Rompimento de mineroduto da Anglo American polui manancial, na região da Zona da Mata, em Minas Gerais

Revista ihu on-line

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

Mais Lidos

  • Steve Bannon, cardeal Burke, ministro Salvini e o complô para derrubar o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Migrações, 30 milhões de crianças deslocadas no mundo por causa dos conflitos: é o número mais alto desde a Segunda Guerra Mundial

    LER MAIS
  • Sínodo dos jovens, as novas linhas. Rumo a uma virada sobre sexo e casais homossexuais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Março 2018

Um mineroduto da empresa britânica Anglo American se rompeu ontem (12) em Minas Gerais, na região da Zona da Mata, e levou poluição ao Ribeirão Santo Antônio. O manancial fornece água para o abastecimento do município de Santo Antônio do Grama (MG), com população de aproximadamente 4,2 mil pessoas. A mineradora disponibilizou caminhões-pipa para atender aos moradores da cidade.

A reportagem é de Léo Rodrigues, publicada por Agência Brasil, 13-03-2018. 

A Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad) recebeu pela manhã um comunicado da Anglo American acerca do rompimento. De acordo com nota divulgada pela pasta, não há informações sobre vítimas ou desalojados. “Segundo informações da empresa, o incidente provocou uma despressurização na linha tronco, projetando polpa de minério para o acesso municipal e para o leito do Ribeirão Santo Antônio”, registra o texto.

A Semad informa ainda que a situação está sendo monitorada por equipes do órgão e da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), responsável pelo abastecimento de água das cidades mineiras. Não foram fornecidas informações sobre possíveis penalidades à empresa por parte do órgão estadual ambiental.

O duto rompido transporta a produção da Anglo American de Minas Gerais ao Rio de Janeiro. Ele integra o empreendimento Minas-Rio, que compreende a extração de minério nas serras do Sapo e Ferrugem, o beneficiamento nos municípios de Conceição do Mato Dentro (MG) e Alvorada de Minas (MG) e ainda o mineroduto de 525 quilômetros que se encerra em um porto em Barra de Açu, no município de São João da Barra (RJ).

Por se tratar de um empreendimento que envolve mais de um estado, o licenciamento ambiental da estrutura foi feito pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) e tem validade até 2021. O órgão federal informou que uma equipe do seu Núcleo de Emergências Ambientais foi enviada ao local e somente após a vistoria poderá avaliar os impactos e decidir sobre eventuais sanções administrativas. A suspensão da licença, no entanto, não é cogitada, segundo o órgão.

O Ibama afirma ainda que, de acordo com informações recebidas até o momento, “a polpa de minério vazada não possui, entre seus componentes, substâncias químicas ou tóxicas” e “os resíduos provocaram turbidez da água, mas não apresentam riscos à saúde humana”.

Em nota, a Anglo American afirmou que o rompimento foi identificado às 7h42 e que a prefeitura de Santo Antônio do Grama, a Defesa Civil, a Copasa, a Semad e o Ibama foram imediatamente comunicados. De acordo com a mineradora, não houve vítimas e o fluxo do mineroduto foi interrompido de forma que, neste momento, apenas água está sendo escoada pela estrutura. “A polpa consiste em 70% de minério de ferro e 30% de água, sendo classificada pela NBR 10.004, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), como resíduo não perigoso”, acrescenta o texto.

Abastecimento

Com medida de segurança, a Anglo American informa que bloqueou o acesso ao local, deslocou para lá equipes técnicas e está colhendo amostragens da água para uma avaliação continuada. Também foi solicitado à Copasa a interrupção do abastecimento. “A empresa está providenciando caminhões pipa para garantir o fornecimento de água para a população afetada e continuará prestando todos os atendimentos que se fizerem necessários. Manteremos a sociedade permanentemente informada sobre a evolução dos fatos”, acrescenta a nota.

A Copasa confirmou que a Anglo American está disponibilizando caminhões pipa para atender aos moradores do município. Eles serão abastecidos na Estação de Tratamento de Água (ETA) Rio Casca e estarão disponíveis para a população no início desta noite. A companhia esclarece que a medida é emergencial e pede à população que adote um consumo consciente.

“É importante ressaltar que a Copasa, tão logo foi avisada do incidente, interrompeu o abastecimento às 10h de hoje, antes da chegada da mancha de minério ao ponto de captação no córrego Santo Antonio, o que ocorreu às 13 horas”, informou em nota.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rompimento de mineroduto da Anglo American polui manancial, na região da Zona da Mata, em Minas Gerais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV