O Espírito é de todos

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Junho 2019

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo João 20,19-23 que corresponde à Solenidade do Pentecostes ciclo C, do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto. 

Ouça a leitura do Evangelho:

Eis o texto

A nossa vida é feita de múltiplas experiências. Satisfação e decepções, conquistas e fracassos, luzes e sombras entrelaçam na nossa vida diária, enchendo-nos de vida ou sobrecarregando o nosso coração.

Mas com frequência não somos capazes de perceber tudo o que há em nós mesmos. O que captamos com a nossa consciência é apenas uma pequena ilha no mar muito mais amplo e profundo da nossa vida. Por vezes nos escapa, inclusive, o mais essencial e decisivo.

No seu precioso livro Experiência Espiritual, K. Rahner recorda-nos com vigor essa “experiência” radicalmente diferente que se dá sempre em nós, embora passe muitas vezes despercebida: a presença viva do Espírito de Deus que trabalha dentro de nosso ser.

Uma experiência que permanece, quase sempre, encoberta por muitas outras que ocupam nosso tempo e a nossa atenção. Uma presença que fica como reprimida e oculta sob outras impressões e preocupações que se apoderam do nosso coração.

Quase sempre nos parece que o grande e o gratuito devem ser sempre algo pouco frequente, mas, quando se trata de Deus, não é assim. Em certos setores do cristianismo houve uma tendência a considerar essa presença viva do Espírito como algo mais reservado a pessoas escolhidas e selecionadas. Uma experiência mais apropriada para crentes privilegiados.

Rahner recordou-nos que o Espírito de Deus está sempre vivo no coração do ser humano, pois o Espírito é simplesmente a comunicação do mesmo Deus no mais íntimo da nossa existência. Esse Espírito de Deus se comunica e se dá até mesmo onde aparentemente nada acontece. Ali onde se aceita a vida e se cumpre com simplicidade a obrigação pesada de cada dia.

O Espírito de Deus continua trabalhando silenciosamente no coração das pessoas comuns e simples, em contraste com o orgulho e as pretensões daqueles que se sentem na posse do Espírito.

A festa de Pentecostes é um convite para procurar a presença do Espírito de Deus em todos nós, não para apresentá-lo como um troféu que temos em relação aos outros que não foram escolhidos, mas para acolher a esse Deus que está na origem de toda a vida, por menor e pobre que nos possa parecer.

O Espírito de Deus pertence a todos, porque o amor imenso de Deus não pode esquecer nenhuma lágrima, nenhum lamento nem esperança que brota do coração de seus filhos e filhas.

Leia mais:

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Espírito é de todos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV