
Michael Löwy
Carlos Taibo
Pedro Brieger
Manuel Rozental
Mauricio Acosta
Vilma Almendra
Nicolás Falcoff
Guillermina Acosta
Iosu Perales
Philippe Corcuff (professor de ciência política, Lion, França)
Enzo Traverso (Susan and Barton Winokur, Professor de Humanidades,
Cornell University)
Mikel Noval (Eusko Langileen Alkartasuna- Solidariedade dos Trabalhadores Bascos – ELA)
Manuel Gari Ramos (membro da Coordenação Confederativa de Anticapitalistas)
Francisco Louçã (Economista, membro do Conselho de Estado, Portugal)
Leo Gabriel (Membro do Conselho Internacional do Fórum Social Mundial)
Pierre Galand (Senador honorário, ex-secretário geral da Oxfam Bélgica)
Alberto Acosta (Ex-presidente da Assembleia Constituinte, Equador)
Miguel Urbán (eurodeputado)
Raúl Camargo (ex-deputado da Assembleia da Comunidade de Madri)
José María González “Kichi” (Prefeito da cidade de Cádiz)
José Luis Cano (deputado do Parlamento de Andaluzia)
Marco Bersani (porta-voz de ATTAC ITALIA)
Tomas Astelarra (jornalista, Argentina)
Derly Constanza Cuetia Dagua (Indígena Nasa, Povos a Caminho)
Antonio Moscato (Universidade do Salento Lecce -Itália)
Jaime Pastor (editora Viento Sur)
Aldo Zanchetta (jornalista freelance, Lucca -Itália)
Miren Odriozola Uzcudun (País Basco)
Kepa Bilbao Ariztimuño (professor)
Rogério Haesbaert (geógrafo e professor das universidades Federal Fluminense e de Buenos Aires)
Gilbert Achcar (Professor na SOAS, Universidade de Londres)
Antonio Moscato (Itália)
Virginia Vargas Valente (Peru)
Rommy Arce (ex-conselheira do Ajuntamento de Madri)
Josu Egireun (Redação Viento Sur)
Mariana Sanchez (sindicalista, França)
Jorge Costa (deputado do Bloco de Esquerda no parlamento de Portugal)
Franck Gaudichaud (Catedrático, Universidade Toulouse Jean Jaurés, França / Membro do conselho editorial de Rebelion.org)
Arturo Escobar (Professor de antropologia emérito, U de Carolina do Norte, Chapel Hill)
Olga Luisa Salanueva (Diretora, Mestre em Sociologia Jurídica UNLP, Argentina)
José Murillo Mateos
Hilda Imas
Jorge Ignacio Smokvina
Hernan Parra Castro (Presidente do Comitê Executivo Nacional FENASIBANCOL)
William Gaviria Ocampo (Comitê Executivo NACIONAL FENASIBANCOL)
César Augusto Cárdenas Ávila (Secretário Geral C.E.N. FENASIBANCOL)
Detlef R. Kehrmann
Camille Chalmers (PAPDA - Haiti)
José Angel Quintero Weir (Organização Wainjirawa para a Educação Própria -Venezuela)
Vanda Ianowski (Docente da Universidade Nacional de Comahue, Río Negro Argentina)
Maria Adele Cozzi (Itália)
Luis Martínez Andrade (chercheur post-doctoral Collège d'études mondiales/Fondation Maison des Sciences de l'homme)
Roberto Bugliani (Itália)
Juanca Giles Macedo (Peru)
Joxe iriarte "Bikila" (Escritor e militante de Alternativa e EHBILDU, Euskal Herria- estado Espanhol)

Assinantes do México

Juan Villoro
Ely Guerra
Oscar Chávez
Francisco Barrios “El Mastuerzo”
Márgara Millán
Juan Carlos Rulfo
Jean Robert
Javier Sicilia
Luis de Tavira
Gilberto López y Rivas
Jorge Alonso
Paulina Fernández Christlieb
Eduardo Matos Moctezuma
Isolda Osorio
Raúl Delgado Wise
Alicia Castellanos Guerrero
Sylvia Marcos
Carolina Coppel
Mercedes Olivera (CESMECA-UNICACH)
Carlos López Beltrán
Magdalena Gómez
Rosalva Aída Hernández
Bárbara Zamora
Beatriz Aurora
Néstor Quiñones
Fernanda Navarro
Alejando Varas
Raúl Romero (Sociólogo, UNAM)
Marta De Cea
Servando Gajá
Rosa Albina Garavito Elías
Eduardo Almeida Acosta
Ma. Eugenia Sánchez Díaz de Rivera
Ana Lidya Flores Marín
John Holloway
Sergio Tischler
Fernando Matamoros
Gustavo Esteva
José Luis San Miguel
Lucía Linsalatta
Paulino Alvarado
Peter Joseph Winkel Ninteman
Isis Samaniego
Mayra I Terrones Medina (Professora e pesquisadora, UAM Xochimilco)
Carolina Concepcion González González (professora e pesquisadora da Universidade Autónoma de Baja California Sur)
José Javier Contreras Vizcaino (Estudante - Doutorado em Sociologia ICSyH-BUAP)
Mayleth Alejandra Zamora Echegollen (Estudante - Doutorado em Sociologia ICSyH-BUAP)
Mayleth Echegollen Guzmán (Professora e pesquisadora – BUAP)
Rene Olvera Salinas (professor da UPN e UAQ, Querétaro, México).
Rogelio Regalado Mujica (Instituto de Ciências Jurídicas de Puebla)
Edgard Sánchez (membro da direção do Partido Revolucionário dos Trabalhadores)
Karla Sánchez Félix (filósofa)
Estefania Avalos Palacios (antropóloga)
Francisco Javier Gómez Carpinteiro
Ana María Verá Smith
Rodolfo Suáres Molnar (UAM- Cuajimalpa)
Álvaro J. Peláez Cedrés (UAM-Cuajimalpa)
Mara Muñoz Galván (Observatório de Justiça e Direitos Humanos de Mulheres e Crianças)
Aline Zárate Santiago (Coletivo Libertação Ixtepecana)
Alejandra Ramìrez Gaytán (Desempregada e em ocupação alternativa)
Ita del Cielo (socióloga)
Gabriela Di Lauro
David Rodríguez Altamirano
Byron Eduardo Lechuga Arriaga
Carolina Martínez de la Peña
María del Pilar Muñoz Lozano
Juan Jerónimo Lemus
Cecilia Zeledón
Ana Laura Suárez Lima
Lilia García Torres
Iliana Vázquez López
Silvia Coca
Katia Rodríguez
Pilar Salazar
Miguel López Girón
Rogelio Mascorro
Alexia Dosal
Edith González
Priscila Tercero
David Hernández
Roberto Giordano Longoni Martínez
Renata Carvajal Bretón
Beleguí Rasgado Malo
Mario Hernández Pedroza
Monserrat Rueda Becerril
Erika Sánchez Cruz
Jannú Ricardo Casanova Moreno
Marisol Delgado
Alejandro Gracida Rodríguez
Ariadna Flores Hernández
Tamara San Miguel
Eduardo Almeida Sánchez

Organizações

Rede Europa Zapatista
Confederação Geral do Trabalho (Estado Espanhol)
Union syndicale Solidaires, França
txiapasEKIN (Euskal Herria – País Basco)
Centro de Documentação sobre Zapatismo (CEDOZ) (Estado Espanhol)
Assembleia de Solidariedade com México (País Valência, Estado Espanhol)
Humanrights - Chiapas (Zurique, Suíça)
Comitato Chiapas "Maribel" (Bergamo, Itália)
Y Retiemble! Espaço de apoio ao Congresso Nacional Indígena de Madri (Estado Espanhol)
Mutz vitz 13 (Marselha, França)
Associação solidária Cafè Rebeldía-Infoespai (Barcelona-Catalunha)
Adherentes a la sexta (Barcelona, Catalunha)
Ya Basta! Moltitudia Roma" (Itália)
Cooperazione Rebelde (Napoli, Itália)
Espoir Chiapas - Esperanza Chiapas (França)
Manchester Zapatista Collective (Reino Unido)
ASSI (Ação Social Sindical Internacionalista)
Povos a Caminho (Colômbia)
A Insurgência do Caracol (Argentina)
FM La Tribu (Buenos Aires, Argentina)
Rádio El grito (Córdoba, Argentina)
Rede de Solidaridade com Chiapas de Buenos Aires (Argentina)
Federação Nacional de Sindicatos Bancários Colombianos "FENASIBANCOL" (Colômbia)
Rede Contra a Repressão e pela Solidariedade (México)
Unidade Operária e Socialista – ¡UNÍOS! (México)
União de Moradores e Danificados “19 de setembro” (México)
Editora Redez (México)
Desenvolvimento e Aprendizagem Solidária (México)
Coletivo Detonação Puebla (México)
Edito En cortito que´s pa´largo (Querétaro, México).
Uniterra Puebla (México)
Universidade da Terra em Oaxaca (México)
Centro de Encontros e Diálogos Interculturais (México)
Tianguis Alternativo de Puebla (México)
Comissão Takachiualis de Direitos Humanos (México)
Nodo de Derechos Humanos (México)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pare a guerra contra os zapatistas e os povos indígenas do México, pede manifesto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV