Santa Sé: sobre as ''questões chinesas'', há quem alimente a confusão

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • “A atual loucura digital é um veneno para as crianças”. Entrevista com Michel Desmurget

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Janeiro 2018

Sobre tudo o que diz respeito ao conturbado dossiê China-Vaticano, “o papa está em constante contato com seus colaboradores, em particular com a Secretaria de Estado”, e “é informado por eles de maneira fiel e particularizada sobre a situação da Igreja Católica na China e sobre os passos do diálogo em curso entre a Santa Sé e a República Popular da China, que ele acompanha com especial solicitude”.

A reportagem é de Gianni Valente, publicada por Vatican Insider, 30-01-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A Santa Sé quis reiterar isso com força através de um comunicado divulgado por Greg Burke, diretor da Sala de Imprensa vaticana. A declaração também expressa “surpresa e pesar” pelo fato de que “se afirma o contrário por parte de pessoas da Igreja e, assim, alimentem-se confusões e polêmicas”.

As últimas frases da declaração e a ênfase posta na abertura às “notícias difundidas sobre uma suposta diferença de pensamento e de ação entre o Santo Padre e seus colaboradores na Cúria Romana sobre as questões chinesas”, dá a entender qual é o objetivo visado pela intervenção vaticana.

A declaração visa a dissipar mal-entendidos e falsos teoremas alimentados nos últimos dias em torno dos casos das dioceses chinesas de Shantou e Mindong, no âmbito dos contatos em curso entre a Sé Apostólica e o governo chinês para encontrar um entendimento sobre a questão das nomeações episcopais.

Em ambas as dioceses citadas, estão presentes tanto um bispo “clandestino” legítimo, quanto um bispo “patriótico” ilegítimo, ordenado com o placet do governo chinês, mas sem o mandato apostólico da Santa Sé.

Canais midiáticos desde sempre mobilizados contra as negociações sino-vaticanas relataram que, nos últimos meses, os dois bispos legítimos teriam recebido de Roma o pedido de deixar a liderança da diocese aos dois bispos ordenados ilegitimamente, uma vez ocorrida a sua legitimação canônica.

Diante de tal pedido, o bispo de Shantou, Pedro Zhuang Jianjian, de 87 anos, teria rejeitado o pedido que lhe foi comunicado em Pequim por um enviado da Santa Sé (que as “indiscrições” jornalísticas sugerem ser o arcebispo Claudio Maria Celli, há décadas envolvido na gestão do complicado dossiê sino-vaticano).

Sobre o caso de Shantou, interveio, na segunda-feira, 29 de janeiro, o cardeal Joseph Zen, com uma longa mensagem/apelo aos “caros amigos da mídia”, na qual, entre outras coisas, revelou ter se mobilizado para confiar diretamente ao Papa Francisco uma carta do bispo Zhuang.

Na sua longa intervenção, o bispo emérito de Hong Kong também havia relatado a conversa em que o papa lhe referiu a indicação – por ele fornecida às autoridades vaticanas – de não criar, em torno da questão da diocese de Shantou, “um novo caso Mindszenty”.

Zen apresentara todo o caso de Shantou como um argumento em apoio dos ataques por ele lançados contra a Santa Sé sobre o “dossiê chinês”. “Por acaso – escrevera Zen – eu acho que o Vaticano está liquidando a Igreja Católica na China? Sim, decisivamente, se eles forem na direção que é óbvia em tudo o que fizeram nos últimos meses e nos anos recentes”.

O objetivo da campanha articulada em torno do “caso Shantou” é precisamente o de credenciar o clichê – midiaticamente vendável – de uma Santa Sé (e de uma Cúria Romana) que ordena que os bispos “fiéis” se rendam e se ponham de lado, pronta para sacrificar os católicos chineses a fim de se inebriar com “sucessos diplomáticos” nas relações com os líderes de Pequim.

Para alcançar esse objetivo, a disseminação orquestrada das indiscrições também visa a inflar a ideia de que a “política” vaticana sobre a China não pode ser atribuída ao “papa latino-americano”, que “não entende” de questões chinesas e é mal aconselhado pelos seus colaboradores.

Circulam reconstruções parciais e manipuladas de conversas e encontros pessoais, aproveitando também os critérios de confidencialidade aos quais a Santa Sé não pode deixar de se abster, quando se trata de questões delicadas como as escolhas de consciência a que os bispos são chamados no seu vínculo de comunhão com o sucessor de Pedro.

Uma estratégia militante, “barriga no chão”, que corre o risco de espalhar desconcerto e confusão também em muitas comunidades da Igreja na China. Será que realmente – começam a se perguntar nas paróquias chinesas, diante das mensagens veiculadas por Zen e pelas agências da sua linha – o papa e a Santa Sé estão traindo e abandonando os católicos “clandestinos”?

O comunicado da Santa Sé, portanto, parece voltado a tranquilizar principalmente os católicos chineses e a protegê-los dos efeitos das manobras de política eclesiástica arquitetadas no Ocidente.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Santa Sé: sobre as ''questões chinesas'', há quem alimente a confusão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV