É verdade que o cardeal arcebispo do Rio de Janeiro assinou um acordo eleitoral com Bolsonaro?

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • A radical visão teológica do Papa Francisco

    LER MAIS
  • O surgimento dos ''cismáticos devotos'' na Igreja Católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Outubro 2018

A imprensa brasileira deu muito destaque e visibilidade à notícia, amarga e dolorosa se for totalmente verdadeira, que confirma algo incrível, inédito e grave, ocorrido nessa quarta-feira, 17 de outubro, e que envolve diretamente o arcebispo do Rio de Janeiro, cardeal Orani Tempesta, 68 anos, prelado criado cardeal pelo Papa Francisco em 22 de fevereiro de 2014.

A reportagem é publicada pro Il Sismografo, 18-10-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Nessa quarta-feira, de acordo com a imprensa brasileira, o cardeal recebeu no arcebispado uma visita do candidato presidencial Jair Bolsonaro, que, depois, disse à imprensa – na presença do próprio cardeal (ver vídeo abaixo) – que teria sido assinado no encontro um compromisso em favor da vida e da família, compromisso que, à luz do momento político que vive o país, parece ser claramente de natureza propagandística e eleitoral. Portanto, surpreende que o purpurado não teve nenhuma reação imediata. No vídeo, pelo menos no que foi distribuído pelo comitê eleitoral de Bolsonaro, não se vê que o cardeal Tempesta tenha feito qualquer esclarecimento.

O candidato à presidência do Brasil, conhecido no país e no mundo como um perigoso extremista de direita, abertamente pró-fascista e nostálgico do nazismo, racista e homofóbico, e entusiástico defensor da política que quer abrir a Amazônia ao capital estrangeiro, continuou ressaltando a assinatura desse entendimento.

Candidato do PSL bate continência a Dom Orani Tempesta (Foto: Igreja – Povo de Deus – Em Movimento)

Bolsonaro também foi um violento anticatólico, embora hoje faça de tudo para esconder esse seu passado e para aparecer como um homem de fé, respeitoso do magistério da Igreja.

Consequentemente, Bolsonaro não se lembra, ou finge não se lembrar, daquilo que disse no passado sobre os bispos brasileiros, que, na sua opinião, sempre foram cúmplices do comunismo latino-americano.

Funcionárias da arquidiocese fazem sinais de armas de fogo com os dedos diante de uma imagem do Sagrado Coração de Jesus, por ocasião da visita do candidato do PSL ao cardeal do Rio de Janeiro (Foto: Igreja – Povo de Deus – Em Movimento)

É incrível que o cardeal Tempesta tenha passado por cima de tudo isso. Ao invés disso, parece que o purpurado descobriu a necessidade, para a Igreja brasileira, de assinar um acordo com esse político em defesa da família e contra o aborto.

Orani Tempesta pensa, talvez, que a vida e a família são defendidas com o apoio daqueles que propõem executar sem processos os traficantes de drogas, que quer mandar o Exército para as favelas mais violentas e que deseja o restabelecimento da pena de morte?

De acordo com as declarações Bolsonaro, expressadas com o cardeal Tempesta ao seu lado, que ficou sempre em silêncio, o acordo comprometeria os signatários de maneira formal e aparentemente oficial: “Assinamos um compromisso em defesa da família, em defesa da inocência da criança em sala de aula, em defesa da liberdade das religiões, contrário ao aborto, contrário à legalização das drogas”.

Foi isso que Bolsonaro disse. A imprensa local não menciona as palavras do cardeal Tempesta. A arquidiocese não publicou nenhum esclarecimento. Espera-se uma resposta do cardeal Tempesta, até porque não há dúvida de que a Igreja pode e deve defender a vida e a família, lutar contra o aborto e a produção, tráfico e consumo de drogas, sem se “aliar” com esse tipo de políticos latino-americanos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

É verdade que o cardeal arcebispo do Rio de Janeiro assinou um acordo eleitoral com Bolsonaro? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV