Tabaco chegou à Itália trazido pela Igreja. Urbano VIII o proibiu, João XXIII fumava

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Direito à Moradia, Direito à Cidade

Edição: 533

Leia mais

Direito à Moradia, Direito à Cidade

Edição: 533

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Direito à Moradia, Direito à Cidade

Edição: 533

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Mais Lidos

  • Movimento anti-Francisco liderado por Bannon ameaça a unidade da Igreja

    LER MAIS
  • Ratzinger e a influência sobre o conclave

    LER MAIS
  • Papa propõe um abalo radical na Cúria Romana

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Novembro 2017

“O que você quer? Já somos cada vez menos...” Um alto prelado, no topo de um dos dicastérios mais importantes da Cúria romana, fala a respeito do assunto com temor e tremor, nem que fosse a “fumaça de Satanás” evocada por Paulo VI. Mas são só alguns cigarros, fumados às escondidas. “Às vezes, você se envergonha um pouco também”, suspira. Os tempos mudaram, até na Igreja. E pensar que tudo começou com o Vaticano.

A reportagem é de Gian Guido Vecchi, publicada por Corriere della Sera, 10-11-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

No princípio, em Roma, o tabaco era chamado de “erba Santacroce”, do nome do purpurado que o trouxera por primeiro à Itália no século XVI. O cardeal Prospero Santacroce havia sido núncio em Lisboa e em Portugal, conhecera outro diplomata, Jean Nicot, finíssimo estudioso da língua francesa que nunca suspeitaria que poderia ser lembrado pela posteridade, com todo o respeito ao seu Dicionário, por causa de um alcaloide: a nicotina, precisamente.

O bom Nicot havia enviado tabaco a Paris em 1550. Dez anos depois, o cardeal Santacroce deu ao Papa Pio IV algumas sementes daquela planta do Novo Mundo.

Os primeiros a cultivá-la foram os monges cistercienses nas campanhas romanas. Exaltavam-se das suas virtudes medicinais. E se tendia a exagerar: pessoas que cheiravam, mascavam ou fumavam até na igreja, durante as missas. O Papa Urbano VIII chegou a ameaçar a excomunhão (em 1624) e foi forçado, como sucessor, Inocente X, a proibir o seu uso em São Pedro.

Logo depois, porém, foi Alexandre VII que criou o primeiro monopólio do tabaco na Europa, em 1655, com uma “privatização” que conferia a produção aos irmãos Michilli, no Trastevere.

Em 1742, outro papa, Bento XIV, mandou construir uma nova fábrica pontifícia de tabaco, confiando o seu projeto a Luigi Vanvitelli, o arquiteto do Palácio de Caserta.

A Pio IX, por sua vez, em 1860, deve-se a construção da grande Manufatura que reunia todas as estruturas romanas na atual praça Mastai.

A Igreja, aliás, até agora não condenou o uso do tabaco em si mesmo, mas sim o seu “excesso”. A propósito de “respeito pela saúde”, o Catecismo menciona o fumo na parte dedicada ao quinto mandamento, “não matar”, número 2.290: “A virtude da temperança leva a evitar toda a espécie de excessos, o abuso da comida, da bebida, do tabaco e dos medicamentos”.

Também houve papas que faziam uso dele, se é por isso. É célebre a anedota de Pio IX, que gostava de cheirar tabaco. Ele ofereceu um pouco a um cardeal que recusou, dizendo: “Santidade, eu não tenho esse vício”. Conta-se que o papa Mastai não gostou muito: “Se fosse um vício, eminência, o senhor o teria”.

São João XXIII era um fumante comedido, pelo menos como bispo e cardeal. Uma foto dos tempos da nunciatura de Paris (foto acima) o retrata com um cigarro entre os dedos. Uma versão mais adocicada remete tudo isso a uma questão de cortesia: como fino diplomático, para fazer com que os seus hóspedes fumantes se sentissem à vontade, ele lhes oferecia os cigarros, acendendo-os por primeiro.

A mesma cortesia que levava Paulo VI a mandar colocar um cinzeiro quando tinha convidados para o jantar. Roncalli, por outro lado, não é o único santo ao lado do tabaco. Narra-se que São José de Copertino, no século XVII, viu nele um remédio contra as tentações da carne. O padre Pio não desdenhava o tabaco de cheiro.

Nas regras muito rígidas do conclave, também não estão previstas proibições desse tipo. Àqueles que lhe perguntavam em 2013, o padre Federico Lombardi explicava que os cardeais “estão livres para fumar”, contanto que o façam “nos lugares abertos e não nos comuns”.

No conclave que elegeu o Papa João Paulo I, em agosto de 1978, o cardeal de Madri, Vicente Enrique y Tarancón, fumante inveterado – ele morreria em 1994, aos 87 anos – trouxe consigo uma quantidade adequada de cigarros, afinal, nunca se sabe quanto tempo vai durar.

Depois da eleição, que, para a sua sorte, foi rápida, no fim do jantar com o novo papa, pediu permissão para acender um. O Papa Luciani pensou e finalmente respondeu: “O senhor pode fumar, eminência, mas com uma condição: que a fumaça seja branca!”.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Tabaco chegou à Itália trazido pela Igreja. Urbano VIII o proibiu, João XXIII fumava - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV