Papa volta a Nápoles para um congresso dos jesuítas sobre a teologia no Mediterrâneo

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • O Sínodo nos ajuda a entender que a solução não está no Direito Canônico, mas na profecia

    LER MAIS
  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Fevereiro 2019

A visita de 2015 foi histórica, entre a denúncia da corrupção que “fede” pronunciada na praça de Scampia, encruzilhada de narcotráfico e criminalidade, e o “assalto” das irmãs de clausura em Duomo, até os convites à calma do cardeal Sepe. O Papa Francisco decidiu voltar a Nápoles no próximo dia 21 de junho de 2019. No entanto, desta vez Bergoglio não visitará a arquidiocese, como fez há quatro anos, mas participará no segundo dia do congresso organizado pela Faculdade de Teologia da Itália Meridional – Seção São Luís, da Companhia de Jesus. O tema do evento, além da intervenção do Pontífice, é “A teologia depois de Veritatis gaudium no contexto do Mediterrâneo”.

A informação é de Francesco Peloso, publicada por Vatican Insider, 11-02-2019. A tradução é de Graziela Wolfart.

A notícia da viagem do Papa (que já havia começado a circular pela manhã em Nápoles) foi confirmada pelo diretor interino da Sala de Imprensa Vaticana, Alessandro Gisotti, com uma nota publicada ao meio dia, na qual inclui o programa desta nova visita relâmpago. O Papa chegará às 9h da manhã à Nápoles, onde será recebido, entre outros, pelo cardeal arcebispo Crescenzio Sepe, grão-chanceler da Faculdade, pelo bispo de Nola, dom Francesco Marino, e pelo prepósito geral da Companhia de Jesus, padre Arturo Sosa Abascal.

A sessão pública será realizada na praça que se encontra em frente à Faculdade. O Papa pronunciará seu discurso antes do almoço; imediatamente depois será apresentado o documento sobre a “Fraternidade humana”, assinado em Abu Dhabi no último dia 4 de fevereiro junto com o Grão Imam de al-Azhar. O texto será entregue à faculdade para que seja objeto de estudo por parte dos alunos, exatamente como pediu o próprio Francisco durante a viagem de volta dos Emirados Árabes Unidos.

No final do encontro, o Papa saudará os professores e as comunidades dos jesuítas, nas salas vizinhas. Às 13h15 acontecerá o almoço, provavelmente na mesma Faculdade ou no seminário que se encontra próximo dali, o mesmo que Francisco abençoará; às 14h45 serão as despedidas e a volta ao Vaticano em helicóptero.

“O congresso – afirma o padre jesuíta Pino Di Lucio, vice-presidente da Faculdade Teológica – faz parte de uma série de iniciativas que a Seção São Luís promove desde 2016 para elaborar uma teologia contextual que discerne a interculturalidade provocada pelas migrações e os sinais dos tempos nos quais se revela a atualidade da Palavra de Deus”.

“No proêmio de Veritatis Gaudium – acrescentou Di Lucio – há critérios para a renovação dos estudos eclesiásticos que tragam o horizonte para elaborar uma teologia de diálogo com todos aqueles a quem importa o cuidado da casa comum, que é o planeta, com aqueles que estão comprometidos na construção de uma sociedade baseada na acolhida, sobretudo das pessoas marginalizadas e frágeis, e no respeito das diferenças; com aqueles que olham sem preconceitos as novidades das sociedades em que vivemos e que desejam compreender como se situar no novo contexto cultural, remodelado pela convivência cada vez mais consistente e generalizada de pessoas, de religiões e culturas diferentes”.

[Será] um grande retorno à Nápoles, portanto, para o Papa Francisco, que visitou a cidade do sul da Itália em 21 de março de 2015, quando também visitou Pompeia. Com esta nova visita, além disso, a região de Campânia se confirma como a região italiana mais visitada pelo Pontífice argentino.

Há quatro anos, Bergolio se reuniu com as diferentes realidades da arquidiocese partenopea, entre as quais estavam os detentos da famosa prisão de Poggioreale, com quem almoçou, e, à tarde, esteve com todo o clero e os religiosos no majestoso Duomo. No final deste encontro, o Papa abençoou os fiéis segurando as ampolas que contém o sangue de São Januário, o mesmo que se “liquefez” pela primeira vez nas mãos de um Pontífice.

Um fato histórico para todos os napolitanos que nutrem uma profunda devoção pelo santo que a partir de 1700 se converteu em padroeiro da cidade e da região. Os mesmos napolitanos que agora, nas redes sociais, ao descobrirem a notícia da chegada do Papa, já estão lançando pedidos para que Bergoglio dê uma de suas habituais “escapadas” para se reunir com eles, ainda que seja durante alguns instantes, antes de voltar ao Vaticano.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa volta a Nápoles para um congresso dos jesuítas sobre a teologia no Mediterrâneo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV