Honduras. Jesuíta encabeça outra marcha em solidariedade aos migrantes e contra o governo

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS
  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • “Facebook ameaça a democracia”, adverte Chris Hughes, cofundador da rede social

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Wagner Fernandes de Azevedo | 27 Outubro 2018

A caravana que partiu de Honduras em direção aos Estados Unidos já soma mais de 7 mil migrantes. Enquanto os governos de Honduras, México e EUA procuram soluções para barrar o avanço dos migrantes, outra marcha enfrenta o governo hondurenho. O padre jesuíta Ismael Moreno, opositor do presidente Juan Orlando Hernández, encabeça a “Marcha pela Dignidade” para lutar contra o modelo neoliberal e autoritário do governo.

O jesuíta Ismael Moreno, conhecido como Padre Melo, é um dos principais opositores do atual governo. Em março de 2016, o assassinato de Berta Cáceres prenunciou o autoritarismo de um presidente que combina os traços autoritários e neoliberais. Cáceres e Melo eram duas lideranças próximas, ativistas do movimento indígena e ambiental. A investigação do assassinato, em andamento, ainda não esclareceu quais foram os mandantes do crime.

Padre Melo continuou o enfrentamento ao governo hondurenho. Em 2016 prenunciava que Hernández tentaria reeleição, o que não era previsto na Constituição. Hernández conseguiu aprovar a reeleição e se reelegeu em 2017. Segundo o padre jesuíta, o presidente conduz Honduras de uma democracia autoritária para uma ditadura.

A crise que se instaurou em Honduras gerou uma onda de violência e de migrantes que fogem do país. Nesta semana uma caravana que partiu de Honduras e somou outros migrantes da América Central desestabilizou os governos da região. São mais de 7 mil migrantes que percorrem mais de 3 mil km em direção aos Estados Unidos.

Em solidariedade à caravana, Padre Melo organizou a “Marcha pela Dignidade”, partindo da cidade de La Barca em direção à capital Tegucigalpa. A marcha parte com bandeiras de Honduras e uma imagem de São Óscar Romero, canonizado no último dia 14.

Na sexta-feira, 26-10, a Marcha completou quatro dias de caminhada e chegou à capital. Foram 300km percorridos para cobrar do governo políticas públicas e o restabelecimento da ordem constitucional.

O movimento de oposição a ao governo é um agrupamento de diferentes movimentos sociais e organizações de defesa de direitos humanos. Segundo o Padre Melo “nasceu para lutar contra o continuismo do modelo neoliberal, produtor de exclusão e violencia, e contra o continuismo do projeto autoritário e ilegal de Juan Orlando Hernández”.

O jesuíta falou aos jornalistas na chegada da marcha à capital. Afirmou que a intenção era formar uma caravana semelhante a dos migrantes como solidariedade. Ainda, destacou que a Marcha pela Dignidade tem o propósito de pressionar os governantes do país, que são os causadores das migrações: “Chegaremos ao centro de decisões do país que é o que provoca a exclusão de milhões de hondureños que não encontram um lugar digno em Honduras e precisam migrar”. A marcha exige o reestabelecimento da ordem constitucional no país com a renúncia do presidente, eleito ilegalmente, segundo os manifestantes.

O presidente hondurenho, em contrapartida, disse nessa sexta-feira que investigará a origem da caravana de migrantes que partiu no dia 13-10. Em coletiva acusou influência dos países sul-americanos e que “todo mundo sabe da relação [da caravana] com grupos radicais de esquerda e, particularmente, os que se denominaram autoconvocados”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Honduras. Jesuíta encabeça outra marcha em solidariedade aos migrantes e contra o governo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV