Algas Marinhas: Estamos perdendo um dos nossos maiores sumidouros de CO2?

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • De Martini a Bergoglio. Rumo a um Concílio Vaticano III

    LER MAIS
  • Abriu-se a porteira da absoluta ingovernabilidade no Brasil. Entrevista com Paulo Arantes

    LER MAIS
  • Bispos e padres boicotam a encíclica Laudato si’

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Novembro 2018

As algas marinhas ajudam a atenuar as mudanças climáticas, mas estamos perdendo uma área de algas do tamanho de um campo de futebol a cada 30 minutos

A informação é de Åbo Akademi University, publicada por EcoDebate, 08-11-2018. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Em um novo estudo que abrange áreas costeiras do Hemisfério Norte, uma rede coordenada de pesquisadores liderada pelo MSc Emilia Röhr, Assoc. Prof. Christoffer Boström de Abo Akademi e Prof. Marianne Holmer da University of Southern Denmark, explorou a magnitude dos estoques de carbono orgânico e armazenados/sequestrados por algas marinhas (Zostera marina) mais abundantes em águas temperadas.

– Descobrimos que os estoques de carbono orgânico de algas eram comparáveis aos estoques de carbono orgânico de espécies de ervas marinhas tropicais, bem como manguezais, plantas salgadas e ecossistemas terrestres, diz Emilia Röhr.

Em média, os prados de algas armazenaram 27,2 toneladas de carbono orgânico por hectare, embora a variação entre as regiões tenha sido considerável (de três para 265 toneladas por hectare). Hotspots para o sequestro de carbono foram identificados especialmente na região de Kattegat-Skagerrak, e partes do sul do Mar Báltico, onde os estoques de carbono orgânico foram mais de oito vezes maiores, do que no Mar do Arquipélago da Finlândia.

A alta capacidade de armazenamento de carbono dos prados de algas requer proteção e restauração desse ecossistema único. Especialmente nas áreas com maior capacidade de estoque de carbono, elas merecem reconhecimento como parte dos programas globais de carbono.

– As florestas terrestres são bem conhecidas por sua capacidade de armazenar carbono (carbono verde), enquanto o chamado carbono azul, armazenado e sequestrado por ecossistemas costeiros com vegetação, como manguezais, ervas salgadas, macroalgas e ervas marinhas, recebeu muito menos atenção, diz Röhr.

– Embora cubram apenas 0,5% do fundo do mar, sua capacidade de armazenamento de carbono é responsável por mais de 55% do carbono armazenado pela atividade fotossintética na Terra.

Nos sistemas marinhos, as espécies de carbono azul respondem por até 33% da captação total de CO2 oceânico . Em contraste com os solos terrestres, que geralmente armazenam carbono até décadas, o carbono armazenado nos ecossistemas de carbono azul pode persistir por escalas de tempo de milênios ou mais e, assim, contribuir significativamente para a mitigação das mudanças climáticas e alívio das concentrações crescentes de dióxido de carbono atmosférico.

Apesar da importância desses ecossistemas, até o momento, nenhum deles está incluído nos programas globais de comércio de carbono. De forma alarmante, nos últimos 50 anos, pelo menos 1/3 da área de distribuição de ecossistemas costeiros com vegetação foi perdida.

Fonte: EcoDebate

Referência:

Röhr, M. E., Holmer, M., Baum, J. K., Björk, M., Chin, D., Chalifour, L., et al. (2018). Blue carbon storage capacity of temperate eelgrass (Zostera marina) meadows. Global Biogeochemical Cycles, 32. https://doi.org/10.1029/2018GB005941

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Algas Marinhas: Estamos perdendo um dos nossos maiores sumidouros de CO2? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV