Indústrias do RS cortaram mais de 100 mil empregos na crise

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • É verdade que o cardeal arcebispo do Rio de Janeiro assinou um acordo eleitoral com Bolsonaro?

    LER MAIS
  • Bolsonaro ameaça Amazônia, seus povos e biodiversidade, alertam geógrafos paraenses

    LER MAIS
  • Bolsonaro e o apoio de Steve Bannon, o sabotador de democracias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Fevereiro 2018

O tombo foi em 2015, mas setor ainda fechou 2017 extinguindo vagas. 

A reportagem é de Giane Guerra, publicada por Zero Hora, 03-02-2018 .

A indústria foi um dos primeiros setores a sentir o impacto da crise e segue ainda enfrentando os reflexos. No Rio Grande do Sul, acumula desde 2014 o corte de 103.433 postos de trabalho com carteira assinada.

A coluna somou os saldos negativos entre admissões e demissões que aparecem no Caged. O levantamento é divulgado todos os meses pelo Ministério do Trabalho com informações coletadas das empresas.

Ainda em 2014, quando o comércio e os serviços seguiam criando vagas, a indústriaextinguia empregos. Só que o tombo veio em 2015, quando o setor demitiu 53 mil pessoas a mais do que contratou.

Em 2016, foram mais de 26 mil postos de trabalho extintos. Naquele ano, os maiores impactos vieram das fábricas de material de transporte e do segmento mecânico.

Há poucos dias, foi apresentado o fechamento de 2017 do Caged. Mesmo em cima de uma base fraca e com a expectativa de um PIB positivo, o setor cortou 6.385 postos de trabalho. Foi a vez da indústria calçadista ser o destaque negativo, respondendo por quase metade deste resultado.

E quais são as perspectivas?

As empresas estão com o quadro de funcionários já enxuto, mas precisam de mais segurança para contratar. As perspectivas sobre encomendas e economia no geral precisam melhorar. Ao menos, para que os dados positivos que já aparecem cheguem com força no mercado de trabalho.

O Instituto de Estudos para Desenvolvimento Industrial avalia que ainda há muito chão para a indústria voltar ao patamar de 2013. O dado do IBGE apontou avanço de 2,8% em dezembro sobre novembro, mas o mês ainda está 14% abaixo do recorde atingido há quatro anos.

Um ponto positivo é que o último trimestre mostrou avanços interessantes nas divisões da indústria, com destaque para bens de capital que sinalizam a intenção das empresas de investir. A ponderação do IEDI, no entanto, é que ainda há uma concentração forte desta recuperação no segmento de veículos automotivo. É preciso que a retomada se dissemine e que apresente resultados robustos ao longo de 2018.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Indústrias do RS cortaram mais de 100 mil empregos na crise - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV