O convite para uma festa diferente

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • 'O que explica o Brasil não é o patrimonialismo e o populismo, mas a escravidão'. Entrevista com Jessé Souza

    LER MAIS
  • Papa Francisco convoca Sínodo para a região Pan-Amazônica

    LER MAIS
  • Diaconisas há longos séculos. Artigo de Gianfranco Ravasi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

13 Outubro 2017

Jesus voltou a falar em parábolas aos chefes dos sacerdotes e aos anciãos do povo. Ele dizia: «O Reino do Céu é como um rei que preparou a festa de casamento do seu filho. E mandou seus empregados chamar os convidados para a festa, mas estes não quiseram ir. O rei mandou outros empregados, dizendo: ‘Falem aos convidados que eu já preparei o banquete, os bois e animais gordos já foram abatidos, e tudo está pronto. Que venham para a festa’. Mas os convidados não deram a menor atenção; um foi para o seu campo, outro foi fazer os seus negócios, e outros agarraram os empregados, bateram neles, e os mataram. Indignado, o rei mandou suas tropas, que mataram aqueles assassinos, e puseram fogo na cidade deles.

Em seguida, o rei disse aos empregados: ‘A festa de casamento está pronta, mas os convidados não a mereceram. Portanto, vão até as encruzilhadas dos caminhos, e convidem para a festa todos os que vocês encontrarem’. Então os empregados saíram pelos caminhos, e reuniram todos os que encontraram, maus e bons. E a sala da festa ficou cheia de convidados.

Quando o rei entrou para ver os convidados, observou aí alguém que não estava usando o traje de festa. E lhe perguntou: ‘Amigo, como foi que você entrou aqui sem o traje de festa?’ Mas o homem nada respondeu. Então o rei disse aos que serviam: ‘Amarrem os pés e as mãos desse homem, e o joguem fora na escuridão. Aí haverá choro e ranger de dentes’. Porque muitos são chamados, e poucos são escolhidos.»

Leitura do Evangelho segundo Mateus Mt 22,1-14. (Correspondente ao 28° Domingo do Tempo Comum, ciclo A do Ano Litúrgico).

O comentário é de Ana Maria Casarotti, Missionária de Cristo Ressuscitado.

O convite para uma festa diferente

Uma vez mais, Jesus se dirige por “parábolas aos chefes dos sacerdotes e aos anciãos do povo”. Na sua fala Jesus compara o Reino do Céu com uma festa de casamento, com um banquete. Como acontece ainda hoje, ser convidados para uma Festa, e ainda mais um grupo de pessoas simples, que foram encontradas pelos caminhos, é um grande convite quase impensável! Eles e elas foram escolhidos para participar desse momento tão significativo.

Uma festa de casamento envolve comida e bebida abundante, presença da família e amigos. As pessoas tentam colocar as melhores roupas que possuem, e assim arrumar tudo o que é necessário para participar de uma forma digna.

Desta forma Jesus está comunicando-nos que o Reino de Deus é uma celebração de amor, uma aliança que se consolida e se projeta com esperança ao futuro, onde está presente a família, os amigos e amigas. É uma aliança de Deus com os homens e mulheres e deles entre si.

Há um estilo de vida que fica para trás, para iniciar uma nova experiência de uma vida onde ninguém fica fora, todos são convidados. O futuro impulsiona este movimento de amor que renova cada integrante da humanidade.

A lei que rege é o amor, a vida, todos e todas são iguais e convidados a viver numa liberdade nova. Jesus disse aos empregados que no convite digam que o banquete já está preparado: ‘eu já preparei o banquete, os bois e animais gordos já foram abatidos, e tudo está pronto. Que venham para a festa’ (22,4).

Não há limite de convidados, ninguém fica excluído.

Quais seriam os sentimentos de Jesus ao pronunciar estas palavras? Sem dúvida uma grande alegria, mas também uma grande dor ao reconhecer que há alguns que rejeitam esse convite preparado com tanto carinho pelo seu Pai. Jesus sabia que cada pessoa tem liberdade para escolher aquilo que deseja.

Em várias oportunidades ele se dirige aos sacerdotes e anciãos do povo através de parábolas como uma tentativa de oferecer sua mensagem, o tesouro que há escondido nas suas palavras, mas eles são surdos a sua voz e cegos às transformações que estão acontecendo ao redor.

Eles “não quiseram ir” e desacolhem o convite para a Festa do casamento de seu Filho. Mas o Rei, Deus Pai, não abandona a tentativa de convidá-los, e procura uma nova forma para invitá-los a participar da grande Festa de seu Filho.

Contudo eles não querem escutar e agem até violentamente! “Mas os convidados não deram a menor
atenção; um foi para o seu campo, outro foi fazer os seus negócios, e outros agarraram os empregados, bateram neles, e os mataram.” Pessoas ingratas diante de tanta generosidade e gratuidade! Por que acontece assim?

É um convite pessoal que hoje também chega até cada um e cada uma de nós. Como o recebemos? São palavras que chegam até cada um de nós? Os ouvidos estão abertos para escutar esse apelo para uma grande festa? O convite para entrar na Festa do Reino é pessoal.

Podemos perguntar-nos: Atuamos desde nossa liberdade e gratuidade interior ou respondemos como a multidão, simplesmente porque todos fazem assim, sem critério?

A novidade do Reino tem uma atração pessoal que chega em diferentes momentos e oportunidades de nossa vida. Mas podemos ser cristãos e não “ter tempo para escutá-lo” e ainda menos descobrir a beleza de sua novidade. O trabalho, a família, até as preocupações na paróquia, na comunidade religiosa, e tantas outras coisas aparecem como nomes que justificam o rechaço à novidade do Reino.

Neste momento, ajuda-nos refletir quando escutamos pessoalmente esse convite? Por onde aparece? Temos capacidade para escutá-lo, ou consideramos que já somos membros do Reino e não deixamos tempo para ouvir a voz do Senhor no nosso interior ou através de outras pessoas?

Mas a Festa continua e os empregados continuam chamando as pessoas que estão nos caminhos: “Vão até as encruzilhadas dos caminhos, e convidem para a festa todos os que vocês encontrarem.”

Quem são os que estão nas encruzilhadas dos caminhos? Na época de Jesus eram todos os que eram excluídos do sistema social e religioso, desempregados, doentes, prostitutas, estrangeiros. Os pobres, mas que procuram sair dessa situação e buscam não viver mais sob o jugo da opressão, perseguem uma liberdade profunda. São os que lutam incansavelmente pelos seus direitos e necessidades.

Hoje há milhares de pessoas que no mundo inteiro procuram sair da escravidão e preferem arriscar sua vida e a de sua família, morrendo ao tentar atravessar o mar para sair de situações de marginalização, luta, escravidão.  Mulheres escravas para vender e ser usadas como prostitutas. E assim muitas outras realidades.

Nesta parábola este grupo são os que aceitam o convite! Eles não sabiam todas as normas sociais, culturais e religiosas, mas tinham um grande desejo na procura de outro estilo de vida. Neste grupo toda a humanidade está representada. Ninguém fica excluído, porque o convite do Reino é para todos e todas por igual.

Na sua pobreza, recebem o convite para participar da festa do rei, para iniciar uma nova vida mais digna, mais justa, mais fraterna, e aceitam! Na Festa do Reino entram todos, no coração do Pai ninguém fica excluído, toda pessoa tem direito a participar!

O Pai convida cada ser humano para sua Festa e oferece-lhe um novo estilo de vida para ser revestido de seus sentimentos e do seu projeto de vida e assim participar da Festa. É tudo de graça, mas é necessário aceitá-lo e deixar-nos renovar pelo seu Espírito para acolher um novo estilo de vida.

Como disse São Paulo, “Revistam-se do homem novo, criado segundo Deus na justiça e na santidade que vem da verdade. Abandonem a mentira: cada um diga a verdade ao seu próximo, pois somos membros uns dos outros. [..] Quem roubava, não roube mais; ao contrário, ocupe-se trabalhando com as próprias mãos em algo útil, e tenha assim o que repartir com os pobres.” (Ef 4,24.28)

Diante do convite gratuito de Deus para participar de seu Reino, qual é a minha resposta?

Oração

Pai misericordioso, nós vos pedimos pelo Brasil!

Ajudai-nos a construir um país justo e fraterno.
Que todos estejamos atentos
às necessidades das pessoas mais fragilizadas e indefesas!
Que o diálogo e o respeito vençam o ódio e os conflitos!
Que as barreiras sejam superadas por meio do encontro e da reconciliação!
Que a política esteja, de fato,
a serviço da pessoa e da sociedade
e não dos interesses pessoais, partidários e de grupos.

Pai misericordioso, nós vos pedimos pelo Brasil!

Neste ano em que celebramos os 300 anos
do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida,
queremos seguir o exemplo de Maria,
permanecendo unidos a Jesus Cristo,
que convosco vive, na unidade do Espírito Santo.
Amém!

(Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - O convite para uma festa diferente