Proibição da Igreja ao uso de anticoncepcionais é "catastrófica". Carta aberta ao Papa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Conjuntura: Alguns pontos para reflexão. O desafio será combiná-los e extrair consequências. Apontamentos de Luis Eduardo Soares

    LER MAIS
  • É hora de enterrar a Igreja centrada no clero

    LER MAIS
  • Democracia e Direitos Humanos. Nota Pública da Comissão Brasileira Justiça e Paz

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Julho 2008

Mais de 50 grupos dissidentes católicos publicaram ontem uma carta aberta ao papa Bento XVI, em que classificam a proibição da Igreja ao uso de anticoncepcionais de “catastrófica” e pedem que ela seja revista.

O texto foi publicado em anúncio de meia página no maior jornal italiano, o Corriere della Sera, no 40º aniversário da polêmica encíclica Humanae Vitae, na qual o papa Paulo VI instituiu o veto aos métodos anticoncepcionais, que ganhavam popularidade naquela época.

Críticas a essa postura são comuns na imprensa italiana, mas nunca em um anúncio pago e dirigindo-se diretamente ao pontífice.

A carta diz que a posição da Igreja “tem tido um impacto catastrófico sobre os pobres e impotentes mundo afora, ameaçando as vidas das mulheres e deixando milhões expostos ao ricos do HIV”.

O texto diz ainda que, 40 anos depois, a encíclica continua sendo “uma fonte de grande conflito e divisão na Igreja”. Acrescenta que a maioria dos católicos recorre sem culpa a métodos anticoncepcionais, o que seria uma prova do “absoluto fracasso” da proibição.

MAL-ENTENDIDO

Bento XVI já se manifestou publicamente a favor do conteúdo da encíclica de 1968, a exemplo do que fizera seu antecessor, João Paulo II. Em maio, o atual pontífice declarou que o texto de Paulo VI foi visionário, mas é “freqüentemente mal-entendido e mal-interpretado”. Na opinião do papa alemão, o amor entre um casal não pode “ficar fechado ao dom da vida”. A Igreja só autoriza métodos naturais de contracepção, como a tabelinha (abstinência sexual durante o período fértil da mulher).

A carta publicada no Corriere della Sera é assinada por grupos como as Católicas pelo Direito de Decidir, que tem sede nos EUA, o Somos a Igreja, com ramificações em vários países, e o Ministério dos Novos Caminhos, que congrega católicos homossexuais.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Proibição da Igreja ao uso de anticoncepcionais é "catastrófica". Carta aberta ao Papa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV